26.9 C
Vitória
sábado, 27 fevereiro 2021

Cristãos, um convite a “achatar a curva” do coronavírus

Existem contribuições únicas que podemos realizar para os preparativos do Covid-19. Cristãos, continuemos a ser uma “religião para os doentes”!

É raro experimentar um mal-estar global tão generalizado. De certa forma, o barulho da vida moderna foi derrubado pelo que C.S. Lewis chamou de “megafone de Deus”: dor. Os pacientes estão morrendo. As pessoas estão assustadas.

Não há problema em ter medo – nós também. No entanto, como cristãos este é um momento em que nossa resposta pode nos distinguir como pessoas que praticam o que antes era chamado pelos primeiros pagãos de “religião para os doentes”, ou cristianismo.

Queremos compartilhar algumas experiências da pandemia do Covid-19. E assim destacar as contribuições cristãs únicas de arrependimento, hospitalidade e lamento aos nossos preparativos para o novo coronavírus.

Arrependimento

A saúde é um bem em nossa sociedade. Assim, o profeta Jeremias falou da promessa de Deus de trazer saúde e curar feridas. Em Eclesiastes nos dizem que devemos nos deleitar com a saúde de nossa juventude. O apóstolo João orou pela saúde de seus leitores.

De fato, embora o coronavírus seja novo, ele não representa um novo medo. Apenas revela uma idolatria silenciosa e bem nutrida em relação à saúde de nossos corpos e nossa confiança na capacidade de nossas instituições médicas de nos salvar. O Ocidente está sentindo um de seus maiores ídolos tremer.

O teólogo ortodoxo Jean-Claude Larchet chega ao ponto de argumentar que os médicos constituem uma “nova classe sacerdotal”. “Encoraja os pacientes a considerar que tanto seu estado quanto seu destino estão inteiramente nas mãos do médico. E que a única maneira de suportar seu sofrimento é procurar passivamente a medicina por qualquer esperança de alívio ou cura”.

Achatar a Curva

A histeria em torno do novo coronavírus e nossa obsessão por “achatar a curva”. No entanto, o Salmo 82 e Romanos 15 deixam claro que adorar nosso próprio bem-estar, negligencia, nosso chamado aos fracos. Segundo os médicos, 99% da nossa população sobreviverá ao coronavírus. Mas “e o 1%?”

Nosso conforto não deve residir no fato de estarmos protegidos pela bandeira da paz epidemiológica. Nosso conforto reside no fato de que, mesmo se somos atingidos pelo coronavírus e morremos, nossa vida é conhecida e selada em Cristo.

Hospitalidade

O único cuidado com os doentes durante uma epidemia de varíola em 312 DC foi fornecido pelos cristãos. Isso é o que aponta o historiador Gary Ferngren. A igreja até contratou coveiros para enterrar aqueles que morreram nas ruas.

Se você interagisse com alguém com peste em 1350 ou com gripe espanhola em 1918, havia uma possibilidade real de que você a pegasse e morresse. A oração “e se eu morrer antes de acordar, imploro ao Senhor que minha alma tome” era um apelo real, não um ato noturno.

O novo coronavírus trouxe um pouco desse medo de volta às nossas vidas diárias. Mas os cristãos são um povo para quem a hospitalidade para com a minoria e os potencialmente infectados é uma virtude central. O primeiro protótipo do hospital surgiu de mosteiros medievais, em que freiras ou monges católicos abrigavam estranhos que precisavam de alojamento e alimentação. Essas instituições medievais estavam centradas na convicção de que servir ao estrangeiro sofredor era servir ao próprio Cristo.

No entanto, a nossa é uma cultura que trata a morte e o sofrimento físico como uma exceção a ser ignorada, e não como uma eventualidade para se preparar. Quando surgem doenças reais que ameaçam a vida, não devemos nos surpreender por não termos ideia do que fazer. Nós não praticamos por isso. Nós não criamos nossos filhos em torno disso.

O poeta metafísico John Donne escreveu: “Como a doença é a maior miséria, a maior miséria da doença é a solidão”. Talvez essa pandemia seja uma chance de nos acordar para a realidade de que estamos cercados de doentes isolados muito antes de o novo coronavírus nos encontrar em casa.

