24.9 C
Vitória
quarta-feira, 27 outubro 2021

Falta de perdão prejudica o corpo e a mente

O fraco jamais perdoa. O perdão é uma das características do forte

Por Marlon Max

Todos nós fomos profundamente magoados de alguma forma. Uma traição de um cônjuge, uma crítica pelas costas de um amigo, julgamento odioso de alguém — mesmo na igreja, entre outros motivos. E quanto mais profunda a mágoa, mais difícil é para perdoar. Mas às vezes simplesmente não perdoamos e como resultado, permanecemos prisioneiros de nossa dor e, na verdade, prejudicamos nosso cérebro por causa da falta de perdão. É o que aponta a análise do pastor e autor americano Charles Stone.

Há um campo da ciência que estuda as respostas cognitivas do perdão. Para Stone, é natural que, ao ser machucado por alguém, nossas emoções sejam afetadas. Entretanto, ele alerta para a necessidade de vencer essa barreira emocional e caminhar em direção ao perdão. “Deus criou nosso cérebro para nos ajudar a sobreviver quando nos sentimos ameaçados. É chamada de resposta-de-luta, gerada em nossos centros emocionais, principalmente mediada por dois grupos de células cerebrais”, explica.

A falta de perdão libera uma cadeia de reações fisiológicas no nosso corpo. Com o tempo, e sem atingir o pleno perdão, nossa mente passa a processar as informações de maneira equivocada.  “As glândulas suprarrenais que ficam no topo de nossos rins liberam o hormônio do estresse cortisol em nossos corpos e o cérebro libera neurotransmissores no cérebro. Esses, por sua vez, ativam uma parte de nosso sistema nervoso chamada sistema nervoso simpático. Quando este sistema é ativado, entre outras coisas, nossa atenção fica altamente focada na sobrevivência. Nosso corpo se prepara para lutar, fugir ou congelar”, alerta.

liberdade
foto: pixabay

De acordo com o pastor Charles Stone, esse processo pode acontecer quer estejamos ou não em perigo real, quer alguém realmente nos machuque ou simplesmente percebamos que ele o fez. A falta de perdão pode manter nossos corpos e cérebros neste estado de alerta elevado e leva a esses resultados prejudiciais.

Portanto, a falta de perdão não apenas nos mantém acorrentados ao agressor, mas também afeta profundamente nosso corpo e cérebro. Stone destaca quatro maneiras de praticar o perdão e aliviar o corpo, mente e espírito da aflição.

Como superar a falta de perdão

Admita a dor. Quando nomeamos uma emoção dolorosa — não a enchendo ou ensaiando, na verdade diminuímos a intensidade dessa emoção negativa.

Tenha um diário. Processar nossa dor escrevendo-a pode diminuí-la e nos ajudar a ter uma perspectiva melhor. No entanto, não deixe o registro no diário se tornar outra maneira de ensaiar e reforçar sua dor. Por meio do diário, busque obter a perspectiva e a cura de Deus.

Comece a escolher perdoar a pessoa. Algumas ofensas podem ser perdoadas rapidamente. Alguns podem levar muito tempo para perdoar totalmente. O perdão é um processo. Quanto mais profunda a dor, mais tempo leva. Não significa a mesma coisa, perdoar e esquecer. Em vez disso, o verdadeiro perdão é mais como lembrar-se dele cada vez menos.

Obtenha profundamente a graça de Deus. Na raiz da fé cristã está a graça, receber a graça de Deus e estendê-la a outros que nos feriram. O apóstolo Paulo nos lembrou em Colossenses 3.13 de perdoar os outros como Jesus nos perdoou. Suportem um ao outro e perdoem quaisquer mágoas que possam ter um contra o outro. Perdoe como o Senhor o perdoou.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se