21 C
Vitória
terça-feira, 20 outubro 2020

Ex-operador do PSDB lavou ao menos US$ 430 mil em propinas com mansão no Guarujá

Leia também

Juiz bloqueia R$ 29 mi de Doria por ‘autopromoção’

Campos considerou que há indícios de que Doria os princípios da impessoalidade e da moralidade administrativa

Conselho de Ética: investigação contra Chico Rodrigues depende de Alcolumbre

A estratégia da cúpula do Senado é derrubar o afastamento determinado pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF)

Tebet sobre indicações ao STF: ‘problema está muitas vezes no nome apresentado’

Segundo a presidente da CCJ, "não tem uma fórmula perfeita, mas esta PEC é um pouco melhor do que aí está, sem dúvida nenhuma"

De acordo com a nova denúncia da Lava Jato, o ex-diretor da Dersa teria utilizado duas empresas da família – o hotel Giprita Ltda e a P3T Empreendimentos e Participações – para ocultar a origem de valores e bens ilícitos por ele

Por Pepita Ortega, Paulo Rorbeto Netto, Rayssa Motta e Fausto Macedo (AE)

Segundo a força-tarefa da Lava Jato em São Paulo, o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza lavou ao menos US$ 430 mil em propinas da Odebrecht com a compra de uma mansão no condomínio Iporanga, no Guarujá. A aquisição foi declarada em R$ 1 milhão, ainda que o imóvel estivesse avaliado em mais de R$ 2,9 milhões.

A denúncia apresentada contra o suposto operador do PSDB no Estado nesta quinta, 3, indica que os US$ 430 mil foram repassados para o casal que estava vendendo a casa por meio de oito transferências no exterior que foram operacionalizadas por Rodrigo Tacla Duran, operador financeiro da empreiteira para transações fora do país.

Paulo Vieira de Souza chegou a ser condenado a 145 anos de prisão por supostos desvios de R$ 7,7 milhões que deveriam ser aplicados na indenização de moradores impactados por obras do Rodoanel Sul, mas a sentença foi anulada em dezembro do ano passado. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, ele teve a prisão preventiva convertida em prisão domiciliar.

De acordo com a nova denúncia da Lava Jato, o ex-diretor da Dersa teria utilizado duas empresas da família – o hotel Giprita Ltda e a P3T Empreendimentos e Participações – para ocultar a origem de valores e bens ilícitos por ele angariados em esquemas ilícitos envolvendo as obras do Rodoanel Sul e do Sistema Viário Estratégico Metropolitano de São Paulo. Paulo Vieira de Souza teria recebido propinas em troca de renegociação de contratos e direcionamento de licitações.

A compra do imóvel no condomínio Iporanga, no Guarujá, teria mais uma das transações feitas por Viera de Souza para ocultar valores ‘provenientes de crimes de cartel, corrupção, fraude a licitação e peculato’, segundo a força-tarefa da Lava Jato. “Parte substancial dos valores ilícitos usados na compra do imóvel passou por camadas de lavagem, de maneira a viabilizar a conversão desses recursos em um ativo lícito imobilizado dotado de expressivo valor de mercado”, registra denúncia apresentada nesta quinta, 3.

Segundo o documento, os US$ 430 mil em propinas foram repassados ao casal que estava vendendo a mansão no Guarujá em menos de um mês, entre 28 de março e 16 de abril de 2012, partindo de uma offshore para contas mantidas pelos vendedores do imóvel na China e na Suíça. As transferências variavam de US$ 30 a 60 mil e foram registradas em e-mails, planilhas e swifts do sistema Drousys, do famoso Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht.

A Procuradoria indica ainda que 25% do imóvel foi adquirido por meio de recursos ilícitos inseridos fraudulentamente no faturamento do Hotel Giprita, da família do ex-diretor da Dersa. A denúncia registra que para justificar o pagamento dessa parcela da mansão pelo estabelecimento, Paulo Vieira Souza teria celebrado um contrato simulado de empréstimo no valor de R$ 150 mil.

