Polêmica! Escola de samba encena volta de Cristo

Foto: Rodrigo Gorosito

Mangueira vai encenar volta de Cristo no carnaval 2020 em cenário de intolerância. “Acham que qualquer reação é um ataque de intolerância cerceando sua liberdade”, afirmou pastor José Ernesto Conti

O carnaval do Rio de Janeiro terá, em 2020, uma polêmica associada ao cristianismo. A escola de samba Mangueira, uma das principais do grupo especial, selecionou um enredo que vai falar sobre a volta de Jesus Cristo nos dias atuais. “A verdade vos fará livre” é o samba enredo que a escola vai levar pra Sapucaí.

A escolha pelo tema foi do carnavalesco da agremiação, Leandro Vieira. É uma referência ao versículo 32 do capítulo 8 de João, usado como bandeira por Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha que o elegeu presidente.

Segundo Leandro, em entrevista ao jornal O Globo, a proposta não é representar Jesus como descrito na Bíblia durante seu ministério, mas lançar um questionamento sobre o que aconteceria se Cristo voltasse à Terra em um ambiente de intolerância.

“Ele condenaria a hipocrisia dos líderes religiosos e combateria o discurso de ódio. Vamos falar sobre a figura política de Cristo e o que ela pregava: o amor irrestrito, que nos torna livres da intolerância e do preconceito. Essa é a verdade que liberta. Porque não é amor o que faz alguém quebrar um terreiro de candomblé, como fizeram em Duque de Caxias, né?”, defendeu o carnavalesco.

Ele afirmou também que vai tentar associar a característica da favela no Morro da Mangueira à manjedoura onde Jesus nasceu, formando um ambiente para defender temas como ideologia de gênero, feminismo e questões raciais.

“Quando Cristo esteve aqui, ficou do lado dos oprimidos e não fez distinção de pessoas. Será que Jesus não está no morador da favela? No menor abandonado? No gay? Na mãe de santo?”, questionou.

Polêmica

Esta não é a primeira vez que uma escola de samba no Brasil usa algo relacionado a Deus e temas bíblicos em seu samba enredo. No carnaval desse ano, a Gaviões da Fiel, de São Paulo, encenou “O diabo venceu”, sugerindo o Diabo pisando em Jesus. Atitude gerou polêmica e indignação no meio evangélico.

Colunista da Comunhão, o pastor José Ernesto Conti chama atenção para os resultados de querer ganhar projeção “escarnecendo a religião cristã”.

“É óbvio que todos têm liberdade para fazer o que quiser, do jeito que quiser, porém precisam assumir as consequências de seus atos. Por exemplo, qualquer um pode assaltar um banco, porém a polícia pode te prender. Você trai sua esposa … pode ganhar um divórcio. Posso usar toda a cocaína do mundo, mas posso ficar com uma dependência incurável. Podemos subir no alto de um prédio e se jogar lá de cima … mas com todas as chances de morrer na queda. Temos direito de fazer o que quiser, porém é impossível evitar as consequências dos nossos atos”, explicou.

E acrescentou: “Querem falar, desprezar, enlamear, mas não querem ser responsabilizados pelas consequências, ou seja, acham que qualquer reação é um ataque de intolerância cerceando sua liberdade. É como se alguém que salta do alto de um prédio e, só porque ele tem esse direito, acha que a força da gravidade não pode agir contra ele”, alertou.

Questionamentos

Conte questiona o fato da escola de samba escolher falar de Cristo em seu samba enredo com tantos outras opções temáticas para abordar. E ainda satirizar. E mais que isso, o pastor entende como discriminação e uma clara demonstração de intolerância e ódio aos cristãos.

“Por que não mexem com o islamismo? Por que não colocam o diabo destruindo ou chutando Maomé? Por que essa fixação no Cristo? Por que só querem mudar, alterar, denegrir a imagem de Cristo ou dos crentes? Por que não esculhambam Satanás? Nunca vi uma única representação que mostrasse Jesus chutando Satanás, cuspindo ou enfiando um tridente do traseiro do Diabo. Por que não colocam o deus egípcio chutando um pai de santo? Por que não enfiam um Buda numa mãe de santo ou o martelo de Thor na garganta do Allan Kardec? Por que só com Cristo? Não seria isso discriminação? Essa é a maior demonstração de intolerância, de ódio aos cristãos”.

E concluiu: “Acredito que vocês só fazem isso por medo. Medo não, PAVOR! Nenhum outro deus deixa vocês tão apavorados, porque só Cristo ressuscitou, e cancelou nossos pecados. Mais ainda, Ele despojou os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Cl 2:14-15). Ele voltará e todo olho verá, e, todo joelho se dobrará, nos céus, na terra e até debaixo da terra (no inferno) e toda a língua confessará que Jesus Cristo é SENHOR (Fl 2:10). Não aconselho brincar com esse Deus. Depois não diz que não avisei”.


Leia mais

Nem satanás e nem a gaviões ganharam