back to top
27.9 C
Vitória
domingo, 23 junho 2024

Igreja no Ceará é vandalizada por integrantes da comunidade LGBTQIA+

Foto: Reprodução

A Assembleia de Deus em Uruoca repudiou o ato de vandalismo, considerando-o desrespeito à fé cristã e intolerância religiosa

Por Patricia Scott 

O templo central da Assembleia de Deus em Uruoca, no Ceará, foi vilipendiado por integrantes da comunidade LGBTQIA+ durante a realização de uma festa junina no município. As imagens de um vídeo postado no Instagram, nesta terça-feira (11), mostram um integrante pendurado no muro da igreja, dançando com gestos obscenos, enquanto outros zombam e aplaudem.

Na mesma rede social, em um perfil de humor, o vídeo foi postado com zombaria, inclusive há uma música cristã ao fundo. “Recebemos nesta manhã, um vídeo repugnante. Um criminoso, repito, criminoso, subiu no muro da Assembleia de Deus Templo Central em Uruoca (CE), e profanou o nosso templo sagrado”, compartilhou a deputada doutora Silvana (PL), que é evangélica.

Na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (Alece), a parlamentar denunciou o crime, além de informar que tomará as providências cabíveis. “Eles terão que responder criminalmente. Eu mesma vou pedir providências do secretário de segurança pública deste estado. A fé precisa ser respeitada. As pessoas precisam ser respeitadas como esta deputada respeita quem tem sua opção sexual”.

- Continua após a publicidade -

Ao ressaltar que vilipendiar a fé é crime, Silvana destacou que “a casa de Deus é sagrada. O muro é sagrado, o chão é sagrado, é tudo sagrado. Existe um código penal, artigo 208; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”.

A Assembleia de Deus em Uroca divulgou uma nota no Instagram, repudiando o ocorrido. “Percebem-se atos de vandalismo, desrespeito e intolerância religiosa, uma vez que na edição do vídeo, utiliza-se de canção gospel para acompanhar as imagens”.

Ao pedir respeito à fé cristã, a AD defendeu a liberdade religiosa. “Os atos ocorridos reforçam pensamentos hostis e intolerantes contra o templo, desrespeitando o sagrado alheio e a liberdade religiosa. Reiteramos que não somos a favor de retaliação, exigimos respeito com a nossa fé”. Por fim, a igreja agradeceu o apoio de “todos os irmãos que se solidarizaram conosco nesse momento onde nos sentimos atacados”.

É importante destacar que o ambiente de culto é protegido e resguardado pela Constituição Federal, no artigo 5º, inciso VI, que “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença, assegurando o livre exercício dos cultos religiosos e garantindo, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias.”

Em rede social, vários internautas compartilharam opiniões. “Só tenha uma coisa a dizer: Jesus está voltando e a volta Dele nunca este tão próxima como nos dias de hoje, pois a Palavra Dele está se cumprindo. Arrependei-vos enquanto há tempo”, escreveu uma pessoa. Outra postou: “Se fosse um crente só levantando as mãos e orando na frente de um terreiro de candomblé, vixi meu Deus do céu. O parquinho pega fogo ligeiro. Façam na grade da mesquita islâmica”. Já um seguidor perguntou: “Cadê a multa? Voz de prisão? Esse país está uma palhaçada. Tempos de Sodoma e Gomorra. Deus tenha misericórdia do nosso país”.  

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -