“Dei uma pausa na aula para dizer que te amo!”

Foto: NA

Estudantes do Colégio Adventista de Marabá (PA) emocionaram mães ao declarar seu amor por elas. O Dia das Mães surgiu em homenagem a uma evangélica que atuava em ações de assistência social nos EUA

Mãe, amor sincero, sem exagero, que ama os filhos, e é capaz de doar a própria vida para salva-los. Como forma de homenageá-las de maneira especial, os estudantes do Colégio Adventista de Marabá (PA) resolveu fazer algo diferente por suas mamães.

Foi no meio de uma manhã que várias mães receberam ligações inesperadas dos filhos. Em uma delas, uma mensagem surpreendente: Oi, mãe. Precisa se preocupar não, tá? Eu só dei uma pausa na aula para dizer que eu amo muito você”, disse a aluna Samia Santos à mãe.

A reação não poderia ter sido diferente. Muita emoção! “Quando meu telefone tocou e vi que era da escola, pensei ‘Meu Deus, o que foi que aconteceu com o Rafael?’ Mas na hora que ouvi o que ele tinha a dizer, até sentei, pois vivi naquele momento uma das situações mais emocionantes da minha vida”, conta Júlia Portela, mãe do aluno do 8º ano, após receber o telefonema.

Sâmia surpreendeu e emocionou a mãe ao ligar no meio da manhã para reafirmar sua importância. Foto: Colégio Adventista de Marabá

“Minha secretária, quando viu minha reação, até correu para saber se eu estava passando mal. Respondi que pelo contrário, eu estava muito feliz porque meu filho havia ligado para dizer que me amava. Foi algo realmente surpreendente”, emociona-se Júlia.

A iniciativa da escola surpreendeu até mesmo os professores e a direção.

“A escola ficou tomada de emoção. Eles se emocionavam ao falar, a mãe ao ouvir e nós aqui ao ver aquelas demonstrações de amor.

Foi algo muito diferente, que parece ser simples, mas foi de coração. Eu não imaginei que fosse tão tocante. Foi surpreendente!”, declarou a orientadora educacional da instituição, Lays Nascimento.

A data

O Dia das Mães é uma data comemorativa que surgiu em homenagem a uma evangélica que atuava em ações de assistência social nos Estados Unidos e após sua morte se tornou símbolo da dedicação das mulheres ao cuidado dos filhos.

Anna Reeves Jarvis, mãe de doze filhos, começou sua jornada de ajuda aos necessitados reunindo mães em torno de causas sociais em West Virginia (EUA). Em 1858 ela criou os clubes “Dias de Trabalho das Mães”, com foco na redução da mortalidade de filhos de famílias de trabalhadores.

Posteriormente, Anna Reeves Jarvis – que era membro da Igreja Metodista – organizou o Dia da Amizade das Mães, que tinha como propósito reunir famílias e vizinhos separados por posicionamentos diferentes no debate que resultou na Guerra Civil dos EUA, além de oferecer ajuda aos feridos nesses encontros.

Em 1905, após seu falecimento, uma das filhas de Anna – que havia recebido o mesmo nome da mãe – passou a lutar pela criação de uma data que celebrasse oficialmente as mães norte-americanas. Anna Jarvis queria, não apenas honrar a memória de sua mãe, mas também homenagear todas as demais.

Dessa forma, com o apoio da Igreja Metodista, ela passou a organizar uma campanha com realização de cultos para conscientizar os irmãos na fé sobre a importância da data. Logo, outras igrejas abraçaram a ideia, pois viram que essa data comemorativa se tornaria um importante símbolo da família.


Leia mais

Mãe 6 em 1
Qual o salário de uma mãe
Qual o perfil da mulher cristã hoje