22.7 C
Vitória
terça-feira, 5 julho 2022

Doador anônimo pagou pelo resgate de missionários sequestrados no Haiti

haiti (1)
Foto: reprodução

Dois missionários abduzidos alegaram ter ouvido membros de gangues detidos para pressionar o governo haitiano a libertar seu chefe

Por Marlon Max

Três dos 17 missionários sequestrados por uma gangue no Haiti foram libertados depois que um indivíduo não identificado pagou um resgate em troca da liberdade de outros 15 detidos, segundo funcionários da organização em Ohio.

De acordo com a organização Christian Aid Ministries (CAM), uma pessoa não identificada pagou um resgate no mês passado pela libertação de todos os missionários sequestrados por uma gangue no Haiti. Os dois primeiros missionários foram liberados por motivos médicos.

O indivíduo anônimo supostamente não estava vinculado ao Christian Aid Ministries (CAM), relata a organização. Os funcionários do ministério não sabem quem é a pessoa ou quanto foi dado à quadrilha, que inicialmente exigia US$ 1 milhão por vítima. Depois de prometer libertar todos os cativos, a gangue voltou atrás em sua promessa, liberando apenas três, no dia 5 de dezembro.

missionário sequestrados
Os missionários do Christian Aid Ministries que permaneceram cativos no Haiti revelaram que não foram libertados, mas conduzidos por Deus para uma fuga ousada. // Foto: reprodução

No entanto, houve vários relatos de ex-cativos alegando que eles conseguiram fugir pouco antes de serem capturados ou baleados porque estavam com muito medo. As chuvas teriam feito com que os guardas se reunissem em um lado mais protegido da casa, longe de onde os cativos haviam empurrado uma entrada gradeada e fugido para uma viagem noturna pela lama, espinhos e terrenos íngremes.

Diante disso, os missionário sequestrados classificaram a libertação como algo “sobrenatural” – dizendo que o guarda estava cego para suas ações e que ninguém ou nada respondeu enquanto passavam pela área de um grupo do crime organizado que havia sido tomado por criminosos.

As autoridades do CAM admitiram em uma entrevista coletiva em 20 de dezembro que um partido não afiliado se ofereceu para dar dinheiro do resgate, mas se recusaram a revelar se um pagamento havia sido feito na época.

Em declarações posteriores, as autoridades indicaram que a organização resistiu a pagar o resgate em dinheiro por princípio, embora tenha feito uma oferta de caixas de comida que os sequestradores recusaram. No final, o CAM concordou com uma proposta de terceiros para negociar com a quadrilha.

“No decorrer de tudo isso, houve a política de não-resgate do Christian Aid Ministries”, disse Philip Mast, membro do Comitê Executivo do CAM.

Acrescentou que “havia um doador que se ofereceu para tomar as negociações e lidar com a situação, e assim o CAM aceitou essa oferta, e foi entregue a outra parte para lidar com isso. Sim, houve pagamento de resgate, mas eu não acho que [os membros da gangue] tinham a intenção de libertar os prisioneiros”, esclareceu.

Em 18 de dezembro, os 17 reféns e mais um membro de sua família foram reunidos em segurança na Flórida.

Embora as autoridades do CAM tenham retratado isso como uma fuga espetacular, uma fonte desconhecida no Yonkers Times de Nova York disse que a gangue deixou a porta propositalmente aberta e deixou os 12 caminharem para a liberdade para cumprir o contrato de resgate.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se