17.7 C
Vitória
segunda-feira, 27 junho 2022

Ex-muçulmana, líder de igreja no Irã, é presa

Foto: Reprodução Artigo 18

Fariba Dalir, de 51 anos, cumpre sentença de dois anos de prisão. Ela está entre os condenados por professarem a fé cristã

Por Patricia Scott 

A ex-muçulmana Fariba Dalir, de 51 anos, foi condenada à prisão no Irã. Ela é acusada de “agir contra a segurança nacional ao estabelecer e liderar uma igreja cristã evangélica” no país. O julgamento aconteceu há dois anos. No entanto, ela começou a cumprir a sentença, neste mês, na prisão de Evin, em Teerã.

Inicialmente, Fariba havia sido condenada a cinco anos de reclusão. Isto porque o tribunal declarou erroneamente que ela possuía antecedentes criminais. Posteriormente, a sentença foi revisada após o tribunal ser informado do erro.

Fariba Dalir é uma das seis pessoas, incluindo o marido, Soroush, condenadas por se converterem ao Cristianismo. Em dezembro, cinco deles foram sentenciados: Fariba a dois anos, e os outros quatro, incluindo Soroush, a 10 meses por serem membros da igreja. Em julho de 2021, todos foram presos, em Teerã, exceto Fariba.

Depois de passar 10 dias em confinamento solitário e ser submetida a intensos interrogatórios em um centro de detenção da Guarda Revolucionária, uma jovem, de 17 anos, foi libertada sem acusações. Os outros quatro, devido ao tempo já passado na detenção, foram informados que podem optar por pagar multas de 5 milhões de tomans cada (cerca de US$ 250), para que novas prisões sejam evitadas.

Detenção
Durante mais de um mês, Fariba e Soroush estiveram em confinamento solitário no centro de detenção após serem presos em 19 de julho de 2021. Três dos outros cristãos, incluindo a jovem de 17 anos e outra mulher e a filha, foram presos em casa no dia anterior. O sexto cristão, um homem, foi preso no mesmo dia de Fariba e Soroush, mas os nomes desses outros cristãos não foram divulgados.

Depois de passar cerca de 50 dias em confinamento solitário, Fariba foi transferida para a prisão feminina de Qarchak. Já Soroush para a Penitenciária da Grande Teerã. Eles ficaram detidos por mais dois meses, antes de serem libertados sob fiança – de 600 milhões de tomans (US$ 25.000) para Fariba, e 300 milhões de tomans (US$ 12.500) para Soroush.

Entre a libertação e a sentença, Fariba e Soroush se casaram. Foi em 4 de dezembro de 2021 na Filial 26 do Tribunal Revolucionário de Teerã. Agora, estão amis uma vez separados.

Com informações Artigo 18

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se