back to top
20.9 C
Vitória
domingo, 23 junho 2024

Cresce número de casais que preferem ter animais de estimação a ter filhos

Movimento conhecido como pet parenting reflete uma mudança nos padrões de vida e nas prioridades das famílias contemporâneas

Por Patricia Scott

Nos últimos anos, tem crescido o número de casais que optam por ter animais de estimação em vez de filhos. É o que revela a pesquisa Radar Pet, realizada pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan). Segundo o levantamento, 21% das casas com cachorros são de casais sem filhos. Esse percentual sobe para 25%, quando se trata de residências com gatos.

Esse movimento, conhecido como pet parenting ou parentalidade de animais de estimação, reflete uma mudança nos padrões de vida e nas prioridades dos casais. “Esse é um fenômeno relativamente recente”, pondera o pastor e psicólogo Valdir Regina, que é teólogo da Igreja Evangélica Luterana do Brasil.

Segundo ele, “o fato de marido e mulher terem de trabalhar para a subsistência da família, a partir do pós II Guerra Mundial e, sobretudo, na virada do milênio, levou a sociedade a rever conceitos”.  

- Continua após a publicidade -

O pastor destaca que até o século XIX e o início do século XX, a família, basicamente rural, necessitava de muitos filhos para ter maior mão de obra disponível para o trabalho. Com o êxodo rural, essa realidade mudou. “Outra mudança importante foi a inserção de mão de obra qualificada feminina no mercado de trabalho, resultando na diminuição da quantidade de filhos”, citou.

Valdir Regina destaca que, a partir de então, começaram a surgir muitos casais que não abrem mais mão de um bom nível de conforto, sem contar o comodismo de não terem de arcar com todas as obrigações de um processo de educação dos filhos, que é percebido como uma missão para vida toda.

“Há, entretanto, um vazio existencial. Marido e mulher trabalham fora, em lugares e horários diferentes, e a carência de afeto os leva a buscar um substitutivo. É aí que entra, fortemente, a figura dos pets”.

Atualmente, conforme ele observa, há uma tendência de casais que adotam animais e passam a chamá-los de filhos. Pela concepção bíblica, no entanto, filho é um ser gerado por um casal de humanos.

“Particularmente, não aprecio que pets sejam chamados de filhos. Animais são crias de animais. Também não saio, entretanto, julgando e condenando quem o faz. Se um cristão criticar essa decisão tomada por ‘pais de pets’, dificilmente será ouvido, quando tentar semear o Evangelho”, disse.

Modelo familiar

Para Wlaumir Souza, sociólogo e psicanalista, o fenômeno pet parenting está se tornando cada vez mais comum. Isso ocorre, segundo ele, devido às condições financeiras e ao encarecimento de ter um filho, além de uma mudança no modelo familiar.

“Nós estamos saindo do modelo da família nuclear familiar para a família pet familiar. Isso significa maior isolamento humano diante da incapacidade de comunicação e diálogo”, disse Souza, em entrevista ao Jornal da USP.

Dentro desse contexto, ele detalha que os animais não respondem, não questionam e são fiéis aos donos e, portanto, são mais fáceis no convívio. “Para ser exato, o tutor do pet não quer uma pessoa independente, com opiniões únicas e pensamento crítico, ele quer alguém que não o questione”, conclui Wlaumir. 

Necessidades diferenciadas

A veterinária Gabriela Castro destaca que o crescimento exacerbado do mercado pet tem contribuído para aumentar a humanização dos animais. “Porém, não é nada saudável tratar o seu pet como um ser humano de forma exagerada”, orienta. A especialista observa que é preciso entender que as necessidades dos bichinhos são diferentes da dos humanos.

Existem vários exemplos de humanização que são prejudiciais para os pets. “Eles precisam ser tratados com amor e carinho, mas sempre respeitando o que é ideal para a espécie”.

Sendo assim, “quando o pet é levado para passear, exclusivamente, em bolsas, colo ou carrinhos, sem ter contato direto com o chão, diminui o gasto diário de energia do animal. Assim, sem o contato com ambiente normal, há diminuição da socialização e até mesmo o estímulo à imunidade”, salienta a vterinária.

Gabriela também frisa que, ao vestir o bichinho com roupas, sem necessidade, pode gerar desconforto. Ela pontua, ainda, que oferecer alimentos que são para humanos pode causar problemas de saúde e torná-los seletivos aos alimentos ideais. Quanto à utilização de fortes perfumes nos pets, a veterinária diz que isso causa desconforto respiratório.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -