26.9 C
Vitória
domingo, 28 novembro 2021

ES – Hospital Evangélico é referência no tratamento de Câncer

Há 46 anos atuando na saúde, é o único hospital filantrópico capixaba que conquistou a classificação máxima em gestão hospitalar e que possui um centro especializado em oncologia

A cada dia mais pessoas descobrem o câncer. De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), até 2030 serão mais de 21, 4 milhões de novos casos e cerca de 13,2 milhões de mortes por câncer, em consequência do envelhecimento precoce da população.

Há 46 anos atuando na saúde, o Hospital Evangélico Vila Velha (HEVV) atua na prevenção e tratamento contra o câncer. O hospital foi inaugurado em 1972, mas começou desde 1956, quando foi idealizado pelas igrejas que compõem a Associação Evangélica Beneficente Espírito-Santense (Aebes).

A oncologista clínica do HEVV, Morgana Stelzer Rossi, disse que o câncer passou a ser considerado um problema de saúde pública mundial. – Foto: Renato Cabrini / Next Editorial

A oncologista clínica do HEVV, Morgana Stelzer Rossi, disse que o câncer passou a ser considerado um problema de saúde pública mundial, por isso é importante diagnosticá-lo o mais rápido possível. “Quanto mais cedo for diagnosticado o câncer, maiores as chances de cura, a sobrevida e a qualidade de vida do paciente, além de mais favoráveis à relação efetividade/custo”, alertou.

Morgana contou, ainda, que várias são as causas para desenvolver um câncer. O tabagismo e a obesidade, por exemplo, são fatores de risco para diversos cânceres, como mama, cólon, útero e alertou para alguns agentes causadores da doença.

“A associação entre álcool e tabaco é conhecida por muitos como fator de risco para o câncer de boca, de orofaringe e de trato gastrintestinal superior. A exposição única (radiações ionizantes, por exemplo) ou contínua (no caso da radiação solar ou tabagismo) são fatores de risco para câncer de pele. A exposição solar prolongada sem proteção adequada durante a infância pode ser uma das causas do câncer de pele no adulto. Infecções virais também são responsáveis por alguns cânceres como de fígado, de nasofaringe, de colo de útero”, explicou Morgana.

Recuperação

A pedagoga Denise de Souza Affonso descobriu um câncer de mama aos 50 anos, mas fazia mamografias desde os 35. Segundo ela, a mãe desenvolveu a doença e, por isso, sempre realizava os exames para se prevenir.

Denise contou que precisou fazer uma intervenção cirúrgica para a retirada do nódulo. Após a cirurgia, fez 18 sessões de quimioterapia e 30 de radioterapia. “Quando descobri o câncer eu tinha descoberto que passei no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e ia cursar uma faculdade. Mas entreguei nas mãos de Deus e percebi que era ele quem decidiria meu futuro. A única coisa que pedi a ele foi para que eu não sentisse dores. Senti só um pouco de fraqueza por volta da 15ª sessão de quimioterapia, mesmo assim eu fazia tudo o que podia, respeitando o meu limite, claro”, disse.

Ela fez todo o tratamento no Hospital Evangélico de Vila Velha (HEVV) e disse que foi bem atendida. “Fiz a cirurgia e recebi todo o atendimento lá no hospital. Toda a equipe é muito prestativa. Sempre que chegava lá triste, eu era abordada por alguém da equipe multidisciplinar que me dizia que estavam lá para me ajudar”, pontuou a pedagoga.

Denise Affonso descobriu o câncer aos 50 anos e hoje está curada. Ela recebeu todo o tratamento no hospital. – Foto: Renato Cabrini / Next Editorial

Após três anos, Denise está curada e disse que ficou uma lição. “O câncer não é o “fim do mundo”. Algumas colegas minhas da faculdade me diziam que queriam desistir, mas quando me viam indo à aula sorrindo e usando os lenços na cabeça, elas tinham incentivos para continuar”, frisou.

A pedagoga contou, ainda, que deseja lecionar para crianças atendidas pela Associação Capixaba Contra o Câncer Infantil (Accaci). “Minha mãe e tia prestaram atendimento voluntário na associação e sinto que está na minha hora de ajudar também. Também quero visitar crianças nos hospitais e fazer um trabalho com elas. Sinto que essa é minha missão”, destacou Denise.

Tratamento

É importante destacar que o tratamento do câncer pode ser feito por meio de cirurgia, quimioterapia, radioterapia. Em muitos casos, é necessário combinar mais de uma modalidade.

Atualmente, o HEVV dispõe de equipes que contemplam diversas especialidades cirúrgico-gerais, do aparelho digestivo, oncológica, urológica, de cabeça e pescoço, torácica, neurocirurgia, mastologia, proctologia. O hospital oferece um serviço de onco-hematologia, que realiza o tratamento quimioterápico e em parceria com o Hospital Santa Rita, oferta a radioterapia.

Possui também o serviço de oncologia desde 2009, em parceria com o Governo do Estado do Espirito Santo. Em agosto de 2012 foi habilitado pelo ministério da Saúde como Unidade de Assistência de Alta Complexidade (Unacon), sendo o único serviço de alta complexidade em oncologia do município de Vila Velha.

Além disso, é o único hospital filantrópico capixaba que conquistou a classificação máxima em gestão hospitalar ONA nível 3. Com a ampliação da Unacon, o hospital ofertará em uma estrutura de 9.475 m² por ano: 13 mil quimioterapias, 59 mil radioterapias e 21 mil consultas.

Se quiser conhecer mais sobre o projeto para construção da obra, acesse o perfil do instagram @evangelicovv ou entre em contato pelo telefone (27) 2121-3723.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se