22.7 C
Vitória
segunda-feira, 15 agosto 2022

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

O ministro da Economia, Paulo Guedes. - Foto: Sérgio Lima/Poder360

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. “Falha nossa”

Por Amanda Pupo e Thais Barcellos (AE)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a dizer nesta segunda-feira, 23, que o grande desafio para o próximo ano é “transformar” a recuperação cíclica do Brasil baseada em consumo em retomada “autossustentável” com base em investimentos. “Para a ampliação da capacidade produtiva, aumento da produtividade e dos salários dos trabalhadores, o que esperamos é essa transformação”, disse Guedes, para quem essa transformação se dará por meio das reformas.

Ele citou, por exemplo, a reforma administrativa, com redução de impostos sobre as empresas e simplificação do modelo.

“Vamos para o imposto de valor adicionado. Governo federal já fez o dele, agora vamos unificar com Estados e municípios ali na frente, então estamos no caminho certo. Voltando das medidas emergenciais para reformas estruturantes”, afirmou o ministro, que destacou também o pilar das privatizações. “Vamos acelerar dimensões que ficaram para trás. Uma importante dimensão são as privatizações”, disse ele, que reconheceu mais cedo que o programa de privatização não “andou direito”.

Tarifa de importação

Guedes afirmou ainda que o Brasil precisa reduzir a tarifa de importação média de 14% para 4% para ficar de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. “Falha nossa.”

Mas o ministro ponderou que, com a reforma tributária, a tarifa vai cair rapidamente. “Assim que fizermos a reforma tributária, já vamos derrubar 3 pontos porcentuais”, disse.

Ele admitiu que o governo não andou nem com a reforma tributária nem com as privatizações, mas sugeriu que a estagnação tem relação com a saída dos secretários das duas áreas, Marcos Cintra e Salim Mattar, respectivamente.

Novamente sobre a parte das privatizações, Guedes repetiu que há um acordo de centro-esquerda no Congresso que impede que avancem Conforme Guedes, ele aprendeu a não fazer promessa em Brasília, porque não controla “fluxo”. “Tem ministro que gosta de empresa que está embaixo do ministério dele. Não compreenderam a importância das privatizações para derrubar a Dívida/PIB, vendendo empresas estatais que estão perdendo capacidade de fazer investimentos. O Congresso é reformista e os ministros estão colaborando muito. Agora todo mundo entendeu a importância das privatizações e agora nós vamos andar.”

Por outro lado, o ministro disse que o governo avançou em acordos e temas parados há anos, como o acordo com a União Europeia, a reforma da Previdência, leilões de petróleo, além de ter entregue a reforma administrativa e o pacto federativo. “Por isso não me preocupa tanto não ter avançado nas tarifas”, avaliou, dizendo que há uma narrativa de que o governo não entrega o que promete. “Acho que ninguém entregou tanto em tão pouco tempo.”

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se