Começam os estudos bíblicos no Congresso

Foto: Facebook

Senadores, deputados e pastores participaram do primeiro encontro de estudos bíblicos realizado pelo Capitol Ministries no Congresso nacional

O ministério que realiza estudos bíblicos na Casa Branca iniciou reuniões em Brasília. Fundado nos Estados Unidos com o propósito de fazer discípulos no ambiente político, a Capitol Ministries iniciou os estudos na semana passada no Congresso Nacional brasileiro.

Cinco senadores e 30 deputados federais participaram da primeira reunião. Além de pastores, líderes e empresários cristãos. O encontro foi realizado no gabinete do deputado federal Marcelo Brum (PSL-RS).

O tema da primeira ministração foi “Entendendo a separação entre igreja e estado”. Pelas redes sociais, o deputado Marcelo escreveu.

Foto: Facebook

“O maior patrimônio do Brasil são líderes piedosos, tanto na igreja como no governo.

Buscamos a cada dia, nos aproximar e compreender ainda mais a palavra de Deus em nossas vidas”.

O projeto foi lançado dia 29 de agosto, na Câmara dos Deputados. E teve a presença do presidente do ministério, pastor Ralph Drollinger.

SOBRE O MINISTÉRIO

O pastor Ralph Drollinger na Califórnia, que é ex-jogador de basquete, fundou a Capitol Ministries, em 1996. Tinha como público principal os deputados do Congresso americano. Em 2017, fundou o primeiro grupo de estudos bíblicos na Casa Branca, dedicado a membros do governo de Donald Trump.

O encontro semanal reúne dez membros do alto escalão do governo americano, incluindo o vice-presidente, Mike Pence, e o secretário de Estado, Mike Pompeo. “Nós ficamos longe da política e nos concentramos nos corações dos líderes”, diz o site do ministério.

PAÍSES LATINO-AMERICANOS

Desde o ano passado, a Capitol Ministries chegou a cinco países latino-americanos: México, Honduras, Paraguai, Costa Rica e Uruguai. O ministério anunciou que vai abrir filiais também na Nicarágua e Panamá.

Confira


Leia mais

Estudos bíblicos no Congresso e no governo do Brasil
No EUA, presidente Trump é criticado por fazer orações na Casa branca