Cresce a perseguição e a violência contra cristãos

Culto em igreja incendiada na Nigéria. Dos 4.136 mortos por serem cristãos no mundo, 90% foi na Nigéria. Foto: Portas Abertas

Pressões governamentais e sociais cresceram sobre a religião. Intolerância religiosa e extremismo em países islâmicos aumenta a perseguição aos cristãos no mundo

O assédio e a violência contra a igreja cristã têm aumentado globalmente. O Pew Research Center, um dos parceiros da Portas Abertas, publicou seu próprio relatório anual que afirma a mesma tendência geral.

Segundo o relatório, de 2007 a 2017, as restrições governamentais à religião: leis, políticas e ações de funcionários do Estado, que restringem crenças e práticas religiosas, aumentaram acentuadamente em todo o mundo.

Enquanto o relatório do Pew considere todas as fés, a Lista Mundial da Perseguição se preocupa com a igreja cristã. O Pew mede as pressões governamentais e sociais sobre a religião; a Lista Mundial da Perseguição mede a interação de vários “mecanismos” de perseguição em várias esferas da vida cristã, do pessoal ao nacional.

Seus métodos podem ser diferentes, mas a Lista Mundial da Perseguição e o novo relatório do Pew chegam a um ponto similar: os governos estão aumentando as restrições aos cristãos, e o número de países onde eles experimentam os mais altos níveis de pressão e intolerância religiosa está aumentando.

O relatório diz que a pressão e a hostilidade continuam altas no Oriente Médio e no Norte da África. Mas as áreas onde as condições estão se deteriorando mais rapidamente incluem a Europa e a África Subsaariana.

Perseguição

Segundo a Portas Abertas, existem mais de 245 milhões de cristãos perseguidos hoje no Mundo. A Lista Mundial da Perseguição foi criada há mais de 25 anos e pesquisa mais de 150 países, classifica os 50 países que mais perseguem cristãos no mundo.

Na semana passada, em Washington, nos EUA, representantes da Segunda Conferência Ministerial para o Avanço da Liberdade Religiosa, organizada pelo Departamento de Estado dos EUA, aprovaram uma declaração conjunta pedindo a revogação das leis anti-blasfêmia do Estado, que pretende proteger os cristãos de hostilidades e perseguições.

O que a declaração afirma é usado para intimidar as minorias religiosas. O Secretário de Estado dos EUA, Michael Pompeo, anunciou a criação da Aliança Internacional para a Liberdade Religiosa, para “reunir países de pensamento similar para enfrentar os desafios da liberdade religiosa internacional”.

Ele também anunciou o lançamento do Fundo Internacional para a Liberdade Religiosa para prestar assistência rápida às vítimas de perseguição em todo o mundo. “As vítimas dos atentados a bomba da Igreja da Páscoa no Sri Lanka são um exemplo”, disse ele.

Violência contra cristãos

Novas leis na China e no Vietnã buscam controlar toda a expressão da religião. Na China, é o pior em mais de uma década. Alguns até dizem que a Revolução Cultural terminou em 1976.

No Norte e no Cinturão Médio da Nigéria, pelo menos 3.700 cristãos foram mortos por sua fé – quase o dobro do número de um ano atrás (cerca de 2.000) – com aldeias completamente abandonadas por cristãos forçados a fugir, enquanto seus atacantes armados se movem para resolver, com impunidade.

Governos nacionalistas como a Índia e Mianmar continuam a negar a liberdade de religião para suas grandes minorias cristãs, enviando a mensagem muito clara de que, para ser indiano, é preciso ser hindu ou, para ser birmanês, é preciso abraçar o budismo.

A extrema perseguição também chega às mãos de milícias islâmicas radicais, como no Egito – onde o Estado Islâmico no Sinai prometeu em 2017 “acabar” a igreja cristã, bem como na Líbia, Somália e muitos outros países subsaarianos. O sudeste da Ásia tem visto suicidas na Indonésia atacarem três igrejas em um dia.

Globalmente, a perseguição também provém de familiares e amigos, de vizinhos e colegas de trabalho, de conselhos comunitários e funcionários do governo local, e da polícia e dos sistemas legais. Mulheres e meninas cristãs enfrentam mais pressão de perseguição nas esferas familiar e social; homens e meninos são mais propensos a sofrer o impacto da pressão das autoridades ou milícias.

Os 11 principais países da lista de 2019 têm um nível “extremo” de perseguição; o mesmo número de países que 2018, embora o Iraque tenha caído, principalmente devido à derrota territorial do Estado Islâmico e à diminuição do conflito armado no país. A Índia subiu de 11 no ano passado, o seu lugar mais alto de sempre, para o Top 10 deste ano.

Com a Índia em nível de perseguição “extremo” e a China em “severo”, duas das mais numerosas populações cristãs do mundo, uma em uma democracia secular, a outra em um estado comunista, enfrentam uma perseguição em larga escala – embora expressa de maneiras muito diferentes.

Números da perseguição

Das 4.136 mortes por fé cristã dos 50 países da Lista, a Nigéria sozinha representa cerca de 90% (3.731). E 29 países têm um nível de perseguição “severo”. E 33 países (classificados 41-73) marcaram um nível “alto” de perseguição.

“Temos evidências estatísticas para apoiar nossa experiência de que a perseguição está crescendo tanto em intensidade quanto no número de países e cristãos afetados. Esta lista não altera as tendências dos últimos anos; mas é ainda pior do que no ano passado”, disse Wybo Nicolai, que criou a Lista Mundial da Perseguição na década de 1990 e agora é chefe de serviços externos da Portas Abertas Internacional.

Os rankings baseiam-se em pesquisas de cinco esferas (ou categorias) de vida: privada, familiar, comunitária, nacional e da vida da igreja. Um sexto bloco, “violência”, corta todos os cinco e mede “violência” séria (incluindo privação de liberdade) para pessoas ou propriedades.

*Com informações de Portas Abertas


Leia mais

Não à tolerância religiosa e à discriminação
ONU cria dia para lembrar a perseguição religiosa