O que chamou a atenção da Lava Jato paulista foi o fato de que a quitação do empréstimo se deu mediante dois depósitos em dinheiro de R$ 75 mil em favor do hotel que foram realizados pouco mais de um mês depois da assinatura do acordo.

O Hotel Giprita também aparece da denúncia como um dos meios supostamente utilizados por Paulo Vieira de Souza para a lavagem de propinas, com a emissão de registros fictícios de hospedagem

Notas fiscais apreendidas o estabelecimento recebeu R$ 1,3 milhão por reservas feitas em nome do próprio hotel. Os depósitos teriam sido realizados entre 2016 e 2019 e apontavam para situações suspeitas, como uma reserva de apenas oito minutos que custou R$ 4,3 mil e foi paga em dinheiro.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Bíblia e alimentos em favelas de São Paulo

A distribuição das Bíblias e dos alimentos na favela de São Paulo foram feitas pela instituição cristã Send Relief com a ajuda do Ministério Motociclístico Abençoados. Saiba mais!

Lava Jato 76 revela que área comercial da Petrobras pagou propina de R$ 45 mi

"Tendo em vista a série de irregularidades cometidas, entre as quais, relacionamento impróprio com fornecedores e conflito de interesses", registrou a Procuradoria em nota

Por ‘fragilidade probatória’, Lindôra desiste de denúncia contra líder do Centrão

Segundo a PGR, o deputado Arthur Lira atuava para assegurar os interesses da empresa na diretoria de abastecimento da Petrobras

Lava Jato denuncia Cabral e Bezerra por propinas em contratos do DER

Segundo a peça, registros contábeis apreendidos com o operador de Cabral na Calicute mostram que Maciste efetuou, entre 2011 e 2017

Tribunal da Lava Jato nega desbloqueio de R$ 550 mil de ex-presidente da Estre

Os advogados ainda sustentaram que a medida de sequestro de bens seria inaplicável no caso do ex-presidente da Estre

Advogados de Lula e ex-presidente da Fecomércio/RJ lideravam desvios no Sistema S

Zanin e Teixeira seriam responsáveis, segundo delatou Diniz, por reunir e aprovar propostas de honorários advocatícios de outros escritórios aptos a integrarem o esquema

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Semana dos manuscritos do Mar Morto; Saiba mais!

Arqueólogos e especialistas vão apresentar um dos mais impactantes achados da humanidade, na semana dos manuscritos do Mar Morto. Evento, que começa nesta segunda,19, é gratuito!

Live Solidária “Um Com Eles” em Libras

A live solidária, realizada pela Portas Abertas, será transmitida pelo Facebook, e estará acessível a todos que entendem a língua brasileira de sinais. Saiba mais!

Desafio Superação em corrida virtual; É neste domingo, 18

Em alusão ao Outubro Rosa, o Desafio Superação vai mobilizar mulheres cristãs de todo o Brasil em prol da saúde. Saiba mais!

Vovô Raul Gil recebe artistas gospel em live; Saiba mais

A live gospel do Vovô Raul Gil será no dia 21 de outubro e vai reunir personalidades e artistas evangélicos. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Rayssa Peres em “Somos mulheres de Deus”

Música é uma homenagem às mulheres. Conheça a canção!

Deive Leonardo de volta as pregações presenciais

Fenômeno da internet, Deive Leonardo grava a primeira série presencial em Itajaí (SC) depois de um bom tempo sem gravar por conta da pandemia.

Episódios do Nossa Música Brasileira; Assista aqui!

Nossa Música Brasileira acontece em formato on-line, com episódios até o final de 2020.. Confira aqui!

Os vencedores da Billboard Music Awards 2020

Kanye West levou nove prêmios, em seis categorias. A cantora Lauren Daigle, que ganhou em três categorias do prêmio em 2019, venceu esse ano como melhor artista cristã.