26.6 C
Vitória
terça-feira, 30 novembro 2021

Ela quer derrubar lei para não fotografar casamento gay

A fotógrafa cristã Emilee Carpenter está processando o Estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos, para não ter que trabalhar em casamentos de pessoas do mesmo sexo.

Ela entrou com uma ação federal nessa terça-feira (6) contra o estado de Nova Iorque, na tentativa de derrubar uma lei que poderia resultar em sua prisão por até um ano e multa de US$ 100.000, caso ela se recuse a trabalhar em casamentos do mesmo sexo.

A lei em questão proíbe “práticas discriminatórias ilegais” por causa da orientação sexual em “qualquer lugar de acomodação pública”. A lei não limita a definição de alojamento público a um espaço físico e inclui “estabelecimentos de varejo que lidam com bens ou serviços de qualquer espécie”, de acordo com a ação.

A fotógrafa é dona de uma empresa que oferece diversos serviços e é especializada em fotografia de casamento. Ela também é uma cristã que acredita na definição bíblica de casamento.

“Emilee acredita que Deus criou o casamento como um presente para pessoas de todas as religiões, raças e origens, para refletir a unidade e diversidade vistas no Pai, ​​Filho e Espírito Santo, e para apontar as pessoas para o sacrifício e amor redentor por Sua Igreja “, diz o processo. “Emilee celebra noivados e casamentos entre homem e mulher por meio do que ela fotografa, participa e publica, a fim de compartilhar o projeto de Deus para o casamento com seus clientes e com o público consistente com suas crenças.”

A Alliance Defending Freedom entrou com uma ação em seu nome, alegando que a lei viola a Primeira e a Décima Quarta Emendas, incluindo sua liberdade de expressão e livre exercício de religião.

A lei forçaria Emilee a “celebrar noivados ou casamentos com pessoas do mesmo sexo” e “promover mensagens” que “violam suas crenças religiosas ou exigem que ela participe de cerimônias religiosas que violam suas crenças religiosas”, diz o processo. A lei também restringe o que ela pode dizer em seu site sobre seus serviços, de acordo com a ação.

O processo diz explicitamente que Carpenter trabalhará com indivíduos LGBT e empresas de propriedade de LGBTs para criar “fotografias de marca”. Mas suas crenças religiosas a proíbem de fotografar casamentos do mesmo sexo, diz o processo.

“Profissionais criativos como Emilee devem ter a liberdade de criar arte consistente com suas crenças, sem medo de que o governo feche seus negócios ou os jogue na prisão”, disse o advogado da ADF Bryan Neihart. “Emilee serve a todas as pessoas; ela simplesmente não pode promover mensagens que contradigam suas crenças religiosas sobre qualquer assunto, incluindo casamento. O governo não pode tratar algumas pessoas pior do que outras com base em seus pontos de vista religiosos.”

Em 2019, a Oitava Corte de Apelações dos EUA e a Suprema Corte do Arizona ficaram do lado de artistas em casos semelhantes.

  • Com informações do ChristianHeadlines
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se