32.1 C
Vitória
terça-feira, 7 abril, 2020

‘Igreja Copta’: cinco anos após execução de 21 cristãos

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Baixa no Boko Haram pode influenciar libertação de meninas de Chibok

O governo do Chade liderou uma ofensiva que matou extremistas e destruiu refúgios do Boko Haram. Saiba mais! 

PIB da China deve ter no 1º trimestre a primeira queda em 40 anos

O Produto Interno Bruto (PIB) da China deverá registrar no primeiro trimestre a sua primeira queda em quarenta anos, mostra o estudo "Perspectivas do Desenvolvimento Econômico Chinês pós-Covid-19 e impactos para a economia brasileira"

Morre o pai do pastor Cláudio Duarte

Em sua conta no instagram, Cláudio Duarte lamentou a morte do pai, Hartenor Leopoldino Duarte, 87 anos

Boris Johnson é transferido para UTI

O líder conservador, Boris Johnson, 55 anos, anunciou em 27 de março que seu teste para o coronavírus tinha dado positivo O primeiro-ministro britânico Boris...

Como a Igreja Copta reagiu após esse ato hediondo de violência: o que os crentes ao redor do mundo podem aprender com a instituição após esses anos?

Há cinco anos o ISIS executou 21 cristãos coptas em uma praia Líbia. Os executores mascarados, estavam de preto atrás dos homens, que se ajoelhavam em uma fila vestindo macacões laranja. Na época, o Estado Islâmico divulgou um vídeo de seus assassinatos, que reverberaram ao redor do mundo.

Esse ato de violência em particular chamou a atenção de milhões de pessoas. Os cristãos egípcios há muito tempo sofrem perseguições, diz o arcebispo Angaelos, que serve em Londres.

“Nunca caímos em um estado de vitimização ou triunfalismo. Não é o fim do caminho, porque há uma ressurreição que vem depois da cruz e da tumba vazia. E assim é nessa esperança que continuamos a viver. E é nessa esperança que continuamos carregando essa cruz, sabendo que ela será removida de nós”, disse Angaelos.

O arcebispo se lembra do dia em que soube das notícias.

Quais são algumas características distintas do cristianismo copta?

Arcebispo Angaelos: A palavra “copta” significa apenas egípcio. Seus ouvintes estarão mais familiarizados com igrejas. A igreja ortodoxa copta é apenas a igreja ortodoxa egípcia – é por isso que sempre usei o termo “ortodoxo” também no título. O cristianismo foi estabelecido no primeiro século por São Marcos, o evangelista e escritor do segundo evangelho, e houve uma presença ininterrupta da vida e testemunho cristão no Egito desde então.

A igreja representa cerca de 15% da população do Egito, que é cerca de 15 milhões. Tragicamente, todos os 15% dos cristãos na população do Egito agora representam cerca de 80% de todos os cristãos no Oriente Médio. A igreja ortodoxa copta é uma igreja das escrituras, usando o Antigo e o Novo Testamento.

É uma igreja sacramental e tradicional, confiando nos escritos dos pais. Realmente é muito mais familiar do que eu acho que muitas pessoas explicariam se estivessem seguindo na igreja tradicional.

Você pode nos levar de volta a cinco anos atrás.  Como soube da história desses 21 cristãos coptas?

Lembro-me muito bem do dia. Era domingo. Era 15 de fevereiro. Eu fiz uma liturgia pela manhã e tive vários cultos e estava em uma visita pastoral em Londres. Durante o dia, estávamos recebendo informações de várias fontes. O Ministério das Relações Exteriores do Egito divulgou algo sobre esses homens terem sido mortos. Eu estava ligando para o nosso escritório no Cairo, tentando obter uma imagem completa.

Naquela noite recebi uma ligação de uma rede de notícias que dizia: “Bem, você sabe, esses 21 foram mortos?” E eu disse: “Não, não. Temos ouvido tudo isso. Nada está confirmado. Eles disseram: “Não, nós temos o vídeo. Agora está confirmado. E eles me pediram para entrar para uma entrevista, e eu lembro de sair imediatamente e ir para essa entrevista.

Entrei nesta entrevista e fui convidado para outra entrevista. “Aqui está o bispo da igreja ortodoxa copta, dos quais 20 irmãos morreram e seu amigo, um ganês, e ainda assim ele está falando sobre perdão”. Nas 24 horas seguintes, acho que fiz cerca de 35 entrevistas consecutivas entre televisão, rádio, imprensa e muitas delas focadas no ponto de perdão.

