26.9 C
Vitória
domingo, 24 outubro 2021

Empatia! Um pequeno gesto pode mudar tudo ao redor!

Você transmite empatia? A história do motoboy que perdeu a entrega, teve a moto guinchada e mesmo assim se compadeceu com alguém que passava fome.

Quando a empatia prevalece! Um vídeo circula nas redes sociais e mostra um motoboy que, ao fazer a entrega de uma refeição em uma residência, se depara com a moto sendo apreendida em uma blitz inesperada.

E como se não bastasse, o homem leva um “banho de água fria” (literalmente) quando um morador que estava lavando o carro na rua, jogou um balde de água no motoboy minutos antes dele chegar até a casa que fez a encomenda.

Ainda sem entender a situação, o rapaz permanece disposto a fazer a entrega, mas é surpreendido com um não, já que a dona do pedido recusou receber a entrega.

O vídeo mostra as reações de cada um dos “personagens” dessa história da vida real. Sem o dinheiro da entrega, sem a moto e todo ensopado pelo banho de água suja que ganhou. Qual seria a sua reação se estivesse no lugar do motoboy?

A perspectiva muda de ângulo quando no canto esquerdo do vídeo, um homem e uma criança procuram comida no lixo. Ao perceber que o motoboy não consegue entregar a comida, o pai da criança imediatamente vai até ele e pede ajuda.

Ações que fazem diferença

São pequenos gestos que podem mudar o nosso humor, a nossa percepção e transformar a vida! Não apenas de forma individual, mas principalmente pra quem está ao seu redor. Depois de tudo o que aconteceu, o motoboy foi surpreendido ao ver a criança sentada no chão atrás do carro. Imediatamente ofereceu a comida que tinha sido recusada pela cliente.

E o desfecho da história? O motoboy entrega a comida à família que precisava do alimento e a moradora que recusou a entrega decide pagar pela mercadoria, mesmo sem usufruir do produto. E o morador que estava limpando seu carro demonstra seu pedido de desculpas por jogar água no rapaz. Diante de tudo o que aconteceu, os policiais devolvem o meio de transporte do motoboy.

Empatia e solidariedade: o “Anjos na Noite”

Empatia e a solidariedade andam de mãos dadas. Em meio à pandemia e os novos desafios que o novo normal nos trouxe, compreender que “o que outro precisa é pouco” em relação ao que você pode fazer já é um grande passo! O pouco pode fazer toda a diferença na vida de alguém.

O pastor Vinícios Maia, da Igreja Batista de Boa Vista, em Vila Velha (ES), entendeu o sentido de “empatia” ainda ainda estava na faculdade de Psicologia.

Aprendi que empatia é a capacidade de se identificar com uma pessoa e buscar compreender como ela pensa ou sente. É a capacidade de se colocar no lugar do outro, sentindo suas mazelas. Aprendi que, desde muito antes, a Bíblia chama isso de misericórdia, pois é exatamente o que Jesus fez ao vir à Terra como um humano, sofrendo nossas dores.

É exatamente isso que o Vinícios faz no projeto “Anjos na Noite”,da Convenção Batista do Estado do Espírito Santo. Fundado em fevereiro de 2011, a ideia do projeto é compartilhar o pão com pessoas em situação de rua. Era um momento simples, com uma entrega de pão e achocolatado, abraço, escuta e fé. Mas, com o passar do tempo, o grupo percebeu que havia uma necessidade inquietante.

“Nos pediam ajuda para realizar tratamento contra dependência química. A partir de então, passamos a realizar nossas abordagens de rua (que chamamos de ação) e, com um parceria, encaminhávamos quem nos pedia ajuda com projetos de Comunidades Terapêuticas”, explica o líder do projeto, que também é psicólogo.

O pastor acredita que no início da pandemia havia mais engajamento das pessoas se envolvendo com ações solidárias. “Hoje, percebo que a tentativa de se ignorar a pandemia e de se forçar a volta à “vida normal” faz com que as pessoas não se importem tanto mais. Contudo, vejo muitas igrejas realizando até mais ações sociais, acolhendo mais os necessitados”, explicou.

Projeto Anjos na Noite realizando ação em Vitória

O grupo que conta com voluntários, que realiza ações em pontos específicos na Grande Vitória. Mesmo com a pandemia eles não deixaram de agir. Seguem os protocolos sanitários e vão servir ao próximo.

”Percebemos a necessidade de ampliar os horizontes, estendendo nossa ajuda a pessoas que estão em comunidades carentes. Em 2021, entregamos 200 marmitas nessas comunidades e servimos 340 hambúrgueres,  proporcionando um momento ímpar para  muitas crianças que, talvez, sequer haviam comido tal alimento na vida”, relembra Vinícios.

Solidariedade

Ser solidário é enxergar o próximo e assumir a função de ajudar o outro. Assim, a solidariedade é legítima, sem nenhum tipo de preconceito.E foi isso que o motoboy fez. Se colocou no lugar daquela criança, a partir daí, você sabe o final da história:um  pequeno gesto muda tudo que acontece ao nosso redor.

“Para mim, ser solidário é ser recíproco com o outro, no sentido de ter auxílio mútuo”, concluiu o pastor.

Assista o vídeo com atenção

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se