Cidade milenar é descoberta no centro de Israel

Cidade de cinco mil anos (Foto: Assaf Peretz, Israel Antiquities Authority)
Cidade de cinco mil anos (Foto: Assaf Peretz, Israel Antiquities Authority)

Cidade milenar é descoberta em Harish, no centro de Israel e pesquisadores reconhecem que local pertenceu a Idade do Bronze

No último domingo (6) o Ministério de Turismo de Israel divulgou a descoberta de uma cidade de cinco mil anos. A descoberta aconteceu durante as escavações da Autoridade de Antiguidades de Israel. Assim, a investigação durou cerca de dois anos e meio na região de Ein Iron.

De acordo com pesquisadores, essa é a maior e mais central cidade já descoberta no país, revelando uma área estendida de 650.000 m², com seis mil habitantes.

As escavações aconteceram no sítio arqueológico de En Esur, localizado perto de Wadi Ara, e iniciaram antes das atuais construções da expansão da cidade de Harish, distrito de Harifa, em Israel. O projeto de escavação é financiado pela Netivei Israel Company.

Foi descoberto que a cidade milenar possuía muro de fortificação, áreas residenciais, públicas, ruas e becos. Segundo pesquisadores a cidade foi planejada na Idade do Bronze. 

NOVAS DESCOBERTAS

Durante as escavações, um assentamento ainda mais antigo foi descoberto sob as casa dessa cidade. Assim, a descoberta contempla uma cidade de sete mil anos, que estão em uma região de nascentes abundantes, e que tornaram a região atraente.

A descoberta muda drasticamente o que se sabia sobre o período e o começo da urbanização em Israel. Antes de mais nada, os diretores das escavações, Itai Elad, Dr. Yitzhak Paz e Dra. Dina Shalem, reconheceram isso. 

Atualmente a população rural dá lugar a uma sociedade urbanizada em Israel. Assim, nas áreas públicas da cidade, arqueólogos realizaram novas descobertas.

TEMPLO MILENAR

A princípio, um templo de rituais incomum, onde eram realizados rituais religiosos também foi descoberto.

No interior do templo foi encontrada uma instalação contendo osso de animais, ofertas de sacrifício, estatuetas raras, entre outros.  Dessa forma, foi permitido a definição de características culturais dos habitantes da época. De acordo com pesquisadores a terra era utilizado para cultivo devido a presença de nascentes na região.

Ademais, restos de casa, instalações variadas e edifícios públicos são indicação de uma sociedade organizada e de hierarquia social na época. Além disso, a escavação revelou milhões de fragmentos de cerâmica, ferramentas, vasos de pedra, de basalto no local, entre outras coisas.

Segundo Autoridade de Antiguidades de Israel IAA, foram realizadas mudanças de planejamento para proteger a descoberta. Assim, ruínas arqueológicas serão estudadas, investigadas e documentadas. Segundo pesquisadores do IAA, a área será preservada para gerações futuras. 

Aproximadamente cinco mil adolescentes e voluntários participaram das escavações como parte do Projeto de Compartilhamento de Herança da Autoridade de Antiguidades de Israel, que visa criar uma conexão emocional e experimental com o passado e o patrimônio cultural. Dessa forma, desenvolvendo um sentimento de pertencimento à terra e uma conscientização sobre a importância de preservar suas antiguidades.


LEIA MAIS

Descoberta arqueológica traz evidências da perseguição aos cristãos pelos persas
Descobertos selos raros do período do Templo de Salomão
Projeto pretende unir e decifrar fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto