22.1 C
Vitória
quinta-feira, 11 agosto 2022

Epidemia de solidão: 31% dos adultos se sentem solitários

Solidão
Foto: unsplash

Três em cada dez americanos relatam que se sentem solitários pelo menos uma vez por dia

Por Marlon Max

Mesmo antes da pandemia, a solidão já era um problema na nos Estados Unidos. Os dados do Instituto Barna sobre relacionamentos, bem como pesquisas entre as gerações mais jovens, tanto nos EUA quanto globalmente, destacaram como as pessoas começaram a se sentir isoladas e desconectadas. A sensação de solidão também aumentou no primeiro semestre de 2021, segundo 52% dos brasileiros.

Susan Mettes, cientista comportamental e pesquisadora, em parceria com Barna se aprofundou no tema para aprender sobre as causas da solidão e como as comunidades cristãs podem ministrar melhor às pessoas que vivem em solidão. O estudo compartilha dados sobre o que os pesquisadores chamam de “Epidemia de Solidão”, explorando as taxas de solidão em todo o país e dentro da Igreja.

Como os pesquisadores definem a solidão? Mettes oferece esta explicação ao compartilhar as descobertas da Epidemia de Solidão:

“Nessa pesquisa acadêmica, a solidão é a angústia que alguém sente quando suas conexões sociais não atendem à sua necessidade de intimidade emocional.” Ela continua: “É falta. É uma decepção. É algo de que temos consciência, mesmo quando não chamamos isso de solidão. A solidão é uma sede que nos leva a buscar companhia – ou, talvez melhor, companheirismo. Sem comunhão, continuamos precisando de outras pessoas e buscando alívio para essa necessidade”.

Em comparação com dados do inverno de 2020 (fevereiro a março) e da primavera de 2020 (abril a maio), destaca-se que, mesmo antes da pandemia, um terço dos adultos norte-americanos relataram sentir-se solitários pelo menos uma parte do dia .

Afastando um pouco mais o zoom, mais da metade experimentou solidão pelo menos uma vez por semana. Os números não mudam muito entre as respostas do inverno e da primavera – no geral, três em cada dez americanos dizem que se sentem solitários pelo menos uma vez por dia.

Solidão entre cristãos

solitude
Foto: Reprodução/ Pixabay

Olhando para a prática da fé comprometida, os cristãos, concordam fortemente que a fé é muito importante em suas vidas e frequentaram a igreja em novembro, mostram uma ligeira diminuição na frequência com que se sentem solitários, quando comparados aos que frequentam a igreja adultos e a população em geral. No entanto, um número notável em cinco (20%) ainda se sente solitário pelo menos uma vez por dia, com 10% se sentindo solitário o tempo todo.

A solidão não chega sozinha, ressalta os pesquisadores. Sentimentos de solidão são frequentemente acompanhados por níveis variados de dor. Para os adultos americanos que experimentaram solidão pelo menos uma vez na semana passada, dois em cada cinco (45% no inverno de 2020, 42% na primavera de 2020) disseram que esses sentimentos de solidão variaram de intensos a insuportáveis.

“Esses números nos dão um instantâneo da solidão. O que eles não revelam é para quem a solidão é uma condição crônica de longo prazo. A versão crônica da solidão é mais prejudicial ”, observa Mettes, referindo-se aos dados acima. “Aqueles cuja solidão é constante e crônica provavelmente já experimentaram como a solidão pode prejudicar a saúde e a qualidade de vida.”

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se