Cristãos acolhem famílias sírias que fogem do Estado Islâmico

Foto: David Eubank/ Free Burma Rangers

O grupo cristão Free Burman Rangers trabalha na Síria desde 2015.

Há alguns anos, o grupo do Estado Islâmico do Iraque e da Síria (EIIS) dominava vastas áreas destes países, mas graças às forças democráticas sírias apoiadas pelos EUA (SDF), o grupo terrorista agora se apega a um pequeno pedaço de terra em Bagouz, na Síria.

Apesar das perdas do Estado Islâmico, os terroristas representam uma ameaça mortal para os civis sírios na área.

Um porta-voz das Forças Democráticas da Síria que lutam contra os militantes disse ao Associated Press no domingo que o grupo está impedindo que as famílias sírias saiam da linha de frente do conflito, fechando um corredor do qual quase 40 mil moradores conseguiram escapar desde dezembro.

Cidadãos presos estão arriscando suas vidas para deixar o último reduto EIIS. Na terça-feira, cerca de 40 homens, mulheres e crianças fugiram de Bagouz em um esforço para chegar ao campo de refugiados mais próximo.

Os refugiados são forçados a caminhar dezenas de quilômetros no deserto da Síria sem comida, água ou abrigo. Lá para encontrá-los está um pequeno grupo de cristãos chamado Free Burma Rangers.

“Há um número desconhecido de civis presos em uma cidade de tendas na fronteira sudeste de Bagouz. Os combatentes do EIIS estão entre eles e não deixam as pessoas fugirem”, disse David Eubank, fundador do The Free Burma Rangers, à CBN News. “Oramos para que todos possam se libertar”.

“As pessoas são baleadas enquanto tentam fugir e as famílias que saíram hoje disseram que estavam tentando fugir por semanas. Eles conseguiram subornar um guarda e fugiram na noite passada e se esconderam até esta manhã, quando caminharam para as linhas da SDF. “Disseram-nos que seríamos mortos se tentássemos fugir e mesmo que conseguíssemos, o inimigo (SDF) nos mataria. Mas nós estávamos desesperados e então fugimos e agora vemos que todos vocês nos ajudam e são bondosos e não nos matam. Obrigado”.

Famílias acolhidas

“Nós alimentamos e demos tratamento médico e cobertores para essas famílias e oramos pelos outros que ainda estão presos. O EIIS tem muito pouco terreno, mas como eles estão entre os deslocados internos, é difícil resgatar as famílias. O fato é que quase todas essas famílias são famílias EIISe algumas ainda acreditam que a causa ISIS é justa, então temos cuidado quando as encontramos e as levamos ao ponto de coleta, mas no geral ore e peça que o amor de Deus trabalhe através de nós para eles”, explicou Eubank.

Os cristãos compartilham Jesus com os refugiados e conversam com os leais a EIIS a dar as costas ao grupo terrorista.

“‘O caminho do EIIS, o caminho do ódio terminou’, dizemos a eles”, explicou ele. “‘Sim, há injustiças, mas o EIIS nunca lhe dará justiça. É o caminho errado. Peça a Deus um novo caminho e seja grato por estar vivo e que a SDF seja misericordiosa com você'”.

“Nós oramos com eles e com a ajuda da SDF fazemos o nosso melhor para ajudá-los. A SDF está tentando negociar para tirar todas as pessoas da fortaleza de Bagouz”, disse Eubank.

Ameaça ainda existe

O presidente Donald Trump anunciou em dezembro que o ISIS está quase derrotado e que ele retirará as forças americanas da região.

No entanto, autoridades de defesa dos EUA alertam que o grupo ainda representa uma grande ameaça e pode se reagrupar dentro de seis meses, se não for mantida pressão sobre eles.

*Com informações da CBN News.


leia mais

Israel bombardeia alvos do Irã na Síria
Síria – Estado vai controlar ensinamentos islâmicos
A ajuda que faz a diferença para as famílias da Síria