26.8 C
Vitória
sexta-feira, 27 março, 2020

Como viver em uma era de pandemia?

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

COB cancela fase classificatória dos Jogos da Juventude 2020

Etapas classificatórias dos Jogos Escolares da Juventude 2020 aconteceriam em setembro em três cidades do país

Jogador do Ajax acorda do coma após quase três anos

Depois de dois anos e nove meses em coma, o jogador Abdelhak Nouri, do Ajax, acordou. O jovem estava em tratamento após ter uma arritmia cardíaca em campo

“Sobrevivemos a Faraó, também sobreviveremos ao coronavírus”, diz Netanyahu

O primeiro-ministro invocou o Capítulo 4 do Livro de Deuteronômio e pediu aos israelenses que obedecessem: "Tenham cuidado" (Deuteronômio 4:15). Confira!

Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhador informal

Benefício vai ser pago por três meses devido à pandemia de coronavírus. Saiba mais! 

Agostinho, CS Lewis, e a perfeição do medo! Confira o texto de Matthew Lee Anderson, pós-doutorado no Instituto de Estudos da Religião da Baylor University. Saiba mais!

À sombra da Guerra Fria, o professor universitário e escritor Clive Staples Lewis, o C. S. Lewis, foi convidado a abordar como a humanidade deveria viver em uma era atômica. Muitos de nós esquecemos o medo surpreendente que tomou conta do mundo naquela época.

O apologista cristão irlandês, em sua resposta a tais sentimentos, revelou o quão frágil o mundo sempre foi. Além da questão da bomba atômica, uma ameaça na época, ouvimos os cientistas dizerem que o ‘nada’ é onde o universo terminará de qualquer maneira.

De acordo com Lewis, a bomba serviu para “lembrar-nos à força do tipo de mundo em que vivemos e que durante o período próspero antes de 1914, estávamos começando a esquecer”. A ameaça iminente de extinção nos despertou “de um sonho insignificante”, continuou.

Atualmente, uma pandemia atinge o cerne de nossa segurança ilusória de uma maneira que nem uma bomba atômica pode fazer. Mas a resistência ao medo de uma pandemia deve assumir uma forma completamente diferente, pois são precisamente atos comuns através dos quais um vírus como o COVID-19 se espalha.

O ataque mortal de um vírus tem uma qualidade perniciosa e insidiosa: nunca sabemos se estamos sendo infectados ou não. Um vírus reformula toda a textura de como nos relacionamos, introduzindo uma camada de medo e suspeita que outros males cataclísmicos simplesmente não conseguem fazer.

Dessa forma, uma pandemia nos conscientiza profundamente de quão frágil é a nossa vida juntos. As questões sempre foram precárias, com certeza. As comunidades que serão mais afetadas pelo coronavírus, as classes trabalhadoras, os idosos e os doentes, não têm ilusões sobre quão vulnerável a vida pode ser.

Tememos a ‘Coisa errada’ 

Mas para o resto de nós, bem, Covid-19 é o megafone de Deus para um mundo adormecido. E se o medo que temos agora, porém, é uma evidência de que tememos a coisa errada o tempo todo?

Considere a exposição de Agostinho do Salmo 85:11.”Guie-me no seu caminho, Senhor, e eu andarei na sua verdade; que meu coração fique tão feliz que tema seu nome”. Segundo Agostinho algum dia teremos uma alegria livre de medo.

“Se estamos completamente seguros”, escreve ele, “exultamos da maneira errada”. O medo do Senhor interrompe essa segurança, lembrando-nos da natureza passageira deste mundo temporal. “Não esperemos segurança enquanto estamos em peregrinação.”

O Temor de Deus

O medo do Senhor aperfeiçoa nossos medos naturais, lembrando-nos que há alguém que pode tocar o que a morte não pode: nossas almas. A esperança do evangelho nos liberta do pânico ansioso para preservar nossas próprias vidas a qualquer custo.

“Aqueles que mais desejam o Céu serviram melhor a Terra”, disse Lewis. A perfeição de nossos medos pelo Senhor não significa sua abolição. Dessa forma, o Covid-19 é um lembrete palpável da insegurança de nossa existência. O medo do coronavírus não é o medo do Senhor.

Quando somos batizados na morte de Cristo, somos libertados para a vida. Cultivar o medo do Senhor em uma época de pandemia nos encoraja a perder prudentemente nossas vidas por nossos vizinhos (João 15:13). Embora devamos sacrificar nossos próprios confortos para impedir que nosso próximo seja exposto de maneira irracional, pode haver quem arrisque seu próprio bem-estar por boas obras mais imediatas e urgentes.

Por exemplo: os centros de doação de sangue farão todo o possível para garantir a segurança dos doadores, mas o risco de contágio ainda aumenta no momento em que saímos de casa. Ainda assim, aprender a amar nossa vida como Cristo significa estar disposto a arriscar por causa dele e por quem precisa. Como Cristo deu seu sangue por nós, talvez neste período de pandemia, os cristãos sejam chamados a fazer o mesmo por nosso próximo. mesmo que isso signifique superar o nosso medo do Covid-19.

*Da Redação, com informações de Christianity Today. O Autor, Matthew Lee Anderson é pós-doutorado no Instituto de Estudos da Religião da Baylor University e fundador da Mere Orthodoxy.  

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Coronavírus: Os eventos evangélicos que já foram cancelados

Devido a pandemia que se instalou no país por conta da Covid-19, muitos eventos evangélicos foram cancelados, suspensos ou adiados. Confira!

Oficina sobre comicidade no ambiente hospitalar

O Lacarta Circo Teatro abre inscrição para palhaço hospitalar. A oficina acontecerá dia 14 e 15 de março das 09h às 16h, na sede...

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Um encontro diário com a Palavra de Deus

A SBB mobiliza-se para levar esperança à população brasileira, disseminando, pelos meios digitais, a mensagem da Bíblia Sagrada. Entre as ações estão a campanha #PalavradeEsperança e o podcast Um minuto com a Bíblia

Como a pandemia deve ser encarada pelos cristãos?

“Creia no sobrenatural de Deus”, diz médica cristã, ao falar sobre o medo do coronavírus e como os cristãos devem encarar a pandemia

Casa Worship lança projeto acústico gravado em Goiânia

A Banda gravou "A Casa É Sua" com releituras acústica de sucessos do seu DVD. "Não consigo descrever a sensação que foi essa experiência"...

“Milagre da vida”: O inesperado pode ser um presente

Em tempos de confinamento por conta do coronavírus, o filme “40 Dias - O Milagre da Vida” vem apresentar essa mensagem de uma forma sensível e desafiadora