24.9 C
Vitória
quarta-feira, 27 outubro 2021

Documentário alerta para o perigo da mudança de gênero em crianças

O filme destaca o papel dos médicos que incentivam essas práticas nocivas para o desenvolvimento infantil

Por Patricia Scott

Documentário alerta sobre a disforia de gênero e o aumento de crianças que fazem tratamento com cirurgias e drogas que bloqueiam a puberdade. O filme destaca o papel dos médicos que incentivam essas práticas nocivas para o desenvolvimento infantil.

“Trans Mission: What’s the Rush to Reassign Gender?” [Missão Transgênero: Qual a pressa para reatribuir o gênero?] possui 52 minutos de duração. Ele traz entrevistas com especialistas em saúde, ativistas, pais e educadores, que debatem sobre a transição médica e cirúrgica em crianças.

“Há médicos nos Estados Unidos que trabalharão hoje para supervisionar a castração química de meninos. Eles colocarão meninas de 14 anos na menopausa e farão mastectomias cosméticas em meninas problemáticas”, afirma uma mulher no documentário.

A produtora do filme, Jennifer Lahl, do Center for Bioethics, revela que homens trans estão ajudando a fomentar essa tendência. Isso porque, segundo ela, se eles fizerem a transição na puberdade podem consertar o pomo de Adão, as mãos e pés grandes tomando os remédios.

Crianças não tem poder de decidir
Na visão de Jennifer Lahl, é incompreensível como permitir que crianças tomem suas próprios decisões, sem a aprovação dos pais, sobre a transição de seu sexo biológico.

“Como diabos um jovem de 7, 8 ou 9 anos de idade pode dizer: ‘Sim, eu gostaria de ter meu útero removido ou gostaria de receber hormônios sexuais errados para não desenvolver esperma ou crescer pelos faciais’”, comenta enfática.

Os médicos, que são contrários a esse tipo de tratamento, apontam, no documentário, que a medicina pediátrica transgênero não tem dados suficientes que mostrem como os hormônios, bloqueadores da puberdade, e as cirurgias de gênero podem afetar o corpo ao longo da vida. Por isso, de acordo com os especialistas, há muitas razões para se preocupar.

O filme mostra ainda alguns pais, que relatam a pressão que sofreram de médicos. “A pediatra disse que se eu não confirmasse a identidade da minha filha e não obtivesse a ajuda de que ela precisava, ela se mataria. E eu me sentiria terrivelmente culpada”, revelou uma mãe.

Com informações CBN News

 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se