Centenário do nascimento de Nelson Mandela

Foto: Reprodução Web

Madiba faria 100 anos, se estivesse vivo, e se destacou pela luta não violenta contra o apartheid na África do Sul, ficando preso por 27 anos

O mundo celebra nesta quarta-feira (18) o centenário de Nelson Mandela, um dos maiores líderes do século 20. Por sua contribuição à luta antirracista, o 18 de julho foi transformado pelas Nações Unidas (ONU) no Mandela’s Day: o Dia Internacional Nelson Mandela – pela liberdade, justiça e democracia.

O primeiro presidente negro da África do Sul teve papel determinante no fim do sistema de segregação racial conhecido como “apartheid”. O líder sul-africano completaria 100 anos nesta quarta (18). O homem, também chamado de Madiba, nasceu livre para correr pelos campos ao redor da cabana onde morava. Porém, passou 27 anos atrás das grades por seu engajamento na luta contra o racismo deixou lições para a humanidade.

Várias homenagens especiais serão realizadas no mundo inteiro em memória ao centenário. São exposições, debates, iniciativas de incentivo à educação, ao voluntariado, publicação de livros, lançamento de filmes, músicas e concertos em tributo ao líder.

Mandela dedicou sua vida à luta pela liberdade e abriu caminho para a consolidação da democracia no continente africano. Para a ONU, a celebração é uma forma de lembrar a dedicação e seus serviços à humanidade. Mandela atuou fortemente também no enfrentamento ao vírus HIV e na mediação de conflitos.