Comissão vai ao Haiti avaliar situação de órfãos

O senador Magno Malta (PR-ES) propôs ontem a formação de uma comissão de senadores e deputados para visitar o Haiti, para avaliar os problemas enfrentados pelo país após o terremoto de janeiro passado. Segundo ele, a visita poderia abrir caminho para o Brasil ajudar mais a população haitiana, especialmente crianças que ficaram órfãs. A sugestão foi aceita pelos participantes de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) para discutir medidas para facilitar a adoção, por famílias brasileiras, de crianças órfãs haitianas. O embaixador do Haiti no Brasil, Idalbert Pierre-Jean, entende que a adoção em massa “deve ser evitada” e que o melhor caminho seria a permanência dos menores no país, com os familiares. Para o embaixador, retirar uma criança já traumatizada de seu meio social poderia causar novos problemas, incluindo dificuldades de adaptação ao novo país, mas defendeu a chamada adoção a distância. Participaram do debate as senadoras Patrícia Saboya (PDT-CE) e Rosalba Ciarlini (DEM-RN) e o presidente da CDH, senador Cristovam Buarque (PDT-DF).