Chuck Bentley: “convidar a Deus é a decisão mais importante”


Presidente do Crown Financial Ministries, o americano Chuck Bentley dedica sua vida a ensinar os princípios financeiros bíblicos para as diversas classes sociais. Ele lidera uma entidade com 38 anos de história e que atualmente está presente em todos os continentes com materiais e livros que tem impactado famílias, igrejas e empresas através do ensino bíblico sobre como administrar as finanças. Apresentador do programa de rádio diário “Money Life”, que é sucesso nos EUA, Bentley também é o diretor-executivo do projeto “Deus Provedor”, uma série de filmes criada para transmitir os princípios financeiros da generosidade e também sustentabilidade por meio de histórias bíblicas. Comunhão traz para os seus leitores uma entrevista com esse especialista em finanças, que tem levado pessoas de todo o mundo a entenderem o propósito de Deus em suas vidas.

Como e quando se especializou na área de finanças?
Minha vida foi drasticamente impactada em 1999, quando participava de um estudo bíblico em casa que o Crown Financial Ministries produz sobre o tema de finanças pessoais. Apesar de ter um diploma universitário em Negócios, não tinha ideia de que a Bíblia poderia ser um guia completo sobre como administrar o dinheiro e tomar decisões financeiras sensatas. Eu estava tão impactado por essa descoberta que dediquei minha vida para me tornar um guardião, um mordomo fiel, e pedi a Deus para me usar em Seus propósitos. Nos últimos 14 anos,tive o privilégio de aprender mais e mais dos princípios financeiros de Deus, todos os dias.

Em que ponto percebeu que a Bíblia é um importante guia sobre finanças?
Antes de começar a estudar e memorizar as Escrituras, pensava a questão das finanças de forma completamente equivocada. Eu pensava que era o dono do meu dinheiro e que deveria dar a Deus 10% do que ganhava. I Crônicas 29:11-12 deixou muito claro que Deus é dono de tudo e que eu sou um administrador temporário do Seu dinheiro. “Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é Teu. Teu, ó Senhor, é o reino; Tu estás acima de tudo. A riqueza e a honra vêm de Ti;Tu dominas sobre todas as coisas. Nas Tuas mãos estão a força e o poder para exaltar e dar força a todos”. Esses versículos mudaram toda a minha perspectiva sobre dinheiro. Eu não era um proprietário, mas um administrador temporário para gerir o dinheiro de Deus.

Que passagens gosta de citar da Palavra em suas palestras quando está falando de administração do dinheiro?
A Bíblia possui mais de 2.500 versículos específicos para dinheiro e bens, por isso é difícil de ser específico com apenas alguns. No entanto, se pudesse escolher uma passagem, eu escolheria Lucas 16:10-13: “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco também é desonesto no muito. Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem confiará as verdadeiras riquezas a vocês? E se vocês não forem dignos de confiança em relação ao que é dos outros, quem lhes dará o que é de vocês?” Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”. Essa passagem está cheia de verdade sobre o gerenciamento de dinheiro. Primeiro, Deus espera que sejamos honestos nas mínimas coisas, e se formos, podemos ser confiáveis nas maiores. Em segundo lugar, Deus promete verdadeiras riquezas para aqueles que são fiéis guardiões do dinheiro. E, finalmente, temos de proteger os nossos corações, para termos certeza de que estão comprometidos com Deus, e não com o dinheiro.

Como apresentador do “Money Life”, o senhor fala diariamente sobre questões relativas ao dinheiro. Quais os benefícios de ser organizado com as próprias finanças?
Há muitas vantagens em ser financeiramente saudável. É impossível ser espiritualmente livre quando estamos vivendo em escravidão financeira. O Senhor quer que Seu povo seja livre para que Ele possa nos conduzir e guiar para os Seus propósitos. E quando nós eliminamos os problemas financeiros, também livramos nossas vidas do estresse e preocupação causados por eles. Isso abre nossos corações para servir a outras pessoas. E finalmente, podemos ser muito mais generosos quando não estamos com dívidas ou pagando juros de empréstimos.

Além do sexo, muitos divórcios são causados por problemas relativos às finanças. Qual é a importância da comunicação entre marido e mulher também no que se refere ao dinheiro da família?
Comunicação sobre o dinheiro é muito importante entre marido e mulher. Dinheiro requer decisões financeiras quase todos os dias, por isso há muitas oportunidades para conflitos e desentendimentos.Muitas vezes, uma pessoa no casamento é mais cautelosa, enquanto a outra aceita correr riscos. Nossas personalidades não podem ser ignoradas a respeito da forma com que influenciam as nossas decisões. Em nossa casa, por exemplo, minha esposa Ann, é orientada mais a querer segurança, e eu gosto do risco. Por isso, criamos um sistema de comunicação de decisões financeiras, que torna mais fácil concordarmos e respeitarmos as diferenças de cada um.

Como evitar se dominar, mas sim ser senhor do dinheiro? Como o homem pode parar de trabalhar pelo dinheiro e fazer com que o dinheiro trabalhe em favor dele?
A Bíblia nos diz que devemos ter um Mestre: Jesus Cristo. Nunca deveremos ser os nossos próprios mestres, ou permitir que o dinheiro domine nossas vidas. É por isso que a Bíblia nos avisa sobre a dívida. Provérbios 22:7 diz: “ O rico domina sobre o pobre; quem toma emprestado é escravo de quem empresta”. Quando carregamos dívidas excessivas, nos tornamos como um escravo para o credor. Ser livre da dívida é importante para evitar a escravidão ao dinheiro. Os passos para ser capaz de parar de trabalhar por dinheiro e sim colocar o dinheiro para trabalhar são: viver com menos do que você ganha; honrar a Deus com os primeiros frutos de sua riqueza, sendo generoso; guardar uma pequena quantidade de dinheiro a cada mês; pagar todas as dívidas e evitar novas; e finalmente, usar suas economias para começar a investir em coisas que você entende como um pequeno negócio.

