22.1 C
Vitória
domingo, 5 dezembro 2021

Igreja e perseguição: Indonésia completa 76 anos de independência

Arquipélago já foi palco de muitos registros violentos e, mesmo sendo aberto à diversidade, cristãos são perseguidos

Por Marlon Max

A Indonésia, localizada no Sudeste Asiático, é formada por ilhas vulcânicas e abriga centenas de grupos étnicos que falam diversos idiomas. Hoje a nação completa 76 anos de independência. O país é conhecido pelas belas praias, vulcões, dragões de Komodo e selvas, onde vivem elefantes, orangotangos e tigres. Todo esse cenário faz da Indonésia um país promissor para o turismo, atraindo milhares de visitantes por ano.

No entanto, apesar da beleza, o país já foi palco de violência e corrupção. Antes de sua independência, a Indonésia foi colônia da Holanda por longos anos. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1942, no entanto, o Japão invadiu e se apossou do arquipélago. Com o fim da Guerra, o então líder Sukarno declarou a independência da Indonésia com o apoio dos japoneses. Embora só tenha tido sua independência reconhecida em 1949, a República da Indonésia, oficialmente, nasceu antes, em 17 de agosto de 1945.

De acordo com dados da missão Portas Abertas, religiosamente, a Indonésia é diversificada. Entre os séculos 7 e 14, reinos budistas e hindus foram formados no país, e no século 9, na ilha de Java, foi construído o Borobudur, o maior monumento budista do mundo. Já no século 18 os árabes da Índia chegaram à região, trazendo consigo o islamismo, que passou a dominar as ilhas do arquipélago.

O século 20 testemunhou a influência de muitos novos grupos missionários protestantes no país, que fez com que o cristianismo crescesse entre os indonésios. Contudo, embora o governo tente manter firme a sua bandeira de tolerância, a Indonésia é a 47ª nação na Lista Mundial da Perseguição 2021, fornecido pela Portas Abertas.

Como é a perseguição aos cristãos na Indonésia?

indonésia
Foto: reprodução/ Unsplash

A situação dos seguidores de Jesus na Indonésia vem piorando nos últimos anos, relata a missão. Cristãos que cresceram em um lar muçulmano muitas vezes experimentam perseguição da família. Em muitas casas, as famílias abusam verbalmente dos familiares cristãos e os isolam por causa da fé. Em muitas partes do país, grupos islâmicos extremistas são fortes e influenciam a sociedade e a política, ameaçando e pressionando os fiéis.

Em maio, a a missão Portas Abertas noticiou sobre quatro cristãos que foram decapitados por extremistas islâmicos, na aldeia Kalimago, na região de Sulawesi. As vítimas eram seguidores de Jesus e tinham entre 42 e 61 anos. Os ataques foram supostamente realizados por membros do grupo terrorista Mujahideen da Indonésia Oriental (EIM, da sigla em inglês). “Os moradores ainda estão traumatizados com o ataque terrorista em Sigi em novembro passado e ainda não se recuperaram. Eles precisam de nossas orações”, conta um parceiro local.

Com informações Portas Abertas

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se