Ansiedade

O cristianismo reconhece que tanto o novo coronavírus quanto nossa resposta a ele através do distanciamento social tornam a igreja algo menos do que o seu eu. Se o distanciamento social é algo que devemos fazer, não devemos fazê-lo sem salmos de lamento.

De fato, é interessante que o coronavírus receba o nome de um anel cravado de proteínas em sua superfície que se assemelha a uma coroa, daí o título de “corona”. De muitas maneiras, o coronavírus está revelando as cabeças coroadas que já adoramos – saúde, autoproteção, remédios. Nossa atenção global e sustentada ao COVID-19 demonstra o que buscamos por ansiedade, controle e medo.

Certamente, sabemos que Jesus usava uma coroa diferente – uma que nos chama a adorar não por ansiedade ou controle, mas por um amor que afasta todo o medo. Essa coroa não torna esse momento do coronavírus menos sério; no entanto, diz-nos onde lançar nossas ansiedades, quem confortar e que coroa de espinhos lembrar.

*Da Redação, com informações da Christianity Today 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Justiça determina que AM use dinheiro de fundo de turismo para comprar vacinas

Hoje com cerca de R$ 150 milhões em caixa, para comprar vacinas contra a covid-19 Por Liege Albuquerque, especial para o Estadão (AE) A juíza federal...

Netanyahu vira estrela de campanha de vacinação

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu convoca a população israelense para se vacinar e para combater as fake news antivacina. Saiba mais!

Primeira vacinada na Bahia está com covid-19 antes de tomar a 2ª dose

O quadro clínico é estável, mas, com falta de ar, a enfermeira tem auxílio de oxigênio externo para respirar Por Fernanda Santana, especial para o...

Covas antecipa vacinação de idosos com 80 anos ou mais para sábado, 27

O anúncio ocorreu em uma coletiva de imprensa de novas medidas contra o avanço da pandemia da covid-19 Por Priscila Mengue (AE) O prefeito de São...

Guardado em silêncio: o papel dos cristãos no holocausto

Espetáculo, que aborda papel dos cristãos no holocausto será apresentado 14 vezes, entre março e abril, no formato de teatro online interativo

Chile vacina mais de 15% da população e lidera a corrida na América Latina

Em 21 dias, mais de 3 milhões de habitantes haviam recebido a vacina Por Fernanda Simas (AE) O bom planejamento na compra de imunizantes contra a...

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Voluntariado no exterior para jovens universitários; Saiba mais!

Organização IYF abre inscrições de voluntariado no exterior para jovens universitários A Organização International Youth Fellowship- IYF(comunhão internacional de jovens), é uma organização com base...

Franklin Graham no Brasil para o “Esperança Rio 2021”

Lançamento do "Esperança Rio 2021" será em Maio e em dezembro a ação evangelística, que terá participação do evangelista Franklin Graham. Saiba mais!

Deive Leonardo ministra em São Paulo fim de semana

O evangelista Deive Leonardo retorna com suas apresentações na capital Paulista nesta sexta-feira, 19 e neste sábado, em Barueri (SP). Saiba mais!

Começou a 23ª edição da Consciência Cristã; Saiba mais!

Consciência Cristã inicia hoje e reúne evangélicos para debater educação, fé, ciência e justiça social. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Natthália Gonçalves e sua admiração pelas histórias bíblicas

A atriz mirim, Natthália Gonçalves interpreta a personagem Chaya, na novela Gênesis, que é exibida pela TV Record

Deive Leonardo grava primeira série do ano em Florianópolis

Com o tema "Alvorecer", a primeira série gravada de Deive Leonardo promete levar a esperança de um recomeço e de um novo dia. Evento acontece no próximo sábado, 27. Saiba mais!

Cantora Amanda Wanessa sai da UTI

Pelas redes sociais, o marido da cantora, Dobson Santos contou que Amanda Wanessa foi transferida para o quarto: “o milagre está cada vez mais perto”, declarou. Saiba mais!

Deive Leonardo vai se apresentar em Brasília e Goiânia

O evangelista se apresenta na próxima terça-feira, 16, em Brasília e em Goiânia, prometendo trazer importantes reflexões para o público. Saiba mais!