27.4 C
Vitória
sexta-feira, 18 setembro 2020

As palmeiras, o templo e as nações

Leia também

Bolsonaro: Avião precisou arremeter por baixa visibilidade causada por queimadas

"Obviamente, é sempre algo anormal de estar acontecendo. No caso, é que a visibilidade não estava muito boa. Para nossa felicidade, na segunda vez, conseguimos pousar", disse o presidente

MEC promete protocolo e R$ 525 milhões para retorno às aulas presenciais

O ministro afirmou que a decisão sobre data para reabrir escolas não é do MEC, mas de Estados e municípios

Bolsonaro volta a estimular Renda Brasil

O governo também não quis deixar um vácuo aberto para os congressistas, que já têm projetos para reforçar o Bolsa Família

O que Jesus queria nos ensinar quando entrou em Jerusalém montado num jumento aos gritos de hosana?

Imediatamente após a chegada de Jesus em Jerusalém em meio a ramos de palmeiras, Mateus, Marcos e Lucas registram que sua próxima parada é limpar o Templo. O que a clareira do Templo tem a ver com os ramos das mãos e o desfile de antes? Por último e mais importante, o que esses dois eventos têm a nos dizer quando nos preparamos para celebrar a ressurreição de Jesus nas igrejas divididas por raça e classe?

O Templo e os ramos falam com uma voz comum. Eles revelam a visão de Deus para a paz entre as etnias e nossa reconciliação sob o reinado universal de Jesus. Para ouvir essa voz comum, devemos prestar muita atenção às Escrituras que Jesus usa para interpretar suas ações naquele fatídico nos dois primeiros dias da Semana Santa.

Além da humildade

O Domingo de Ramos começa com Jesus nos arredores de Jerusalém instruindo seus discípulos a lhe trazer um jumento para cavalgar na cidade. Os escritores do evangelho deixam claro que esse gesto real é uma representação dramática de Zacarias 9: 9. A seção citada nos Evangelhos diz: “Não tenha medo, Filha de Sião; Vê, o teu rei está vindo, sentado no jumentinho”(João 12:15).

Nesta leitura das ações de Jesus, o Domingo de Ramos revela sua humildade. Ele não é como os outros reis que entram em cidades em cima de cavalos de guerra em comemoração à vitória sangrenta cercada por aqueles que a sociedade considera dignos. Ele é o rei humilde que salva morrendo pelos pecados do mundo. O cuidado de Jesus com os humildes é fonte de consolo para as pessoas oprimidas. O Messias se torna a base de um senso restaurado de dignidade em uma cultura que muitas vezes negou sua personalidade. Essa interpretação do Domingo de Ramos tem muito a elogiá-lo, e não tenho intenção de desvendá-lo. No entanto, quero destacar um tema que muitas vezes é ignorado.

A primeira regra para entender as citações do Antigo Testamento no Novo Testamento é voltar ao contexto original e ver como isso informa o uso do Velho Testamento no Novo Testamento. Quando voltamos e vemos o contexto mais amplo de Zacarias 9: 9, observamos um foco na reconciliação das nações.

Alegra-te muito, Filha de Sião! Grita, Filha de Jerusalém! Veja, seu rei vem a você, justo e vitorioso, humilde e montado em um burro, em um jumentinho, o potro de um jumento. Eu tirarei os carros de Efraim e os cavalos de guerra de Jerusalém, e o arco da batalha será quebrado. Ele proclamará a paz às nações. Seu domínio se estenderá de mar a mar e do rio até os confins da terra. (Zc 9: 9-10)

De acordo com Zacarias, a vinda do Messias sinalizará o fim da guerra em Israel. As armas são guardadas! Em vez de palavras de violência, o Messias falará palavras de paz às nações. Dito de maneira diferente, de acordo com Zacarias 9:9-10, a vinda do Messias não envolve a destruição das nações, mas a extensão da bênção às nações.

