24.9 C
Vitória
terça-feira, 21 setembro 2021

Cristãos são atacados com falsa informação na Índia

A desinformação e a propaganda falsa contra os cristãos e outras minorias religiosas são utilizadas pelos extremistas hindus para propagar a filosofia “Hindutva”

Por Marlon Max

A perseguição aos cristãos na Índia não se resume à pressão e a violência contra as pessoas comuns que vivem no interior do país. De acordo com a missão Portas Abertas, Líderes cristãos como Sonia Ghandi, presidente do partido do Congresso, são acusados falsamente de “conversão desenfreada, apaziguamento e lavagem cerebral da geração jovem”. Em um dos vídeos feitos pela parlamentar, fizeram uma montagem em um dos livros aparente atrás dela. Na alteração, colocaram o título “Como converter a Índia em uma nação cristã”.

Mesmo com erros gramaticais, a imagem alterada foi publicada na conta do Twitter @noconversion e provocou o ódio de hindus extremistas contra Sonia e outros cristãos que vivem na Índia. O canal opera sobre a bandeira: “Pare as conversões hindus por missionários cristãos” e tem 200 mil seguidores, o que equivale a uma pessoa em 88 usuários da rede social.

A desinformação e a propaganda falsa contra os cristãos e outras minorias religiosas são utilizadas pelos extremistas hindus para propagar a filosofia “Hindutva”. “A ideologia busca fazer da Índia uma nação hindu, forçando as minorias, como muçulmanos, cristãos e sikhs, a se converterem ao hinduísmo. Caso isso não ocorra, serão consideradas como cidadãos de segunda classe ou podem ser expulsas do país”, justifica um parceiro local da Portas Abertas.

Cristãos são culpados pela COVID-19

cristãos
Foto: Reprodução Web

Em outra conta no Twitter, em que Acharya Balkrishna promovia o tratamento ayurvédico para COVID-19 e refutava as informações da Associação Médica Indiana (IMA, da sigla em inglês), os cristãos foram responsabilizados pela pandemia. O autor do tweet disse que o vírus é “uma conspiração para converter todo o país ao cristianismo e torná-lo contra a ioga e a Ayurveda”. Além disso, publicou a foto do presidente da IMA e comentou: “Doutor ou pastor?”. Essa comunicação foi curtida mais de 3 mil vezes e compartilhada por cerca de 1.700 usuários.

A relatora especial da ONU para a promoção e proteção do direito à liberdade de opinião e expressão, Irene Khan, confirmou que as notícias falsas são ameaças reais. “A desinformação ideológica e baseada na identidade fomentou a discriminação e o ódio contra minorias, migrantes e outras comunidades marginalizadas, gerando tensões étnicas ou religiosas que culminaram, às vezes, em violência off-line”, explicou.

Apesar da Índia ter assinado um pacto internacional que obriga a proibição de “qualquer defesa do ódio nacional, racial ou religioso que constitua incitamento à discriminação, hostilidade ou violência”, as pessoas que perseguem os cristãos ficam impunes. “Os perpetradores de atos horríveis de violência contra cristãos, muçulmanos e outras minorias agem com impunidade e muitas vezes com a cumplicidade da polícia e das autoridades locais”, conclui um porta-voz da Portas Abertas.

Com informações Portas Abertas

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se