Como nasceu o projeto “Deus Provedor” e qual é o balanço dele?
“Deus Provedor” surgiu quando percebemos que precisávamos de uma ferramenta para alcançar as pessoas que não podiam ou preferiam não ler. Cerca de metade da população do planeta (3 bilhões de pessoas) prefere aprender através de histórias compartilhadas oral ou visualmente. Nosso desejo era fazer uma série de filmes para chegar a esse segmento da população do mundo. Desde o seu lançamento, a série foi traduzida para vários idiomas e é distribuída por meio de parcerias em todo o mundo. Muitas pessoas relatam ter sido impactadas por uma ou mais das histórias vistas na série, seja através de pequenos grupos religiosos, transmissões via satélite ou em uma aldeia remota, onde o material é mostrado com um projetor de filmes em um teatro ao ar livre.

Um de seus livros fala sobre os piores erros financeiros da Bíblia e ensina como evitá-los. Poderia citar alguns desses erros?
A Bíblia está cheia de histórias de pessoas que cometeram erros financeiros terríveis. Essas histórias vão do Gênesis ao Apocalipse. Em meu estudo desses erros, percebi que a maioria deles envolve a nossa atitude de coração e motivos. Na parábola do Filho Pródigo, o filho exigiu sua herança de seu pai antes do tempo adequado. Esse foi o primeiro erro financeiro do filho, que era ganancioso e desrespeitoso para fazer tal pedido. Essa atitude egoísta levou ao seu próximo erro, que foi desperdiçar tudo o que recebeu. Ainda hoje, todos nós lutamos com a ganância e o egoísmo, e alguns até mesmo fazem exigências de Deus. É importante lembrar que Deus quer que nós O amemos e amemos os nossos vizinhos. Esse é o grande mandamento. Exigir riquezas para nossas próprias necessidades é o oposto de amar os outros.

Em suas palestras, você teve contato com famílias, igrejas e empresas de vários países no mundo. Há diferenças entre as preocupações relativas ao dinheiro de acordo com a nacionalidade?
Sim, as culturas têm diferenças nas maneiras que lidar com dinheiro e, normalmente, um conjunto diferente de problemas com dinheiro. Em algumas nações, as pessoas colocam uma grande ênfase na economia de dinheiro, outros têm uma ênfase em gastar dinheiro e alguns não acreditam no valor do trabalho duro. Algumas nações lutam e têm prosperidade, enquanto outra luta e tem que lidar com a pobreza. A Bíblia aborda as atitudes e as ações que são exigidas de um mordomo fiel. Tem sido a minha alegria ver que os princípios de Deus podem ser aplicados em todo o mundo, independentemente do fato de as pessoas terem muito ou pouco dinheiro, ou de possuírem formas muito diferentes de lidar com ele.

Qual é a sua expectativa da vinda ao Brasil? O que espera encontrar?
Eu retorno ao Brasil para servir com a nossa parceira, Universidade da Família. Nosso objetivo é treinar mais líderes, que irão utilizar nossas ferramentas e recursos para criar bons e fiéis mordomos nas famílias das igrejas. Esperamos ver o maior número possível de líderes, para equipá-los e incentivá-los a servirem outros pelo país.

Qual é o seu ponto de vista a respeito de dízimo?
Eu creio que o Senhor estabeleceu o dízimo no Velho Testamento, como uma lei ou norma para treinar Seu povo a dar 10% da renda para fazer avançar o trabalho da Igreja. No Novo Testamento, não estamos sob a obrigação legal de dar. No entanto, creio que o Senhor quer que observemos esse padrão de dízimo de 10% como mínimo de nossa doação. E também para dar ofertas acima e além do nosso dízimo quando surgem as necessidades e oportunidades.

E em casa, em que momento o pai pode começar a falar com o filho sobre a responsabilidade com o dinheiro?
É importante começar a ensinar as crianças sobre a administrar o dinheiro a partir dos 3 anos de idade. A criança pode aprender muitas lições sobre como poupar, gastar, orçar, doar e trabalhar. A Bíblia diz que devemos compartilhar os princípios de Deus em nossa casa, do momento em que levantamos até o momento em que nos deitamos. É para ser um tempo de contínuo aprendizagem e partilha com os nossos filhos. Eles também aprendem muito com o que observam e com o que dizemos.

Qual é a importância de se convidar o Pai para as decisões envolvendo o dinheiro?
Convidar a Deus para ajudá-lo com suas finanças é a decisão mais importante de todas. Deus e Seus princípios trabalham para nos mostrar como podemos evitar erros, progredir para escapar da escravidão financeira e como podemos aplicar a Sua verdade a nossa cada escolha financeira. Essa decisão vai lhe dar uma grande paz e alegria. Ele está sempre disposto a nos conduzir em nossas finanças. Não se envergonhe se você tiver cometido erros. Deus é misericordioso. Ele virá ajudá-lo, basta que você O convide.

Pare de trabalhar pelo dinheiro e coloque o dinheiro para trabalhar por você:
• Viva com menos do que você ganha
• Honre a Deus com os primeiros frutos de sua riqueza
• Poupe uma pequena quantidade de dinheiro a cada mês
• Pague todas as dívidas e evite novas
• Procure se informar ao investir

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!