DIP 2020: um grande clamor pelos ex-muçulmanos

Pessoas como o jovem africano Megersa, expulso de casa pela família muçulmana
O jovem Megersa foi abandonado pela família quando se converteu a Cristo. Crédito: Portas Abertas

Com o tema Cristãos ex-muçulmanos, o evento será realizado no dia 7 de junho e pretende reunir evangélicos em todo o Brasil

Sim, um grande clamor pelos ex-muçulmanos. O chamado é para todo o Brasil e dá tempo de se organizar para o Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2020.

Entre os 50 países em que os cristãos foram mais perseguidos em 2019 ao redor do mundo, 36 deles são de maioria muçulmana, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição, lançada anualmente pela Portas Abertas.

Dessa forma, a atenção no DIP 2020 estará toda voltada às pessoas que se converteram do islamismo ao cristianismo. Com o tema “Cristãos ex-muçulmanos”, o evento será realizado no dia 7 de junho e pretende reunir evangélicos em todo o Brasil.

Antes de mais nada, o objetivo é conscientizar a igreja brasileira sobre os desafios enfrentados por aqueles que decidem deixar a crença de toda a vida e de seus antepassados. Primeiramente de que Alá é o único Deus e Maomé é o seu profeta. Assim se convertem a Jesus.

Uma perseguição que não ocorre somente no Oriente Médio, como se poderia pensar. Afinal também ocorre no Norte da África, África Subsaariana, Ásia Central e Sudeste Asiático. Assim atinge quase 250 milhões de pessoas.

O jovem cristão Megersa (foto) é uma dessas pessoas que conhecem o peso da perseguição. Ex-muçulmano do Chifre da África, ele foi abandonado pela família quando se converteu a Cristo.

O que é DIP?

O Domingo da Igreja Perseguida (DIP) é um movimento nacional de oração em favor dos cristãos perseguidos, idealizado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas. Em síntese, estima-se que mais de 245 milhões de cristãos enfrentam algum tipo de perseguição.

Como participar?

Desde o lançamento do DIP até sua realização, em 7 de junho, serão disponibilizados materiais e vídeos para serem utilizados nas igrejas, tanto antes como no dia do evento.

Sua congregação pode fazer parte desse grande clamor. Primeiramente, pegue autorização do seu pastor. Logo depois, preencha o cadastro no site www.portasabertas.org.br/DIP  e o Portas Abertas te ajuda a preparar um tempo especial dedicado à Igreja Perseguida. Enfim, esse momento pode ocorrer durante alguma atividade da igreja, como culto ou escola bíblica dominical.

Vale destacar que para preencher o formulário de cadastro no site serão necessárias as informações do organizador. Bem como as da igreja onde se pretende realizar o DIP.

Alcançando a Coreia do Norte

Em 2019, o tema do DIP foi a Coreia do Norte, país que ocupa a primeira posição na Lista Mundial da Perseguição desde 2002, como o que mais oprime cristãos no mundo. Mais de 10.700 igrejas no Brasil mobilizadas em favor destes cristãos perseguidos. Pessoas orando e cultuando a Deus por aquele país.

A dura realidade dos cristãos perseguidos na Coreia do Norte impactou milhares de brasileiros em todas as faixas etárias. Na avaliação de Helândia Milon, da Igreja Batista em Campos Elíseos, Manaus/AM, o evento trouxe muito aprendizado à toda a igreja. “Fiquei muito sensibilizada com tudo o que vimos e conhecemos no DIP 2019 sobre a Coreia do Norte. O Espírito Santo está realmente acrescentando em nossas vidas o amor pela Igreja Perseguida e a responsabilidade da oração diária”, declara.

As crianças da Igreja Metodista Wesleyana, em São José dos Campos/SP, participaram do DIP Kids. Mostrar aos pequenos, desde já, a liberdade que temos no Brasil em ir à igreja e ter uma ou mais Bíblias em casa, impactou a vida de muitas famílias. “Nós temos liberdade de ir à igreja, falar de Jesus a nossos amigos, orar em público e ainda orar pelos cristãos que estão vivendo uma situação que os priva de liberdade. Temos que fazer a nossa parte, orar, contribuir e ajudar esses irmãos, que são parte do nosso Corpo”, destaca Priscila, a organizadora do DIP Kids.


LEIA MAIS 

Ex-muçulmano relata encontro com Deus 
Movimento de oração mundial pelos ex-muçulmanos 
Missionário garante que muçulmanos do Oriente Médio tem “sede do Evangelho”