22.9 C
Vitória
quinta-feira, 9 abril, 2020

As 10 principais descobertas de arqueologia bíblica de 2019

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Justiça destina R$ 2,5 bilhões da corrupção para a saúde

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar, ainda, a aplicação de R$ 51 milhões no combate ao novo coronavírus.

Caixa cadastrou 10 milhões benefícios emergenciais em seis horas

A expectativa do banco e encerrar o dia com 20 milhões de benefícios cadastrados. Confira! 

Antes de reunião com Mandetta, Bolsonaro defende, nas redes, uso de cloroquina

O uso dos medicamentos é uma das divergências entre Bolsonaro e Mandetta. O encontro ocorre dois dias depois da ameaça de demissão do ministro ter sido quase concretizada. Saiba mais!

Israel, Páscoa, o Êxodo e a “praga coronavírus”

"No Livro do Êxodo, lemos que 'os israelitas gemeram em sua escravidão e clamaram, e Deus ouviu seus gemidos", disse o presidente de Israel. Confira!

Um vislumbre do importante trabalho de escavação revelado este ano

Descobertas em 2019 confirmam passagens bíblicas. Das paredes do tamanho de Golias às impressões de selos de argila do tamanho de uma unha, descobertas arqueológicas anunciadas neste ano adicionaram contexto ao entendimento da Bíblia.

Arqueólogos e estudiosos da Bíblia resistem à ideia de que a arqueologia prova a Bíblia. Entretanto, muitas das principais histórias da mídia anunciando essas descobertas reconheceram que as Escrituras Sagradas estavam corretas.

De acordo com o arqueólogo Nelson Glueck “nenhuma descoberta arqueológica jamais controvertiu uma referência bíblica”. As descobertas podem não ser conhecidas por vários anos, pois o trabalho das publicações científicas sejam revisadas.

DESCOBERTAS

Entre as descobertas estão: “os filisteus tinham ascendência européia”. O DNA extraído de esqueletos escavados em enterros na cidade filisteu de Ashkelon, na moderna Israel, confirmou. Filisteus se casaram rapidamente com a população local, diluindo a assinatura genética. No texto bíblico de Jeremias 47: 4 e Amós 9: 7 conectam os filisteus a Captor, que foi identificado como Creta, lar da civilização minóica.

Edomitas usavam técnicas avançadas e padronizadas há mais de 3.000 anos para extrair cobre. O reino foi formado cerca de 300 anos antes do que se pensava, em meados do século 11 AC. A passagem de Gênesis 36:31 diz que havia reis em Edom, antes que houvesse reis israelitas.

A escavação do local onde o tabernáculo israelita ficou por vários séculos, Tel Shiloh, revelou o que parece ser a lateral de um altar. Em 1 Reis 2:28 Joabe “fugiu para a tenda do Senhor e segurou as pontas do altar”.

Escavações em Tel es-Safi, atingiram uma camada que data o século 11 AC, na época do rei Davi. Paredes dessa camada têm 13 pés de espessura, duas vezes mais do que paredes escavadas dos séculos 10 e 9. O arqueólogo Aren Maier chamou de “camada Golias”, famoso morador da época.

Um mosaico descoberto nas ruínas de uma igreja bizantina, construída por volta de 450 dC na cidade de Hipápolis Sussita, Decápolis. O local remete ao episódio, “o Mosaico de pães e peixes”. Com vista para a costa leste do mar da Galiléia, a igreja foi destruída por invasores em 614 dC. O local tradicional de alimentação fica mais ao norte.

Um selo “Pertencendo a Ga’alyahu, filho de Imer”. Pesquisadores anunciaram a descoberta de uma bula, identificando-a como “a primeira inscrição hebraica antiga legível encontrada no Monte do Templo”. A família sacerdotal de Immer serviu em o templo (1 Cr. 24:14). Pasur, filho de Imer, é chamado oficial principal no templo de Javé, quando Jeremias foi espancado e depositado nas ações (Jer. 20: 1–2).

“Pertencendo a Adonias, Mordomo Real”. Anunciada este ano, o selo foi encontrado em material peneirado retirado de Robinson’s Arch, no canto sudoeste do Monte do Templo, em 2013. Datado do século VII aC. Três homens no Antigo Testamento são chamados Adonias, incluindo um filho do rei Davi. Entretanto, nenhum deles viveu no século VII, então este é um quarto Adonias. A posição do mordomo real é conhecida em vários textos bíblicos.

