25.5 C
Vitória
quinta-feira, 18 agosto 2022

Daniella Marques diz ter afastado 5 consultores e que afastará todos

"Estou trazendo três profissionais da minha confiança", disse Daniella à GloboNews na tarde desta segunda-feira (04). Foto: Agência Brasil

“Estou trazendo três profissionais da minha confiança”, disse Daniella à GloboNews na tarde desta segunda-feira (04)

Em suas primeiras entrevistas após ser indicada para presidir a Caixa Econômica Federal (CEF), Daniella Marques deu indicativos de que a cúpula do banco vai mudar e anunciou três nomes que já atuam em outras esferas do Executivo e que a acompanharão rumo à CEF. Além disso, ela afirmou que cinco consultores da presidência do banco já foram afastados e que ainda deve afastar todos os 20 consultores. A presidente também assegurou que as investigações sobre as denúncias de assédio sexual que levaram à queda do ex-presidente do banco Pedro Guimarães serão rigorosas e que vai punir quem tiver de ser punido.

Até agora, ela anunciou três nomes. Seu braço direito será Danielle Calazans, atual secretária de gestão corporativa do Ministério da Economia, e que na instituição, será responsável por pessoas. Também chegam Caroline Busatto (subsecretária de micro e pequenas empresas, empreendedorismo e artesanato no Ministério) e Alexandre Mota, atual diretor da Empresa Gestora de Ativos (Emgea), que ficará com atacado e crédito.

“Estou trazendo três profissionais da minha confiança”, disse Daniella à GloboNews na tarde desta segunda-feira, 4. Ela evitou dizer se os três ocuparão vice-presidências, mas deixou claro que ao menos duas estão vagas: a de atacado e a de logística e operações.

A primeira está em aberto desde sexta-feira, 1º, quando o então ocupante, Celso Barbosa, renunciou ao posto. Ele é considerado o “número dois” na gestão de Guimarães e também citado em uma das denúncias de assédio sexual. A segunda vaga é de Antonio Carlos Ferreira, que será afastado e realocado para outro posto, mas Daniella não esclareceu se será no banco ou fora dele. Daniella disse que o executivo não tem relação com o episódio, e que conversou com ele na manhã desta segunda-feira.

A Caixa tem hoje 12 vice-presidências. Daniella não deixou claro se este número será mantido, mas disse que metade dos postos será ocupada por mulheres. Hoje, cinco das 12 cadeiras da cúpula do banco têm mulheres à frente, todas funcionárias de carreira da instituição, e empossadas durante a gestão de Guimarães.

Antes de mudar os vice-presidentes, a executiva já está alterando a assessoria da presidência. A chefe de gabinete da gestão Guimarães deixou o cargo, e ao menos cinco consultores também foram afastados. “Afastamos cinco consultores, são 20. Possivelmente eu vou afastar os 20”, disse a presidente da Caixa, que toma posse nesta terça-feira, 5.

Daniella, porém, ainda não disse claramente se o rumo do negócio será alterado. Ela sinalizou apenas que a estratégia para o microcrédito continuará sob foco. Como mostrou o Estadão/Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), Guimarães, aliado próximo ao presidente Jair Bolsonaro, vinha acelerando as concessões de crédito em ramos como o imobiliário e o agrícola, enquanto as instituições privadas começaram a fechar a torneira diante da alta da Selic e da piora da inflação e da inadimplência.

Investigações

Única mulher a comandar um dos cinco maiores bancos do País neste momento, Daniella deixou claro que tem dois objetivos: preservar a imagem da Caixa e evitar que as investigações paralisem a instituição. “O nosso foco é isolar o episódio do dia a dia do banco. Isolar não significa que a apuração não terá seriedade”, afirmou.

Na semana passada, o conselho de administração da Caixa aprovou a contratação de uma empresa independente para fazer investigações adicionais sobre as denúncias de assédio. Segundo a nova presidente do banco, a empresa que tocará a investigação será conhecida na próxima semana. “Existem fatos graves sendo expostos, e isso precisa ser apurado. Vai ser apurado com rigorosidade, independência, responsabilidade”, comentou.

Para a executiva, braço direito do ministro Paulo Guedes na pasta da Economia, a crise será uma oportunidade para fortalecer a pauta anti-assédio não só na Caixa, mas em todo o País. Ela prometeu, inclusive, levar o assunto à Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em que a CEF tem assento em conselhos e na diretoria.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se