26.6 C
Vitória
terça-feira, 30 novembro 2021

Como viver em uma era de pandemia?

Agostinho, CS Lewis, e a perfeição do medo! Confira o texto de Matthew Lee Anderson, pós-doutorado no Instituto de Estudos da Religião da Baylor University. Saiba mais!

À sombra da Guerra Fria, o professor universitário e escritor Clive Staples Lewis, o C. S. Lewis, foi convidado a abordar como a humanidade deveria viver em uma era atômica. Muitos de nós esquecemos o medo surpreendente que tomou conta do mundo naquela época.

O apologista cristão irlandês, em sua resposta a tais sentimentos, revelou o quão frágil o mundo sempre foi. Além da questão da bomba atômica, uma ameaça na época, ouvimos os cientistas dizerem que o ‘nada’ é onde o universo terminará de qualquer maneira.

De acordo com Lewis, a bomba serviu para “lembrar-nos à força do tipo de mundo em que vivemos e que durante o período próspero antes de 1914, estávamos começando a esquecer”. A ameaça iminente de extinção nos despertou “de um sonho insignificante”, continuou.

Atualmente, uma pandemia atinge o cerne de nossa segurança ilusória de uma maneira que nem uma bomba atômica pode fazer. Mas a resistência ao medo de uma pandemia deve assumir uma forma completamente diferente, pois são precisamente atos comuns através dos quais um vírus como o COVID-19 se espalha.

O ataque mortal de um vírus tem uma qualidade perniciosa e insidiosa: nunca sabemos se estamos sendo infectados ou não. Um vírus reformula toda a textura de como nos relacionamos, introduzindo uma camada de medo e suspeita que outros males cataclísmicos simplesmente não conseguem fazer.

Dessa forma, uma pandemia nos conscientiza profundamente de quão frágil é a nossa vida juntos. As questões sempre foram precárias, com certeza. As comunidades que serão mais afetadas pelo coronavírus, as classes trabalhadoras, os idosos e os doentes, não têm ilusões sobre quão vulnerável a vida pode ser.

Tememos a ‘Coisa errada’ 

Mas para o resto de nós, bem, Covid-19 é o megafone de Deus para um mundo adormecido. E se o medo que temos agora, porém, é uma evidência de que tememos a coisa errada o tempo todo?

Considere a exposição de Agostinho do Salmo 85:11.”Guie-me no seu caminho, Senhor, e eu andarei na sua verdade; que meu coração fique tão feliz que tema seu nome”. Segundo Agostinho algum dia teremos uma alegria livre de medo.

“Se estamos completamente seguros”, escreve ele, “exultamos da maneira errada”. O medo do Senhor interrompe essa segurança, lembrando-nos da natureza passageira deste mundo temporal. “Não esperemos segurança enquanto estamos em peregrinação.”

O Temor de Deus

O medo do Senhor aperfeiçoa nossos medos naturais, lembrando-nos que há alguém que pode tocar o que a morte não pode: nossas almas. A esperança do evangelho nos liberta do pânico ansioso para preservar nossas próprias vidas a qualquer custo.

“Aqueles que mais desejam o Céu serviram melhor a Terra”, disse Lewis. A perfeição de nossos medos pelo Senhor não significa sua abolição. Dessa forma, o Covid-19 é um lembrete palpável da insegurança de nossa existência. O medo do coronavírus não é o medo do Senhor.

Quando somos batizados na morte de Cristo, somos libertados para a vida. Cultivar o medo do Senhor em uma época de pandemia nos encoraja a perder prudentemente nossas vidas por nossos vizinhos (João 15:13). Embora devamos sacrificar nossos próprios confortos para impedir que nosso próximo seja exposto de maneira irracional, pode haver quem arrisque seu próprio bem-estar por boas obras mais imediatas e urgentes.

Por exemplo: os centros de doação de sangue farão todo o possível para garantir a segurança dos doadores, mas o risco de contágio ainda aumenta no momento em que saímos de casa. Ainda assim, aprender a amar nossa vida como Cristo significa estar disposto a arriscar por causa dele e por quem precisa. Como Cristo deu seu sangue por nós, talvez neste período de pandemia, os cristãos sejam chamados a fazer o mesmo por nosso próximo. mesmo que isso signifique superar o nosso medo do Covid-19.

*Da Redação, com informações de Christianity Today. O Autor, Matthew Lee Anderson é pós-doutorado no Instituto de Estudos da Religião da Baylor University e fundador da Mere Orthodoxy.  

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se