Cristãos em fuga de Qamishli na Síria

Refugiados da Síria (Foto: Reprodução)
Refugiados da Síria (Foto: Reprodução)

Uma congregação de cristãos com cerca de 40 pessoas na cidade de Qamilish, estão em fuga, a cidade Síria fica localizada próxima a fronteira com a Turquia.

Após uma série de bombardeios em cidades no norte da Síria, o pastor George Moushi, saiu para ver como a cidade estava. Segundo o pastor, na cidade de Qamilish há um escritório das forças de proteção siríacas, denominada “Sootoro”.

Além disso, o pastor revelou que as pessoas estão com medo dos ataques terroristas que essas pessoas podem planejar, especialmente contra cristãos. “O Sootoro pegou alguém em nossa área que suspeita ser parte do autoproclamado Estado Islâmico”, revelou. De acordo com o pastor,  as forças de proteção estão investigando.

As pessoas estão preocupadas com prisões onde membros do Estado Islâmico são mantidos. Em síntese, uma dessa prisões está localizada em Hasakah, e outra em Qamalish. “O medo é que elas sejam atingidas e os prisioneiros escapem”, explica.

DESLOCAMENTO DE QAMISHLI

No norte da Síria cidadãos estão fugindo da região. Assim, estão fugindo em grande número de Qamishli e de Al Malikiya. Segundo o pastor George, estão indo para Hasakah, mesmo sabendo que a cidade não está segura até o momento.

Entretanto, essa é uma opção melhor do que Qamilish, explica o pastor George. Assim, quem tem condição de ir além de Hakasah, vai para Homs.

Diariamente mais de dez ônibus levam pessoas de todas as religiões e denominações para cidades como Homs e Damasco. Assim, no último sábado (12) uma reunião realizada na congregação do pastor Moushi para saber se eles ficariam ou sairiam.

Dessa maneira, oito famílias e um grupo de aproximadamente 40 pessoas, decidiram ir para Homs. Entretanto, Moushi revelou que a congregação também decidiu apoiar aqueles que resolveram ficar na cidade.

“O ônibus deveria levá-los no domingo de manhã, mas as coisas não saíram como o planejado. A viagem foi cancelada porque o ônibus quebrou e não pôde ser consertado”, explica.

De acordo com Moushi, algumas famílias mudaram de ideia já que no sábado à noite estava tudo calmo na cidade. “Que Deus nos guie para fazer a coisa certa nessa difícil situação. Que ele nos proteja do mal”, intercede.

Um membro da equipe da Portas Abertas no país também revelou que “o que podemos confirmar até agora é que existe um grande deslocamento interno na região nordeste”. Isso significa que pode haver ainda mais pessoas forçadas a deixar suas casas.

*Da redação, com informações do Portas Abertas 


LEIA MAIS

O avivamento do cristianismo na Síria 
Asht Bahro: “extinção do cristianismo”, na Síria 
Guerra na Síria completa 8 anos