25.5 C
Vitória
terça-feira, 16 abril 2024

Hungria assina novo acordo de acesso a gás russo

Hungria assina novo acordo de acesso a gás russo - Foto: Engin Akyurt/Pexels

O preço do gás, que chegaria à Hungria através do gasoduto Turkstream, seria limitado a 150 euros (US$ 163) por metro cúbico

A Hungria assinou nesta terça-feira, 11, novos acordos com a Rússia para garantir acesso à energia russa. O pacto sinaliza os contínuos laços diplomáticos e comerciais entre os dois países, que confundiram alguns líderes europeus em meio às sanções a Moscou pela guerra contra a Ucrânia.

Em uma coletiva de imprensa em Moscou, o ministro das Relações Exteriores húngaro, Peter Szijjarto, disse que a estatal russa de energia Gazprom concordou em permitir que a Hungria, se necessário, importasse quantidades de gás natural além dos valores acordados em um contrato de longo prazo que foi alterado no ano passado. A Gazprom confirmou o acordo.

O preço do gás, que chegaria à Hungria através do gasoduto Turkstream, seria limitado a 150 euros (US$ 163) por metro cúbico, disse Szijjarto.

A viagem de Szijjarto à capital da Rússia foi incomum para um funcionário de um país da União Europeia (UE). A maioria dos membros do bloco de 27 nações se distanciou do presidente russo, Vladimir Putin, por causa de sua invasão da Ucrânia e procurou afastar seus países dos combustíveis fósseis russos. O governo húngaro, porém, fez forte lobby na UE para ser isento de quaisquer sanções impostas ao gás, petróleo ou combustível nuclear russo – sob a ameaça de vetar ações propostas da UE contra Moscou.

- Continua após a publicidade -

Em Moscou, Szijjarto se reuniu com o vice-primeiro-ministro russo para Energia, Alexander Novak, e o executivo-chefe da empresa estatal russa de energia nuclear Rosatom, Alexey Likhachev. Durante a coletiva de imprensa, ele insistiu que o acesso ao fornecimento de energia russo era crucial para a segurança da Hungria, independentemente das considerações políticas trazidas pela guerra.

“Enquanto a questão do fornecimento de energia for uma questão física e não política ou ideológica, goste ou não, a Rússia e a cooperação com a Rússia permanecerão cruciais para a segurança energética da Hungria”, disse Szijjarto.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -