Brasil sediou reunião do Brics

Reunião da cúpula do Brics (Foto: José Paulo Lacerda)
Reunião da cúpula do Brics (Foto: José Paulo Lacerda)

Jair Bolsonaro se encontrou com o presidente russo Vladimir Putin e o da África do Sul, Cyril Ramaphosa. A cúpula do Brics aconteceu em Brasília

O último dia da reunião de Cúpula do Brics, agrupamento de países de mercado emergente, teve como destaque o reforço do Novo Banco de Desenvolvimento (Banco do Brics), o fechamento de acordos, e a discussão de recomendações do setor privado na pauta.

O Brics é formado pelos países: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Em síntese, ao final do encontro os chefes de Estado apresentarão uma declaração conjunta.

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu com os demais Vladimir Putin (Rússia), Xi Jiping (China), Cyril Ramaphosa (África do Sul) e o primeiro-ministro Nahendra Modi (Índia), nesta quinta-feira (14), no Itamaraty.

Os mandatários fizeram uma reunião fechada por cerca de uma hora. Ddepois participaram da sessão plenária, onde apresentaram as conclusões da reunião. Eles também anunciaram acordos de cooperação.

BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Instalado em 2015, com sede em Xangai (China), o Novo Banco de Desenvolvimento tem como objetivo se constituir em fonte alternativa de financiamento ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e ao Banco Mundial.

Sendo assim, o capital da instituição foi formado com US$ 10 bilhões de cada membro do Brics, mas o banco está aberto a receber países de fora do grupo como sócios.

ENCONTROS BILATERAIS

As audiências completam a série de encontros bilaterais de Bolsonaro com os demais líderes do Brics. Nessa quarta-feira (13), o presidente brasileiro se reuniu com o presidente chinês pela manhã, e com o primeiro-ministro indiano, à tarde.

A 11ª Reunião de Cúpula do Brics começou ontem, em Brasília. Além de encontros entre os chefes de Estado, a cúpula teve eventos paralelos, como o Fórum Empresarial, organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), com a participação de 500 empresários dos países do grupo. Assim, o fórum teve como objetivo identificar oportunidades de cooperação entre as empresas e consolidar as propostas do setor privado.

*Da redação, com informações Agência Brasil 


LEIA MAIS

Bolsonaro receberá líderes mundiais no Brasil 
“Vamos transformar o Brasil numa grande nação” 
“Orem pelas autoridades do Brasil”, clama Bolsonaro