28.8 C
Vitória
segunda-feira, 8 agosto 2022

Congresso será iluminado para lembrar vítimas do Holocausto

Holocausto
Foto: Agência Brasil

É necessário recordar o Holocausto para que nunca mais aconteçam a intolerância, o desrespeito e a iniquidade.

Por Geila Salomão

Uma projeção com a frase “Holocausto Nunca Mais” estará iluminada a partir das 19h, nos prédios do Congresso Nacional, na noite de hoje (7), para lembrar os seis milhões de judeus e outras minorias exterminados pelo nazismo, em alusão ao Dia do Holocausto e do Heroísmo ou Iom HaShoá VehaGvurá (em hebraico).

A solicitação da projeção foi feita pela Confederação Israelita do Brasil (Conib). Este é o quarto ano em que o Congresso Nacional participa da iniciativa. A primeira projeção, em 2018, foi solicitada pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), então presidente do Senado, que também é judeu.

Para Francisco Cardoso, presidente da Congregação Judaica de Vitória “Chessed V’emet”, o Holocausto foi um dos mais terríveis acontecimentos históricos contra a humanidade. Milhares de seres humanos, na sua grande maioria judeus, foram perseguidos, torturados e mortos nos campos de concentração. Relembrar este horripilante genocídio traz lembranças que gostaríamos de esquecer, entretanto, o objetivo da projeção é manter viva a memória de seis milhões de judeus vítimas do nazismo, mas também para fazer com que a lembrança do Holocausto venha ajudar a combater as atrocidades cometidas em nome do antissemitismo e também do preconceito contra qualquer ser humano. Como expressou Edmund Burke: “Uma sociedade que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”.

Para Ilana Trombka, diretora-geral do Senado, a data, além de lembrar a existência do holocausto, também serve de alerta à sociedade para não permitir qualquer tipo de intolerância.

“É necessário recordar o Holocausto para que ele nunca mais aconteça. Não é para que nunca mais aconteça algo especificamente com o meu povo, porque eu sou judia. É para que nunca mais aconteçam a intolerância, o desrespeito e a iniquidade. É para que nós saibamos construir um mundo em que possamos respeitar as diferenças”, conclui.

  • Com informações da Agência Brasil

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se