As palavras “de mar a mar e do rio até os confins da terra” em Zacarias 9:10 são extraídas do Salmo 72: 8. O Salmo 72 diz que as promessas abraâmicas de bênção às nações serão cumpridas através do governo justo, justo e internacional do Rei davídico: “Que o seu nome durar para sempre; pode continuar enquanto o sol. Então todas as nações serão abençoadas por ele, e eles o chamarão abençoado ”(Sl 72:17).

A escolha de Jesus de Zacarias 9:9-10, então, diz que sua vinda significa que o plano de Deus de trazer bênçãos às nações ocorrerá em e através de seu reinado. Este reinado será conhecido pela paz entre judeus e gentios e bênçãos para todos. O Domingo de Ramos não é apenas sobre humildade; também sobre o reino expansivo do Filho.

Portanto, lembremo-nos do Domingo de Ramos corretamente conscientes de que Deus chamou os povos divididos da Terra (negros, brancos, latinos, asiáticos) para a paz e a reconciliação. Isso não é anacronismo. Esta é a aplicação das boas novas em Cristo à realidade da vida em nossos dias. Devemos desejar nos reconciliar com nosso irmão ou perder um aspecto crucial do que o Domingo de Ramos ensina.


Esau McCaulley. Com informações do Christiany Today

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Estou livre para me casar novamente?

Pergunta anônima O padrão divino para o casamento é, segundo as palavras de Jesus, que seja indissolúvel (Mc 10:9). Entretanto, no caso em tela, uma...

A igreja deve se posicionar sobre as eleições?

A FAVOR Se a natureza institucional da igreja tem correlação direta com o exercício da cidadania, pois a mesma se constitui de cidadãos, parece-nos razoável...

Cristãos perseguidos: missionários em sua própria terra

Mais de 260 milhões de cristãos no mundo enfrentam perseguição, hostilidades, violência física, verbal, psicológica e sexual, são presos e até mortos por amor a Jesus

Preciso ter o chamado para fazer Missões?

Pergunta anônima de um leitor Comunhão "O chamado de Jesus para todos os cristãos, descrito em Mateus 28:19 e 20, “Ide por todo mundo e...

A Reforma Protestante trouxe benefícios para a sociedade?

Pergunta enviada pelo leitor A Reforma Protestante, marcada pelo 31 de outubro de 1517, foi fundamental para a educação. Antes, a Igreja Católica monopolizava o...

É possível evangelizar pelas redes sociais?

Pergunta enviada por leitor anônimo Jesus sabia de tudo!!! Creio até que Ele sabia que as redes sociais estariam disponíveis hoje para disseminar quaisquer tipos...

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Arte da Graça em casa; Conscientização do setembro amarelo

Em formato online, o evento une shows e workshops incentivando a tolerância, paz e música. Saiba mais!

Aquecimento Sepal 2020, com Edméia Williams e Rodrigo Gomes

Transmissão acontecerá nesta segunda-feira, 14 de setembro, às 19 horas. Saiba como participar!

Encontro nacional Renas: “Ser criança em tempos de incerteza”

É a 13ª edição do Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas). Evento, que acontece em outubro, será online. Saiba mais!

Jornada Agentes de transformação online; Saiba mais!

Realizado pelo grupo Valorem, organização que reúne empreendedores cristãos para servir o reino de Deus através de negócios, a Jornada Agentes de transformação, acontece dias 11 e 12 de setembro.
- Publicidade -

Plugue-se

Ajude um cego a ler a Bíblia e ter a vida transformada

A iniciativa quer distribuir a Bíblia para cegos em todo o Brasil e promover a acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Saiba mais!

Amanda Loyola, floresce uma potência vocal do gospel

Artista capixaba, que ficou conhecida ao participar do quadro Jovens Talentos, do Programa Raul Gil, já lançou três canções pela Sony.

Luciano Camargo reverencia o gospel em trabalho solo inédito

Com 29 anos de carreira ao lado irmão, Zezé de Camargo, Luciano Camargo acaba de lançar 15 músicas dedicadas ao gospel. O álbum "A Ti entrego". Saiba mais!

“Compostagem” é o novo EP do rapper Felipe Vilela

O projeto conta com três faixas, entre elas a canção “Reluzir”, que traz a participação de Eli Soares O rapper Felipe Vilela acaba de apresentar...