O selo de “Natan-Melech, o servo do rei”, foi encontrada na escavação do estacionamento de Givati. Essa é a maior escavação em andamento em Jerusalém (desde 2007). Arqueólogos o recuperaram das ruínas de um edifício que provavelmente foi destruído durante a destruição babilônica de Jerusalém em 586 aC. Em 2 Reis 23:11, Nathan-Melech é descrito como um oficial na corte do rei Josias. A frase “Servo do rei” aparece frequentemente na Bíblia e nas bolhas.

Kiriath Yearim ou “O caminho de Emaús”. Descrita em Lucas 24: 13–34. A localização de Emaús é descrita como 60 estádios romanos de Jerusalém, o que significa 7 milhas. Locais a várias distâncias a oeste de Jerusalém foram propostos, mas sem evidências arqueológicas. O arqueólogo israelense Israel Finkelstein, ofereceu nova identificação com base nas fortificações da era helenística que sua escavação descobriu em Kiriath Yearim. Segundo ele existem duas listas de cidades fortificadas helenísticas ao redor de Jerusalém (do historiador antigo Josefo e em 1 Macabeus 9:50). Kiriath Yearim fica a 11 quilômetros de Jerusalém.

Kiriath Yearim é mencionado várias vezes no Antigo Testamento, mais famoso como o local onde a Arca da Aliança foi realizada (1 Sam. 7: 1–2) antes que o rei Davi a mudasse para Jerusalém (1 Cr. 13: 5–6 ; 2 Cr. 1: 4).

Arqueólogos descobriram a piscina de Siloão da era do Novo Testamento (João 9:7) em 2004 durante um projeto de reparo de esgoto. Assim também descobriram a extremidade inferior da rua do primeiro século que levava ao Monte do Templo. Desde então, está em andamento o trabalho de escavar a rua para que os peregrinos judeus e cristãos hoje possam andar na mesma estrada que os peregrinos judeus e cristãos andaram no primeiro século. Esta rua subterrânea ainda não é totalmente acessível, mas uma cerimônia de abertura de parte da rua no verão passado atraiu o embaixador dos EUA, entre outros dignitários.

O trabalho arqueológico na área da cidade de David, a parte mais antiga de Jerusalém, é de grande interesse para cristãos e judeus, mas também é controverso. Muitos dos residentes são árabes palestinos e, apesar dos esforços dos engenheiros arqueológicos, alguns se queixaram de que suas casas estão sendo arruinadas por causa das escavações abaixo.


LEIA MAIS 

As descobertas da arqueologia bíblica em 2018 
Mais uma descoberta que remete a relatos bíblicos 
Ruínas da igreja cristã primitiva são descobertas no Egito 

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Live: “As perguntas cruciais a serem respondidas na crise”

Um dos 25 melhores CEO’s dos EUA, Craig Groeschel fará nesta quinta-feira (02), às 10h30, uma Live exclusiva para o Brasil com tradução simultânea

Vigília online ‘Há uma Luz’: um clamor contra o covid-19

Para levar paz e esperança à população afetada pela pandemia global da Covid-19, a plataforma cristã, InChurch, organizou a vigília online “Há uma Luz” nesta quarta (1º).

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Inovação! Kemuel lança primeiro single em inglês

Com participação de Amanda Malela, a versão de “O Teu Amor” dá início a um novo momento na carreira do grupo

Lives, podcasts cristãos, aumento do consumo digital

Em tempos de isolamento social hoje é consumo digital. Cantores e pastores brasileiros usam lives e publicam podcasts com conteúdos específicos para seus membros Em...

Conheça as novas artistas da Sony Music

Amanda Loyola, que é capixaba, foi destaque do quadro de Jovens Talentos do Raul Gil e Thais Castro, que é líder do ministério de louvor da igreja Por Amor de São Bernardo do Campo (SP). Agora as duas integram o time Sony Music

Brasileira cria projeto que conecta pacientes isolados

O projeto "Acortando la Distancia", da brasileira Giovanna Angiolillo, 44 anos, que mora em Madri, na Espanha, ajuda pacientes isolados com coronavírus, a conectar com suas famílias