19.9 C
Vitória
sexta-feira, 27 maio 2022

Cristãos surdos compartilham o Evangelho na Ásia Central

Treinamento de linguagem de sinais a pessoas surdas na Ásia Central - Foto: Portas Abertas

Como parte da cultura da hospitalidade, participam juntos de longas refeições. Nesses momentos, eles explicam o Evangelho de uma forma simples, ganhando vida para Jesus

Por Patricia Scott 

Os cristãos surdos são excluídos pela sociedade na Ásia Central, localidade de muita perseguição religiosa. No entanto, Deus está levando-os a lugares de honra. São diversas as histórias de como os surdos encontram o Senhor, segundo a Missão Portas Abertas.

Eles sentiram o desejo de compartilhar o Evangelho com outros surdos em um país da região. À noite, cruzaram a fronteira. Visitaram diversas vilas. Finalmente, encontraram algumas pessoas surdas. Como parte da cultura da hospitalidade, participaram juntos de longas refeições. Nesses momentos, os cristãos surdos explicaram o Evangelho de uma forma simples. E, durante as muitas visitas, muitos também vieram à fé.

Certa vez, foram parados pela polícia de fronteira. Os policiais ficaram impactados ao ouvir que os cristãos surdos já tinham passado por aquela localidade diversas vezes. “Isso é impossível, já que aqui é um campo minado. Não tem como sobreviver se escolher entrar no país por esse caminho”, disse um policial.

Foto: Na Ásia Central, os cristãos surdos recebem treinamento especial – Foto: Portas Abertas

Outra história emocionante da região é de uma mulher surda chamada Aisha (pseudônimo). Durante a crise da Covid-19, ela foi negligenciada e não recebeu ajuda de comida e cuidado prático em sua vila. Como muitos outros surdos, ela foi ignorada por sua comunidade, já que é considerada uma excluída. Ela não tinha contato com outras pessoas surdas e estava se sentindo solitária e muito depressiva.

Como a situação se arrastou por muito tempo, ela pensou em cometer suicídio. Por ser totalmente esquecida, já que não recebia visitas, Aisha sentiu que não havia esperança para ela, que, inclusive, passava fome. Quando não conseguiu mais lidar com a situação, decidiu acabar com sua vida. Ela pegou um galão de gasolina e jogou sobre si a substância inflamável.

Quando estava prestes a acender o fósforo, viu uma pessoa entrando em sua casa. Era um cristão surdo. Quando ele perguntou o que estava fazendo, Aisha respondeu que não queria mais viver. O cristão entrou no quarto em que ela estava com as mãos cheias de um grande pacote de comida. Ele compartilhou como tentou encontrar outra pessoa surda para ajudá-la.

O cristão compartilhou por que estava tomando aquela atitude, como também relatou sobre o amor e o cuidado de Deus. Depois de uma longa conversa, ela entendeu que há um Deus que vê as dificuldades, a dor e a solidão dela. Após várias horas, Aisha aceitou a Cristo como salvador. Naquele dia, ela teve a fome espiritual e natural suprida, sendo salva duas vezes. O cristão surdo a colocou em contato com a comunidade de cristãos surdos. Agora ela se sente parte da comunidade e recebe ajuda prática e alimento.

Vale ressaltar que, de acordo com a Missão Portas Abertas, 99% dos cristãos ex-muçulmanos na Ásia Central enfrentam perseguição. Na maioria das vezes, a intolerância religiosa ocorre por parte da família e da comunidade muçulmana. Uma vez que a família descobre a decisão por Cristo, a reação não é muito boa, já que essa atitude traz vergonha.

Com informações Missão Portas Abertas 

 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se