E acho que essa foi uma maneira de expressar nossa espiritualidade e teologia. Somos uma igreja muito arraigada em seu martírio. Você sabe, começamos nosso calendário copta em 284 dC, que foi o reinado de Diocleciano, sob o qual sofremos a pior onda de martírio no Egito.

Quando as congregações coptas ouviam esse lembrete de nosso chamado para perdoar e amar nossos inimigos, havia um senso de unidade que surgia em torno disso? 

Eu acho que foi a primeira coisa divulgada pela igreja sobre o que havia acontecido. E eu realmente acho que deu o passo para todo mundo e todo o resto. E porque foi aceito de forma esmagadora, lembrou às pessoas que é assim que devemos agir.

A mensagem cristã é poderosa. E é isso que podemos dar ao mundo. Que mesmo com esse pano de fundo, nós não, não podemos e não odiaremos. Nossos corações não podem ser mudados pelo que estamos experimentando.

Fora da igreja esse ato de perseguição foi tratado um pouco diferente. Como foi dentro da igreja? Como estão essas famílias hoje, cinco anos depois?

Eles ainda são os mesmos. Uma das coisas que teve maior efeito não foi apenas o que aqueles homens fizeram, é o que suas famílias fizeram. E quando temos as famílias imediatas reagindo dessa maneira, com perdão, isso define o clima para todo mundo. E permite que todos compartilhem o poder e a libertação desse perdão.

Houve uma história particular de algum dos homens que ressoou com você?

Como eu disse, os 21 eram trabalhadores. Eles estavam trabalhando para apoiar famílias muito pobres e vilas muito pobres. Eles não foram como missionários. E não esperavam estar testemunhando de forma alguma. E, no entanto, foram capturados, mantidos por um longo período de tempo pelo califado. Eles tentaram fazê-los se converter. E isso não foi possível.

Suponho que aquele que ainda permanece muito em minha mente é Matthew, que é o amigo ganês. Porque Matthew aparentemente não tinha família ou ninguém que o reivindicasse. Havia uma uniformidade em todos eles, e apenas nos olhares um para o outro, era possível ver que eles estavam ministrando um ao outro também.

A Igreja Ortodoxa Copta reservou o dia 15 de fevereiro como comemoração dos mártires contemporâneos de nossa igreja – porque desde então, como você deve saber, tivemos bombardeios de igrejas e tiroteios, pessoas que foram alvo de alvos. Mas esse dia, marcado por aqueles homens na Líbia, tornou-se um dia em que toda a igreja comemora todos os nossos mártires contemporâneos que perderam suas vidas e que, infelizmente, continuarão perdendo suas vidas.

Embora a perseguição e o martírio sejam uma realidade de nossa fé, não é algo que somos chamados a procurar. Você pode falar mais sobre isso?

Alguns foram embora, os relatórios dizem que cerca de 200.000 ou 300.000 nos últimos oito ou nove anos, provavelmente. Mas quando você está falando de 15 milhões, é uma proporção muito pequena. Temos uma igreja muito ativa nas lentes da imigração. Nossa maior presença seria na América do Norte entre os Estados Unidos, principalmente, mas também no Canadá, depois na Austrália e em toda a Europa, em todo o Golfo.

Os cristãos no Egito não querem necessariamente sair porque têm uma conexão tão grande com suas igrejas, sua herança. É uma grande reunião. É uma igreja viva. É próspero, continua a testemunhar, tem um forte movimento monástico, um forte fundamento bíblico, e os cristãos no Egito se vêem como povos indígenas do Egito.

O governo do Egito oferece proteção aos cristãos coptas?

O governo está fazendo o que pode. Mas não estamos procurando por proteção. Estamos à procura de uma cidadania igual. Não queremos ser protegidos. Não queremos ser tratados de maneira diferente com mais ninguém.

Acho que houve uma islamização muito clara do Egito nos últimos 70 anos. Tudo isso começou em meados dos anos 50, com a primeira revolução, e houve uma mudança de um Egito religioso, embora culturalmente secular, para um Egito muito islamizado – que na verdade afetou os muçulmanos ainda mais do que os cristãos, porque temos registros de cristãos e muçulmanos vivendo muito bem juntos antes desse estágio, mas quase parecia haver uma nova maneira de viver um tipo diferente de Islã que se tornou um molde muito mais rígido. E se você não se encaixava nesse molde, ficava no caminho.

