back to top
23.3 C
Vitória
domingo, 21 DE julho DE 2024

Homem pega quase 20 anos por tramar sequestro da governadora de Michigan

Homem pega quase 20 anos por tramar sequestro da governadora de Michigan - Foto: Jim Watscon

A sentença de Croft põe fim a um dos processos federais de terrorismo doméstico mais observados da história recente de Michigan

Um homem que os promotores disseram ter planejado viajar de Delaware a Michigan para sequestrar a governadora democrata Gretchen Whitmer em sua casa de férias e possivelmente assassiná-la foi condenado nesta quarta-feira, 28, a 19 anos e 7 meses de prisão. Os procuradores tinham pedido prisão perpétua.

O condenado, Barry Croft, é um motorista de caminhão que tinha falado antes em fomentar a guerra civil no país. Ele chegou a viajar várias vezes para o meio-oeste para sessões de treinamento e planejamento nos meses anteriores à sua prisão.

Croft foi o último dos homens condenados em um tribunal federal a conhecer sua sentença. O juiz Robert Jonker, do Tribunal Distrital dos EUA em Western Michigan, proferiu sua decisão apenas quatro dias antes de Whitmer, uma democrata, ser empossada para um segundo mandato como governadora.

No tribunal na quarta-feira, 28, Nils Kessler, promotor federal, disse ao juiz que Croft forneceu o ímpeto ideológico para a trama e que sua conduta era semelhante em muitos aspectos às ações de terroristas estrangeiros.

- Continua após a publicidade -

“Ele é o líder espiritual deste grupo, deste movimento, da mesma forma que um xeque do ISIS (Estado Islâmico) pode ser”, disse Kessler. “O que o ISIS ou a Al Qaeda chamam de mujahedin, ele (Croft) chama de patriota”, disse o promotor.

Salvo uma apelação bem-sucedida, a sentença de Croft põe fim a um dos processos federais de terrorismo doméstico mais observados da história recente, embora alguns homens acusados de crimes relacionados no tribunal estadual ainda estejam aguardando julgamento.

Terrorismo de direita radical

Desde que Croft e seus co-réus foram presos há mais de dois anos durante a tensa corrida para a eleição presidencial de 2020, o caso foi visto por muitos como um exemplo da crescente ameaça do terrorismo doméstico da direita radical. Essas preocupações tornaram-se mais tangíveis alguns meses após as prisões, quando apoiadores de Donald Trump invadiram o Capitólio dos EUA e tentaram bloquear a certificação daquela eleição.

Quando Croft foi condenado em agosto por conspiração por sequestro e conspiração para usar uma arma de destruição em massa, Whitmer divulgou uma declaração pedindo “uma análise cuidadosa do status da política americana”.

“Conspirações contra funcionários públicos e ameaças ao FBI são uma extensão perturbadora do terrorismo doméstico radicalizado que apodrece em nossa nação ameaçando a própria fundação de nossa república”, disse ela na época.

Agentes secretos e informantes gravaram Croft falando sobre o desejo de derrubar o governo e prejudicar funcionários eleitos, e o acompanharam em uma missão noturna de reconhecimento à casa de férias da governadora, no norte de Michigan. Croft também participou de sessões de treinamento com rifles de alta potência e, segundo os promotores, planejava explodir uma ponte para evitar que policiais chegassem ao local do sequestro.

“Croft queria fazer mais do que sequestrar a governadora de Michigan, ou mesmo matá-la”, disseram os promotores em seu memorando de sentença. “Ele disse: ‘Mal posso esperar que a guerra chegue a esta terra’. Apenas uma sentença de prisão perpétua pode abordar adequadamente os crimes de Croft e impedir que ele e outros persigam tais visões apocalípticas para o nosso país.”

O advogado de Croft, Joshua Blanchard, pediu a Jonker uma sentença mais curta. Em seu memorando, Blanchard disse que seu cliente era um pai dedicado com histórico de doença mental e uso de drogas. Ele também enfatizou que Croft, de 47 anos, não compareceu a algumas sessões de treinamento e não esteve envolvido em alguns dos grupos de bate-papo por meio dos quais outros discutiram planos de ataque.

“Senhor, a vida de Croft mostra que ele não é uma causa perdida e, se equipado com as ferramentas certas, pode voltar a viver uma vida produtiva e cumpridora da lei”, escreveu Blanchard.

O Departamento de Justiça prometeu nesta semana continuar processando os casos de terrorismo doméstico, e Jonker disse acreditar que a aplicação da lei federal deveria ser elogiada pela forma como os agentes investigaram o complô contra a governadora.

Ainda assim, o governo enfrentou repetidos reveses no caso de Michigan. Um agente do FBI no caso foi demitido no ano passado depois de ser acusado de violência doméstica, e outro agente, que supervisionou um informante-chave, tentou construir uma empresa de consultoria de segurança privada com base em parte de seu trabalho para o FBI, de acordo com o site de notícias BuzzFeed. Durante um julgamento inicial neste ano, os jurados absolveram dois homens e não chegaram a um veredicto para Croft e outro réu, Adam Fox.

Croft e Fox foram condenados em um segundo julgamento. Fox foi condenado na terça-feira a 16 anos de prisão – os promotores também haviam pedido pena de prisão perpétua. Dois outros homens, Ty Garbin e Kaleb Franks, se declararam culpados de conspiração para sequestro e testemunharam contra Fox e Croft. Garbin foi condenado a 30 meses de prisão e Franks, a 4 anos.

Em outubro, outras três pessoas ligadas ao complô foram condenadas na Justiça estadual por apoiar atos terroristas. Eles receberam sentenças que os manteriam na prisão por entre 7 e 20 anos. Mais cinco homens acusados no tribunal estadual aguardam julgamento.

Com informações de Agência Estadão

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -