Horário de verão termina neste fim de semana

Foto: Arquivo / Gazeta do Povo

O horário especial, que começou em outubro, poderá começar em novembro a partir do próximo ano

Chega ao fim da meia noite deste sábado (17), o horário de verão iniciado em 15 de outubro de 2017. Desta forma, todos os relógios deverão ser atrasados em 1 hora. De acordo com a Agência Brasil, a partir deste ano o horário será reduzido. Em vez de o horário especial começar em outubro, terá início em novembro.

Isso porque o presidente Michel Temer assinou um decreto no dia 15 de dezembro reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. A medida começará a valer no primeiro domingo de novembro, mas a data do final não foi modificada e continuará sendo o terceiro domingo de fevereiro.

A redução foi um pedido do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que solicitou a mudança na vigência do horário de verão de 2018 por causa das eleições. Segundo o tribunal, a medida facilitará a apuração dos votos, uma vez que o país não terá uma diferença tão extensa de fusos horários. O primeiro turno da eleição de 2018 será dia 7 de outubro e o segundo, dia 28 do mesmo mês.

Um dos exemplos citados pelo tribunal foi o Acre, onde as urnas são fechadas três horas depois da contagem de votos ter sido iniciada nas regiões Sul, Sudeste e parte do Centro-Oeste. Atualmente, adotam o horário de verão os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

Iniciativa analisada pelo governo

Segundo um estudo do Ministério de Minas Energia, foi registrada uma queda na efetividade da medida, já que o perfil do consumo de eletricidade não estava mais ligado diretamente ao horário, mas, sim, à temperatura.

Além disso, o levantamento apontou que o horário especial adotado na época mais quente do ano não resulta mais em economia porque não há relação direta com a redução de consumo e a demanda. Entretanto, apesar do governo discutir o fim do horário de verão, alega que falta tempo hábil para consultar a população sobre o assunto, levando ao adiamento da decisão.

De acordo com dados do Ministério de Minas e Energia, em 2016 o horário de verão durou 126 dias e gerou uma economia de R$ 159,5 milhões ao sistema. Mas o custo é considerado irrelevante para o setor. Desta forma, a melhor solução é adotar a redução do período para que haja uma mudança significativa.