23.3 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto 2022

Governo oferecerá R$ 340,88 bilhões no âmbito do Plano Safra 2022/23

Plano Safra
Do total de recursos, R$ 246,28 bilhões serão destinados ao custeio e comercialização, alta de 39% em relação ao ano anterior. Foto: Reprodução

Do total de recursos, R$ 246,28 bilhões serão destinados ao custeio e comercialização, alta de 39% em relação ao ano anterior

O governo federal oferecerá na próxima safra agrícola, que começa oficialmente no dia 1º de julho, R$ 340,88 bilhões em crédito rural, no âmbito do Plano Safra 2022/23. É um montante 36% superior aos R$ 251,2 bilhões anunciados para a safra 2021/22, que termina na quinta-feira, 30. O maior incremento virá da oferta de crédito com taxas de juros de mercado, que deve chegar a R$ 145,18 bilhões, uma alta de 69% em comparação ao ofertado neste ciclo que se está encerrando (R$ 86 bilhões).

Com juros controlados (com e sem equalização), serão R$ 195,7 bilhões, 18% a mais do que na safra 2021/22. Deste montante, R$ 115,8 bilhões terão taxas de juros equalizadas pelo Tesouro Nacional, valor 31% maior do que no ciclo vigente.

A cerimônia de lançamento do Plano Safra 2022/23 ocorre nesta quarta-feira no Palácio do Planalto, em Brasília. Do total de recursos, R$ 246,28 bilhões serão destinados ao custeio e comercialização, alta de 39% em relação ao ano anterior. Outros R$ 94,6 bilhões serão para investimentos (+29%)

Na definição das taxas de juros a serem cobradas dos produtores, o governo deu prioridade aos beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), como já vinham sinalizando membros do Executivo. Para o Pronaf, serão destinados R$ 53,61 bilhões, incremento de 36% em comparação com o montante ofertado na safra 2021/22. As taxas de juros serão de 5% ao ano (para produção de alimentos e produtos da sociobiodiversidade) e de 6% ao ano para os demais produtos, ante taxas de 3% e 4,5% ao ano no ciclo 2021/22.

Para o Pronamp, o montante será de R$ 43,75 bilhões, 28% acima do valor da safra anterior, com juros de 8% ao ano – ante taxas de 5,5% e 6,5% ao ano no ciclo prévio. Para os demais produtores e cooperativas, o total ofertado chegará a R$ 243,4 bilhões, com taxas de 12% ao ano – ante taxas de 7,5% a 8,5% em 2021/22. Nesta safra, produtores rurais poderão optar pela contratação de financiamentos para investimentos a taxas de juros pós-fixadas.

Outra medida a ser adotada pelo governo para aumentar a oferta de recursos aos pequenos e médios produtores será elevar os porcentuais de recursos provenientes de depósitos à vista alocados para esses públicos. Do dinheiro referente aos 25% de depósitos à vista que devem ir para crédito rural, a parcela destinada ao Pronaf passará de 22% para 25%, e para o Pronamp, de 28% para 35%.

Atendendo a uma demanda do setor financeiro, o governo também elevou de 50% para 70% o porcentual das captações por Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) que poderão ser destinadas à concessão de crédito por meio de títulos do agro, como CPR, CDCA e CRAs.

Investimentos

Entre as linhas de crédito voltadas a investimentos de longo prazo no setor, o governo deu prioridade, como previsto, programas relacionados à sustentabilidade na atividade agropecuária, inovação e armazenagem.

Para o programa ABC, que financia a recuperação de áreas e de pastagens degradadas, implantação de sistemas de integração lavoura-pecuária-florestas (ILPF) e adoção de práticas conservacionistas, serão destinados R$ 6,19 bilhões, 23,8% acima dos R$ 5 bilhões anunciados para a temporada 2021/22. As taxas de juros serão de 7% ao ano para ações de

recomposição de Reserva Legal e Áreas de Proteção Permanente e de 8,5% para as demais. Na safra atual, as taxas eram de 5,5% e 7% ao ano. Haverá, ainda, no novo Plano Safra, financiamento para remineralizadores de solo (pó de rocha), a fim de reduzir a dependência dos fertilizantes importados.

Com relação ao programa Proirriga, de financiamento de sistemas de irrigação, o governo ofertará R$ 1,95 bilhão, aumento de 44%, o maior incremento entre os programas de investimento.

Ao Inovagro, focado em inovação tecnológica, serão destinados R$ 3,51 bilhões, 35% acima dos R$ 2,6 bilhões anunciados no ciclo anterior. A taxa de juros será de 10,5% ao ano, ante 7% ao ano antes.

Para o Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), o governo prevê R$ 5,13 bilhões na safra 2022/23, 24,5% acima dos R$ 4,12 bilhões anunciados na safra 2021/22. As taxas serão de 7% ao ano para projetos com capacidade de até 6 mil toneladas e de 8,5 % ao ano para os demais investimentos. O prazo de reembolso é de até 12 anos, com carência de até 3 anos. O governo também determinou limite de financiamento de R$ 50 milhões para investimentos relativos à armazenagem de grãos. Para armazenamento dos demais itens, o limite continua sendo de R$ 25 milhões.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se