Governo chinês proíbe livros com palavras sobre religiões

Legenda foto: Palavras relacionadas a valores ocidentais ou ao cristianismo são retiradas de histórias de autores estrangeiros dos livros infantis chineses. Foto: Portas Abertas

O governo chinês proibiu palavras que tenham “Deus”, “Bíblia” e “Cristo” em livros infantis. Elas estão relacionadas a religiões e valores ocidentais

De acordo com a agência de notícias Asia News, palavras como “Deus”, “Bíblia” e “Cristo” foram retiradas de livros para crianças das escolas primárias na China. Em uma tentativa de reduzir a adesão a religiões, em particular ao cristianismo, ou submetê-los a uma “sinização” forçada, essas palavras têm sido censuradas mesmo em histórias de autores estrangeiros.

No começo do ano, o governo, em parceria com editoras, publicou um livro para alunos do quinto ano. A obra contém quatro histórias de escritores estrangeiros e outros de autores clássicos chineses. De acordo com o Ministério da Educação Chinês, o livro espera oferecer aos alunos um entendimento de outras culturas.

Porém, as histórias foram manipuladas para atender a necessidade do partido de abafar qualquer referência religiosa.

Alteração nos livros

Na história “A Pequena Vendedora de Fósforos”, de Hans Christian Andersen, em um certo ponto, é dito que: “Quando uma estrela cai, uma alma vai estar com Deus”. Na versão “chinesa”, com a alteração, ficou: “Quando uma estrela cai, uma pessoa deixa esse mundo”.

“Robinson Crusoe”, de Daniel Defoe, também sofreu censura. Náufrago em uma ilha isolada, o protagonista se empenha em recuperar três cópias da Bíblia dos restos do naufrágio. A nova versão elimina a palavra “Bíblia” e diz que Crusoe trabalhou para salvar “alguns livros” do navio destruído. Uma parte também foi eliminada da história “Vanka”, de Anton Chekhov, que fala sobre uma oração em uma igreja e a palavra “Cristo” foi removida de todas as partes.

Censura ao cristianismo

A censura de elementos da religião cristã também ocorre em outros níveis escolares. Nas universidades, há professores que condenam clássicos que contém palavras preocupantes à censura das religiões e os confiscam.

Isso inclue “O Conde de Montecristo”, de A. Dumas, “Ressurreição”, de Lev Tolstoy, “Notre-Dame de Paris”, de Victor Hugo. Tudo isso por conta das orientações dadas pelo presidente Xi Jinping, em 2015.

Segundo ele, para essas religiões existirem na China devem “ser sinizadas”, se assimilando à cultura chinesa e se submetendo ao Partido Comunista. Essa “sinização” é obtida por meio da exaltação do patriotismo nacionalista e do desprezo às religiões estrangeiras, como o cristianismo.

Alguns sociólogos preveem que a China se torne o “maior país cristão no mundo” em 2030. Hoje o país só perde para os Estados Unidos e a Nigéria. Esse é o motivo pelo qual o governo faz campanha contra o cristianismo. Ao mesmo tempo, isso também age como um escudo para ideias como democracia, direitos humanos, justiça, e lei de direito.

Liberdade religiosa

Em julho, o relatório de liberdade religiosa, do Departamento de Estado dos EUA, apontou países onde o cristão não tem liberdade de exercer a sua fé. A China estava na lista dos dez países mais hostis ao cristianismo. O país também está inserido na lista mundial da perseguição 2019.

*Com informações de Asia News e Portas Abertas 


leia mais

Perseguição – Dezenas de cristãos são detidos na China
China – Líderes pedem o fim da violência contra cristãos