24.9 C
Vitória
quarta-feira, 27 outubro 2021

Flordelis: cassação de mandato vai ao plenário

Após ter recurso rejeitado, cassação do mandato de Flordelis vai a plenário da Câmara. Deputada, que é pastora e cantora, é pontada como a mandante do assassinato do pastor Anderson do Carmo, seu marido, em 2019

Por Priscilla Cerqueira

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados rejeitou por unanimidade, o recurso da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) contra a cassação de seu mandato. Votação aconteceu nesta terça-feira, 13. A perda do mandato da parlamentar foi aprovada no Conselho de Ética, no último dia 8, por quebra de decoro parlamentar.

A rejeição do recurso foi recomendada pelo relator, deputado Gilson Marques (Novo-SC). Flordelis pedia, entre outros pontos, que o processo instaurado no conselho fosse declarado nulo por uma série de vícios, como falta de apreciação das teses arguidas pela defesa, inversão na ordem dos atos probatórios, cerceamento de defesa, suspeição do relator e descumprimento do prazo previsto para apreciação do parecer.

Quanto ao prazo, Gilson Marques afirmou, entre outros argumentos, que “o prazo inclusive já se prolongou em favor da recorrente”. O deputado também considerou todos os outros argumentos do recurso desprovidos de mérito e, portanto, votou pela sua improcedência.

A decisão, no entanto, ainda precisa ser votada no plenário da Câmara e, para que seja mantida, precisa da maioria absoluta dos deputados. O presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), disse ainda não ter prazo para pautar a solicitação.

Defesa da deputada

Flordelis esteve na comissão para se defender. “Já existem réus confessos, que infelizmente são meus filhos. Mãe nenhuma gostaria de estar passando pelo que eu estou passando agora, mas não é justo que eu pague pelos erros dos meus filhos”, afirmou.

“Sei que neste momento, pela pressão da mídia, é muito mais fácil se livrar de um problema, e infelizmente esse problema hoje tem nome, é a deputada Flordelis. Me deem o direito de ir a julgamento, porque eu tenho certeza de que, no júri popular, eu serei inocentada”, disse Flordelis.

A defesa da deputada também alegou que todo o processo contra ela se encontra contaminado por preconceitos de gênero, raça e classe, por ser ela mulher, negra e da periferia.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se