O governo no momento está tentando corrigir um pouco disso. Mas continuamos esperançosos de que, se permanecermos fiéis, as coisas mudarão à nossa volta.

Até que ponto a igreja copta teve sucesso em ajudar as comunidades imigrantes a permanecerem conectadas à sua fé?

A primeira é que nós, nos últimos cem anos, tivemos um movimento muito forte na escola dominical. Também temos um ministério de jovens muito forte, por isso mantemos os jovens envolvidos. Então esse continua a ser o caso, e acho incrivelmente eficaz e poderoso.

Que lição seria útil para o resto de nós quando procuramos viver nossa fé?

Bem, a lição que eu sei como cristão é que, não importa quanto tempo, ou quão sombrio, ou quão frio ou opressivo seja a noite, é sempre seguida pelo amanhecer. Sempre existe o outro lado da transgressão, sempre o outro lado. E estamos nas mãos de um Deus poderoso, que não apenas nos criou, mas nos ama até a morte e nos dá ressurreição.

E não quero dizer isso de uma maneira triunfalista, porque não há nada pior do que um cristão arrogante e presunçoso – não está se tornando, não é gracioso -, mas quero dizer isso como parte de quem somos. Essa é a realidade de quem somos, e essa é a realidade de conhecer nossas forças, mas não os exibir de uma maneira que se torne pouco graciosa diante dos outros.

Como seguidores de Cristo, sabendo que esta é a nossa cruz, não estamos surpresos, porque sabemos que a mensagem de Cristo é ofensiva para alguns. Não intencionalmente tento ofender vivendo fielmente minha fé, mas é ofensivo para alguns, e isso gera todos os tipos de reações.

Você poderia nos dar algumas maneiras pelas quais nossos ouvintes oram pela igreja copta hoje?

A igreja ortodoxa copta não é apenas uma parte exótica e estrangeira de um país distante. Suas irmãs e irmãos na Igreja Ortodoxa Copta também são membros do corpo de Cristo como seus ouvintes. E acho que é assim que não devemos orar um pelo outro como pessoas distantes ou remotas, oramos um pelo outro como irmãs e irmãos.

Em segundo lugar, oramos por pessoas que sofrem diariamente lutas. Também oramos por pessoas que são intencionalmente marginalizadas, principalmente por causa de sua fé, e depois por aqueles que pagam o preço máximo com suas vidas. E, finalmente, peço que ore por nossa igreja, como qualquer igreja, para que possamos permanecer fiéis, resilientes e relevantes ao servir nosso rebanho e depois servir ao mundo inteiro.

*Com informações da Christianity Today 

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Live: “As perguntas cruciais a serem respondidas na crise”

Um dos 25 melhores CEO’s dos EUA, Craig Groeschel fará nesta quinta-feira (02), às 10h30, uma Live exclusiva para o Brasil com tradução simultânea

Vigília online ‘Há uma Luz’: um clamor contra o covid-19

Para levar paz e esperança à população afetada pela pandemia global da Covid-19, a plataforma cristã, InChurch, organizou a vigília online “Há uma Luz” nesta quarta (1º).

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Conheça as novas artistas da Sony Music

Amanda Loyola, que é capixaba, foi destaque do quadro de Jovens Talentos do Raul Gil e Thais Castro, que é líder do ministério de louvor da igreja Por Amor de São Bernardo do Campo (SP). Agora as duas integram o time Sony Music

“Deus nos poupou”, desabafa Soraya Moraes

Em suas redes sociais, a cantora Soraya Moraes fez um desabafo da cura do marido de covid-19. Ela também revelou que estar curada da doença

Vencendo o medo é tema de campanha da SBB

Nesses tempos difíceis que o Brasil e o Mundo têm enfrentado, a Sociedade Bíblica do brasil quer levar Esperança às pessoas. Por isso, foi lançada a campanha de evangelização "Vencendo o Medo", com o objetivo de compartilhar a Palavra de Esperança.

Danilo Franco traz o pop pentecostal em “Confio em Deus”

Em tempos de isolamento social, a mensagem da canção "Confio em Deus", de Danilo Franco, pode fazer grande diferença na vida de milhares de pessoas.