20 C
Vitória
segunda-feira, 17 maio 2021

Sri Lanka: Como estão os cristãos 2 anos após ataques extremistas?

Dois anos após os ataques de extremistas islâmicos no Sri Lanka, os cristãos, vítimas, continuam amparadas, mas convivem com a lembrança parentes que morreram no incidente

Nesta quarta-feira, 21 de abril, é lembrado um dos maiores e mais violento ataque contra cristãos, que ocorreu no Sri Lanka. Neste dia, em 2019, cristãos de várias regiões do Sri Lanka estavam reunidos em diversas igrejas para comemorar a Páscoa. Mas foram surpreendidos por extremistas islâmicos, que atacaram 3 igrejas e 2 hotéis.

O resultado das cinco explosões em Colombo, Negombo e Batticaloa foi a morte de 259 pessoas e outras 500 feridas. As memórias e consequências dos incidentes continuam presentes nas vidas dos cristãos locais.

Parceiros da Portas Abertas têm acompanhado de perto a situação da Zion Church, em Batticaloa. Ela foi destruída e o governo determinou que os militares deveriam reconstruir o templo. Mas por falta de recursos, as obras foram interrompidas e os cristãos estão se reunindo em outro prédio. O novo terreno foi doado e uma igreja já está sendo construída.

Em 2020, a liderança da igreja não conseguiu promover um culto em memória aos ataques, já que o país estava em lockdown devido à pandemia de COVID-19. Porém, para este ano eles planejam um culto especial.

Investigações dos ataques

Os ataques de Páscoa no Sri Lanka mobilizaram a investigação da Comissão Presidencial de Inquérito (PCOI, da sigla em inglês) e o relatório final foi apresentado ao presidente Nandasena Gotabaya Rajapaksa, em fevereiro de 2021.

No documento, as autoridades criticaram a atuação do Serviço de Inteligência do Estado (SIS, da sigla em inglês) e do ex-chefe do órgão, Nilantha Jayawardena, por não terem evitado os ataques.

No entanto, Jayawardena afirmou que avisou ao ex-presidente, Maithripala Sirisena, sobre um possível ataque, mas o ex-governante ignorou as informações. Porém, há muitas críticas ao documento, afirmando que ele parece focado em descobrir como o incidente poderia ser evitado, ao invés de procurar e punir os responsáveis pelos ataques.

Zion Church_destruída
Ataques a bomba em igrejas do Sri Lanka durante a Páscoa de 2019 deixou centenas de feridos e mortos. Na foto, a casa paroquial da Igreja de Zion, que foi quase que totalmente destruída pelas bombas. Foto: Portas Abertas

Famílias atingidas pelos ataques

Muitas famílias perderam os entes queridos como pais, filhos e irmãos nas explosões e precisaram reconstruir as próprias vidas. Um exemplo disso é o pastor Kumaran, da Zion Church, que perdeu o filho Malkiya de 12 anos. Ele, a esposa Saratha e os filhos Jeremiah e Shemidah ainda estão em luto.

Em todas as visitas da Portas Abertas, Saratha chorava sem parar quando lembrava do dia dos ataques. Ela e o esposo deixaram os filhos na sede da Zion Church e foram para uma congregação. Mas receberam uma ligação contando das explosões e voltaram para ver o que tinha acontecido.

“Quando chegamos à igreja, as pessoas estavam fugindo. Meu marido estava procurando uma maneira de entrar, mas eu nem tentei procurar meu filho porque eu já sabia que Malkiya estava no céu”, compartilha a cristã. Apesar da rotina da família ter voltado ao normal, eles sempre lembram de Malkiya em detalhes, como quando comem alguma comida que ele gostava.

Logo após a morte do garoto, a casa da família se tornou um memorial com grandes pôsteres dele, tinha também os troféus e os certificados que ele havia ganhado. Além disso, os pais faziam questão de mostrar as roupas, os livros e outros pertences favoritos de Malkiya. Mas após dois anos, há menos objetos que lembrem o menino, apesar da dor da perda estar nítida nos olhos dos pais.

“É realmente difícil descrever para as pessoas como estamos nos saindo hoje em dia. Às vezes estamos rindo e às vezes chorando. A dor vem em ondas”, finaliza o pastor.

*Com informações de Portas Abertas

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se