20.9 C
Vitória
sexta-feira, 23 julho 2021

Crianças apresentam resistência ao novo coronavírus? Saiba!

Especialistas ainda estudam o baixo índice de contágio nesse público, mas é importante ficar atento a qualquer sinal que os pequenos apresentem

Nessa quarta-feira (04), foi anunciado o diagnóstico do novo coronavírus (Covid-19) em uma criança, sendo o terceiro caso confirmado da doença no Brasil. Contudo, a comunidade médica ainda não tem explicação do motivo do baixo índice de contaminação nesse público.

Estudo publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China mostrou que até o dia 11 de fevereiro – última pesquisa realizada pela instituição – do total de pacientes infectados, 2% eram entre crianças e adolescentes de 0 a 19 anos.

Pediatra e especialista em saúde infantil, Jovarci Motta, destaca um dos motivos para a baixa incidência do coronavírus nos pequenos.  “Ainda não se sabe o porquê do vírus não se manifestar com tanta frequência nas crianças, mas elas possuem um sistema imunológico mais fraco, pois ainda está em desenvolvimento. Mesmo após o nascimento, a defesa do organismo é menor. É precoce inferir esses diagnósticos nesse momento”, explica.

O especialista reforçou que o vírus pode também ter um efeito mais brando no público infantil, bem como outras doenças. “Em algumas crianças as doenças, como a catapora, se manifestam em estágio mais grave. Por isso é necessário mais cuidado na detecção no sistema de saúde infantil”, ressalta.

Grávidas

As grávidas e puérperas – aquelas que deram à luz recentemente e estão em período de resguardo – costumam ser mais suscetíveis às doenças respiratórias por conta da baixa imunidade.

Segundo pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 147 mulheres analisadas, 8% desenvolveram um caso agudo da doença e 1%, crítico. Também não há nenhum relato de que o vírus seja transmitido no útero ou ao recém-nascido por meio da amamentação. Além disso, o Centro de Controle informou que todos os bebês que contraíram a doença se recuperaram muito rápido.

O pediatra alerta às gestantes que comuniquem imediatamente ao seu médico qualquer sintoma que seja parecido com o do novo coronavírus.

Sintomas

Pouco se sabe sobre a doença, mas os sinais e sintomas são semelhantes aos de uma gripe, que são: febre, tosse, falta de ar, dor de garganta e fraqueza. Em alguns casos, é possível que ela evolua, causando dificuldades respiratórias, levando a óbito.

O contágio ocorre por gotículas respiratórias provenientes de espirro, tosse, contato pessoal próximo, contato com superfícies contaminadas. Além disso, o vírus pode ficar encubado em superfícies e até mesmo no organismo por até 14 dias.

Prevenção

Apesar de não ter vacina ou tratamento específico, há formas de evitar a doença com simples hábitos. O infectologista, especializado no Instituto Emílio Ribas de São Paulo, Eduardo Pandini, conta que é necessário higienizar frequentemente as mãos.

“Pode ser feita com álcool-gel, álcool 70% ou água e sabão, principalmente depois de ir ao banheiro, espirrar, tossir ou tocar superfícies como maçanetas e corrimões”, diz o médico.

Pandini reforça a eficácia do álcool em gel no combate ao vírus. “O produto tem propriedades contra bactérias e vírus, pois os mata desnaturando as proteínas que os revestem. Tanto o álcool-gel quanto o álcool 70% têm essa propriedade, e que funciona melhor quando há uma quantidade de água junto”, observou.

Evitar compartilhar objetos entre as crianças é importante. – Foto: Getty Images

O pediatra Jovarci Motta acrescenta que o álcool também pode ser utilizado na higienização dos brinquedos e pertences das crianças, a fim de evitar a contaminação e disseminação do Covid-19.

Confira algumas dicas dos especialistas:

– Evitar levar as mãos aos olhos, nariz e boca após tocar superfícies;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies, inclusive celulares;

– Cobrir nariz e boca com um lenço descartável ou com a dobra do cotovelo ao tossir ou espirrar;

– Evitar contato com aglomerações e com pessoas doentes, e evitar contato com outras pessoas se você estiver doente;

– O uso de máscaras é recomendado apenas para pessoas que estão doentes (para evitar transmitir o vírus aos outros) e aos profissionais de saúde.

– Evitar o compartilhamento de brinquedos, teclados e outros objetos, pois podem conter fluidos corporais contaminados com vírus (secreção nasal, saliva).

*Com informações de ES Brasil

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se