Família, crianças e celulares

Celular é importante, mas será que não dá para guardá-lo quando estamos na companhia de outros e ainda mais com os familiares?

Recentemente eu minha esposa, fomos a um restaurante num lugar muito aprazível, próximo a uma bela praia tendo um mar calmo à nossa frente e árvores frondosas no oferecendo uma refrescante sombra.

Mas, para nossa infelicidade o garçom nos levou até uma mesa que estava uma família com uma criança de uns quatro anos. Até aí, tudo bem. Trabalhamos com famílias e nada melhor sentar-se próximo de uma família.

Mas, por trabalhar justamente com famílias, criamos o hábito de observar as pessoas. Isso acontece nos aeroportos, restaurantes e por onde passamos. Não sei se você sentou-se numa cadeira e observar as pessoas em famílias. É muito interessante.

Mas, voltando ao restaurante, o que nos chamou a atenção foi que, das cinco pessoas daquela família, quatro estavam usando celulares. Sendo que a criança estava vendo aqueles joguinhos infantis e com o som bem alto. Não vimos, em nenhum momento, os pais pedindo para baixar um pouco o volume.

Um desafio para os pais hoje é administrar o uso de celulares não mãos dos seus filhos

Com a chegada da refeição, qual foi a reação da criança? Simplesmente não quis comer e preferiu ficar com celular. Incomodados com a situação, pedimos ao garçom para trocar de lugar, sem que a família, aparentemente, se dessa conta desta nossa atitude.

Estamos vivendo dias complicados para viver em sociedade. As pessoas na praia, por exemplo, querem ouvir, no mais alto volume, sua música preferida. O pior ainda é a qualidade dessa música.

Nos restaurantes, há uns 20 anos a praga do aparelho de televisão está espalhado por todos os cantos impedindo de se ter conversas ao redor da mesa. Celular é importante, mas será que não dá para guardá-lo na hora sagrada das refeições à mesa, especialmente quando estamos na companhia de outros e ainda mais com os familiares?

Um amigo meu instituiu (não sei se ainda continua), a caixinha do celular. Quando suas filhas, genros e netos iam almoçar em sua casa, todos colocavam o bendito aparelho numa caixa e só era permitido ter de volta com sua autorização.

Eu me lembro que quando nossas filhas eram pequenas (naquele tempo os celulares não eram tão populares como nos dias de hoje) e íamos a um restaurante levávamos caneta e enquanto a refeição não chegada, ficávamos brincando de “jogo da velha” e de “forca”.
Hoje, estamos fazendo o mesmo com nosso neto, Theo. Todas as vezes, quando vamos almoçar juntos, num restaurante, procuramos dar-lhe atenção brincando dessas mesmas brincadeiras.

Um desafio para os pais hoje é administrar o uso de celulares não mãos dos seus filhos. Eu noto isso quando estou com minha filha, genro e neto. É uma luta! Mas, um grande passo, é os próprios pais serem exemplos neste sentido. Não surtirá muito efeito, numa mesa de restaurante, por exemplo, um pai ou uma mãe pedir para uma criança desligar o celular se eles mesmos não largam o aparelho ou se não estão dispostos a brincarem de “jogo da velha”, de “forca” ou “adedanha”.

Além de gastarem tempo para selecionar os canais de Youtube que os filhos podem e não podem ver. Dá trabalho? Sim, dá muito trabalho. Mas como eu e minha esposa afirmamos: “Criar filhos não é tão difícil, mas dá muito trabalho”.

O maior problema hoje, na criação de filhos, é que os pais não querem ter trabalho.

Pr. Gilson Bifano – Diretor do Ministério OIKOS (Ministério Cristão de Apoio à Família). Escritor, palestrantes e coach de casais e famílias.


Leia mais

O imensurável amor ágape