21 C
Vitória
sexta-feira, 19 agosto 2022

Chocante! Obrigado a desenterrar o próprio filho; Veja vídeo!

Nazeer-filho-desenterrado-no-egito
Após 11 anos de batalha para manter Samer vivo, Mark Nazeer luta para deixar o corpo do filho sepultado perto de casa. Foto: Portas Abertas

A cena de um pai desenterrando o próprio filho no Egito foi dramática e registrada em vídeo para fins judiciais. Autoridades disseram que o local do sepultamento estava próximo a um cemitério muçulmano

Uma decisão judicial impôs à família do casal Mary Farag e Mark Nazeer um sofrimento triplicado pela morte do seu filho, Samer, de apenas 11 anos. Eles foram obrigados a desenterrar o corpo da criança, segundo a sentença, por ter sido depositado próximo a um cemitério muçulmano, no Egito.

O pai de Samer ficou sabendo da decisão depois que precisou obter a certidão de óbito do filho. Provavelmente, ao informar o endereço do túmulo, às autoridades consideraram que o corpo da criança havia sido enterrado próximo demais do cemitério muçulmano, o que não é aceitável pelo islamismo.

“O oficial me disse que eu não pegaria a certidão de óbito do meu filho até que o removêssemos do túmulo dele. Como cristão, ele não poderia ser enterrado tão perto de um cemitério muçulmano. Argumentei com eles, pois tínhamos comprado legalmente o terreno para servir de cemitério, mas voltei para casa de mãos vazias”, afirmou o pai.

Discriminação

A Missão Portas Abertas confirma que esse tipo de tratamento discriminatório em relação aos cristãos existe em vários países.

“Os cemitérios são geralmente controlados por líderes religiosos locais, que se recusam a enterrar cristãos que se convertem do islamismo. As famílias dos convertidos fazem grande pressão para que eles retornem ao contexto muçulmano, para assim garantirem a sepultura de seus pais, irmãos e filhos”, diz a entidade.

Nazeer chegou a ser preso por recorrer judicialmente da decisão que obrigou a sua família a desenterrar o corpo do filho. Eles tiveram que transferir os restos mortais da criança para um túmulo localizado a 100 km de distância de onde moram.

A hora do desenterro foi dramática. E, para fins judiciais, foi registrada em vídeo. “Simplesmente não consigo esquecer a visão do corpo do meu filho depois que o removemos do cemitério. Eu e meus outros filhos tivemos colapsos nervosos e não conseguimos dormir”, disse Mary, em relato à Portas Abertas.

Veja vídeo

*Com informações de Portas Abertas

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se