27.4 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro 2020

Igreja omissa, incompetente e conivente

Mais Artigos

Reservas de Forças: aquela força extra que nos leva muito mais longe

O que trago aqui hoje são cinco fontes de reservas de forças, que nem sempre são mensuráveis, mas são perceptíveis

Biden venceu, e agora?

Estou nos Estados Unidos desde 1986 e nunca vi este país tão dividido, em tantas agendas.

Vacina contra a covid-19: a marca da besta?

Seria a vacina contra covid-19 a marca da besta, um meio de implantar um chip na população mundial para o controle do anticristo?

A conivência emerge exatamente de a igreja conviver com casos reais de violência doméstica, em sua grande maioria cometida contra mulheres

Por Lécio Dornas

Em Janeiro de 2017, o Brasil ficou assustado com o portal da UOL, que publicou uma entrevista com Valéria Vilhena, é teóloga, mestre em ciências da religião e doutora no programa Educação, História da Cultura e Artes, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, na qual abordou sua então recente pesquisa, onde foi constatado que “40% das mulheres que sofrem violência doméstica são evangélicas”.

Segundo temos lido na mídia de hoje, com a pandemia e seus desdobramentos em confinamento, isolamento e distanciamento social, os caso de violência doméstica, normalmente praticados contra menores, idosos e mulheres, têm aumentado.

Mas não é a estatística que me assusta, embora seja assombrosa. O que me espanta é que a igreja, que deveria ser o abrigo emocional e espiritual, porquanto modeladora do caráter e construtora da espiritualidade saudável, tem se mostrado omissa, incompetente e até conivente com esse quadro triste e nauseante da violência doméstica.

Omissa porque nunca trata o assunto, nem mesmo vendo o estrago que estatísticas como essa comentada por Valéria Vilhena, faz na sua imagem e reputação. Os púlpitos têm assuntos muito mais relevantes para tratar e a pauta da Escola Dominical, dos pequenos grupos ou dos programas de discipulado, tem temas muito mais importantes para cobrir. Logo, não há espaço para o tópico ‘violência doméstica’ na igreja.

Incompetente, porque sua liderança, começando pela pastoral, mesmo lidando com os dramas das vítimas de violência doméstica, não tem preparo e também não tem coragem para afirmar para as pessoas agredidas que estão sendo vítimas de violência e abuso, tampouco para indicar e ajudar encontrar alternativas de ajuda.
Nem pensar, na igreja de hoje, sobre a  possibilidade de ela mesma ser agende de ajuda e, portanto, de mudança social.

A conivência emerge exatamente de a igreja conviver com casos reais de violência doméstica, em sua grande maioria cometida contra mulheres, e simplesmente nada fazer e, em muitos casos, agir na tentativa de ajudar as vítimas a se conformarem com sua situação e apenas ‘orarem para que um dia Deus a mude’.

Violência doméstica é uma agressão ao Evangelho de Jesus, que preconiza o amor acima de todas as coisas. Vale lembrar, inclusive, o ensinamento do Apóstolo Paulo, escrevendo a Timóteo, quando disse: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé, que é pior que um descrente” – (1 Timóteo 5: 8). Se quem não cuida é pior que um incrédulo, o que diria Paulo acerca de quem bate, agride, molesta, abusa, tortura, emudece, intimida, ameaça, usa e mata?

Já passou da hora da igreja de Jesus se inconformar e se indignar em aparecer no cenário da violência doméstica em outra posição que não seja de ensinar a maneira certa de viver, disciplinar os que insistem em viver errado, denunciar os infratores e dar voz, em muitos casos até ser a voz dos pequeninos, que nada podem falar por ter sido suas vozes arrancada de suas gargantas, tampouco conseguem gritar ou chorar.

A igreja de Jesus precisa fazer ouvir a voz do seu Senhor através de sua vida, testemunho, coragem e martírio. Não existe no mundo exército maior do que a igreja de Jesus Cristo. É hora de agir!

Lécio Dornas é teólogo, educador, autor e pastor da Igreja da Família em Orlando, Florida – EUA

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Espetáculo “Árvore que canta” 2020 é cancelado

Tradicional em Vitória (ES), a Árvore que canta 2020, que acontece há 21 anos, foi cancelada por conta da pandemia do novo coronavírus. Saiba mais!

Dia mundial de Ação de graças

Quero inspirar você neste texto a aceitar a verdade defendida pelo dia de Ação de graças, mesmo que não valorize o feriado.

Audiências de custódia vão acontecer por videoconferência

As audiências de custódia por videoconferência foram autorizadas pelo Conselho Nacional de Justiça em decorrência da pandemia. Saiba mais!

De desempregado a milionário: “provisão de Deus”

Horas depois de ficar desempregado, um trabalhador do interior do Paraná ganha 1 milhão em um sorteio. Saiba mais!

Entrevistas

João Mordomo: O desafio de evangelizar e plantar igrejas

Co-fundador da Crossover Global, movimento missionário de plantação de igrejas no mundo, fala do desafio de pregar o evangelho entre os povos não alcançados.

Abby Johnson: “Ninguém está além da graça e do amor de Deus”

Em entrevista exclusiva à Comunhão, a empresária Abby Johnson revela os detalhes que a fizeram deixar uma clínica de aborto para se tornar uma ativista pró-vida nos EUA. Confira!

Paulo Oliveira: Toda crise é boa para quem é pequeno

Como será de agora em diante para a economia, a política e a educação? E onde a Igreja entra nisso? Confira a entrevista com Paulo Oliveira, presidente do Instituto Renovo

Davi Lago e Leonardo Gonçalves: a crise e a oportunidade de fazer diferente

Para Davi Lago e o cantor Leonardo Gonçalves, simplicidade, solidariedade e amor são ingredientes fundamentais para vencer a crise