back to top
21.6 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

China considera investir em operações para retomada de Taiwan

O posicionamento beligerante ocorre um dia depois de o governo chinês anunciar que aumentará os gastos militares em mais de 7,2%

No segundo dia do Congresso Nacional do Povo, o evento político anual mais importante da China, comandantes do Exército afirmaram que o país deve fortalecer seus investimentos em combate urbano e melhorar sua capacidade estratégica e de logística para tomar Taiwan – ilha considerada território separatista por Pequim.

“As Forças Armadas devem melhorar sua capacidade estratégica para realizar a reunificação nacional”, disse o general Ma Yiming, que também é deputado do Partido Comunista. “A China deve fortalecer a pesquisa sobre questões específicas, como operações urbanas e apoio.”

O posicionamento beligerante ocorre um dia depois de o governo chinês anunciar que aumentará os gastos militares em mais de 7,2% este ano e alertar para a elevação de ameaças em várias frentes, entre elas Taiwan e a intensificação da rivalidade com os EUA.

“Devemos concentrar nossos esforços nos preparativos para a guerra”, afirmou Zhang Youxia, vice-presidente do Comitê Militar Central, órgão do Congresso do PC responsável por definir as diretrizes das Forças Armadas.

- Continua após a publicidade -

Os comentários refletiram os do premiê, Li Keqiang, em relatório apresentado ontem. “As Forças Armadas devem intensificar o treinamento militar e a preparação em todos os setores”, disse.

Disputa

Pequim vê Taiwan como parte da China e nunca descartou o uso da força para retomar o controle como parte do “grande rejuvenescimento da nação chinesa” até 2049, ano do centenário do governo comunista da China. A maioria dos países, entre eles os EUA, não reconhece a ilha como um Estado independente.

Um estudo apresentado no começo do ano no PLA Daily, diário oficial do Exército, cita o aumento de investimentos em preparativos para a “guerra urbana” em Taiwan. “Criação de cidades fictícias nas bases de treinamento incluíram estruturas semelhantes ao prédio do Gabinete Presidencial em Taipé e o estudo do uso de drones na guerra urbana”, afirma o artigo. “As cidades fornecem um novo campo para o uso em larga escala de forças de combate não tripuladas devido ao seu complexo ambiente social e condições de combate restritivas”, diz o artigo.

Na última década, o Exército “aumentou seu treinamento e preparação para guerras urbanas”, nas quais tem “experiência limitada”, disse um relatório do Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos EUA. “A reunificação com Taiwan poderia envolver combates intensos nas cidades taiwanesas, uma campanha arriscada, dado que mais de 90% da população de Taiwan vive nas cidades”, alertou o texto.

Guerra urbana

Para analistas, a guerra urbana na Ucrânia serviu como “lição. “O combate urbano é parte de uma tendência global impulsionada pela experiência da Rússia na Ucrânia, onde as batalhas urbanas foram destrutivas e difíceis de vencer”, disse James Char, especialista militar da Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Cingapura.

Os gastos militares da China estão em 2% do PIB, menos que os 3% dos EUA. “A maior parte serve para aumentar o salário das tropas, financiar treinamento e obter equipamentos mais avançados”, disse Char.

A China destinará US$ 225 bilhões para sua Defesa em 2023. É o segundo orçamento militar mundial atrás do dos EUA, três vezes maior. Outros países da região aumentaram seus orçamentos militares, como a Coreia do Sul (+4,4%) ou a Índia (+13%). O Japão pretende dobrar seu orçamento militar para 2% do PIB até 2027.

Segundo o Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês), os EUA são o país com maior gasto militar, com US$ 801 bilhões (R$ 3,9 trilhões) em 2021, data dos dados mais atualizados.

Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -