4 e 5 de outubro: Fórum Refugiados

Roraima é o Estado do Brasil com maior contingente de refugiados. Foto: Reprodução

É a terceira edição do Fórum Refugiados, que aborda a integração de refugiados na comunidade brasileira

A cidade de Araçariguama (SP) recebe, entre os dias 4 e 5 de outubro, a terceira edição do Fórum Refugiados. Evento é promovido pelo Programa Reconstruir, da Associação Educacional e Beneficente Vale de Benção (AEBVB). Esta edição vai tratar da integração dos refugiados na comunidade brasileira.

Segundo o Cômite Nacional para os Refugiados (CONARE), só em 2018, o Brasil reconheceu mais de mil refugiados de várias nacionalidades.

Como resultado, o país atinge a marca de 11.231 pessoas reconhecidas como refugiadas pelo Estado brasileiro. Desse total, os sírios representam 36% da população refugiada com registro ativo no Brasil. Seguido dos congoleses, com 15%, e angolanos, com 9%.

Os estados com mais solicitações em 2018 são Roraima (50.770), Amazonas (10.500) e São Paulo (9.977).

Para se ter uma ideia do crescimento de solicitações, Roraima recebeu quase 16 mil solicitações em 2017 – um aumento de mais de 300% se comparado ao ano passado.

Igreja acolhedora

No Brasil, existem várias iniciativas de acolhimento e integração aos estrangeiros. Até mesmo entre igrejas.

Segundo a organização, o Fórum vem colaborar com as igrejas e organizações no sentido de promover experiências, boas práticas e orientações para o trabalho com refugiados.

O Fórum terá representantes de várias entidades. Entre elas, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Ministério da Cidadania, Missão Paz, Centro Universitário Unievangélica, Visão Mundial, e outras.

Entre os temas abordados nas plenárias do fórum estão: acolhimento – boas práticas, desafios da inserção no mercado de trabalho, aprendizados e desafios da integração na igreja. Também terá devocionais, palestras e culinária.

Dia: 4 e 5 de outubro
Local:
Araçariguama, São Paulo
Inscrições e informações aqui 

Leia mais

O amor pelos refugiados
Ajuda humanitária aos refugiados venezuelanos