29.6 C
Vitória
terça-feira, 1 dezembro 2020

Carta viva, sermão morto

Mais Artigos

Psicofobia. É uma doença ou um crime?

Quanto à psicose, não há recalque, nem censura alguma. O consciente é “atropelado” pelo inconsciente que fica “desnudo”

Dia mundial de Ação de graças

Quero inspirar você neste texto a aceitar a verdade defendida pelo dia de Ação de graças, mesmo que não valorize o feriado.

Reservas de Forças: aquela força extra que nos leva muito mais longe

O que trago aqui hoje são cinco fontes de reservas de forças, que nem sempre são mensuráveis, mas são perceptíveis

Meu pai dizia que um dos sinais da maturidade era o equilíbrio, a ponderação, a compostura…

Por José Ernesto Conti

Caro Pastor Ed René,

Já que você (me permite tratá-lo assim) está fazendo uma série de sermões sobre as cartas de Paulo, gostaria de lhe enviar uma carta sobre o sermão de domingo (25 de outubro).

Meu pai dizia que um dos sinais da maturidade era o equilíbrio, a ponderação, a compostura… Mas creio que isso está ficando em desuso em nossos dias de redes sociais. Pra começar, as próprias redes se encarregam em desequilibrar qualquer afirmação um pouco mais leviana de nossa parte. Estamos perdendo o direito de falar, de vez enquanto, alguma besteira, logo não fica chateado com minhas palavras.

Voltando ao seu sermão sobre as Cartas Vivas Contra as Letras Mortas, tentando contextualizar uma situação de estupro no tempo de Moisés e em nossos dias, usando o texto de Dt 22: 28-29, afirma que por isso a Bíblia é um livro insuficiente e que esse é o grande desafio da igreja contemporânea, ressignificar os princípios de vida que ela encerra, princípios esses que devem saltar das páginas para promover libertação e justiça em nossos dias.

Talvez pelo fato de já estar no final de seu sermão daquela noite, as afirmações acima o animaram a continuar nessa toada, da necessidade de atualização do texto bíblico, para atender às novas exigências, esbarramos com conceitos como aceitar a escravidão com base na carta de Paulo a Filemon e principalmente com os homossexuais, para que deixem de ser condenados ao inferno. “Se queremos ser cartas para o novo mundo, se a Igreja quer ser cartas para o novo mundo, nós vamos precisar atualizar a Escritura e vamos ter de fazer essa atualização e ter essa coragem de enfrentar os pecados de gênero”, você disse.

Onde está seu erro, Pr kivitz? (muita pretensão a minha). É o mesmo erro de centenas, talvez milhares de críticos da Bíblia: querer que os princípios da Bíblia não entrem em conflito com os nossos princípios. Em outras palavras, o que a Bíblia define como padrão, precisa estar, no mínimo, no mesmo nível da nossa ética, da nossa moral, da nossa racionalidade. Resumindo, para que Deus seja um cara no mínimo razoável e coerente, ele (Deus) não pode agredir minha lógica. Não foi isso que você disse?

Você me permite usar a história de Jó, para verificar o quanto está distante da verdade, quando exige uma explicação convincente para certas passagens da Bíblia. Quem em sã consciência não condenaria Deus pelo que ele fez com Jó? Se fosse uma briguinha entre seres humanos, classificaríamos de estúpida e insolente, mas obrigar Jó a sofrer como sofreu e matar a sua família, tudo por causa de um orgulho idiota (acho que Deus vai me perdoar esse idiota, foi só para reforçar), está fora de qualquer racionalidade. Depois que tudo passou e quando Jó questiona Deus, o que recebe de resposta? Jó, onde estava tu quando lancei os fundamentos da terra? Quem colocou limites ao mar? Quem faz crescer a erva? Quem controla as estrelas? Quem primeiro deu a mim para que eu haja de retribuir-lhe?

Jeremias garante que é o oleiro quem pode fazer o que quiser com o barro, não o contrário. Paulo num arroubo poético afirma “ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os teus juízos e quão inescrutáveis os seus caminhos. Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro?”

Concordo com sua indignação, Pr Kivitz. Muitas vezes, naquelas circunstâncias, quase concordo com a mulher de Jó, mas o que não concordo é que Deus tenha que agir de acordo com o “nosso” padrão, com “nossa” justiça, com “nossas” razões. Afirmar isso é o mesmo que afirmar que Deus é limitado em sua soberania, é insuficiente em sua onisciência, frágil em sua onipotência e incapaz em sua sabedoria.

Acho meu pastor, que você “picou fumo” no seu sermão de domingo!!!

José Ernesto Conti é Pastor da Igreja Presbiteriana Água Viva

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Asia Bibi pede que presos por sua fé sejam libertos no mundo

A cristã Asia Bibi comoveu o mundo com história de superação. Ela esteve mais de uma década no corredor da morte no Paquistão, mas foi libertada. Saiba mais!

Esperança! Bebê de Singapura nasce com anticorpos da covid-19

Mãe, que foi infectada durante a gravidez, teve um bebê que nasceu sem a infecção. Caso está sendo estudados por médicos de Singapura. Caso surpreendeu a medicina. Saiba mais!

Pastor Ricardo Dias é exonerado da Funai

Pastor Ricardo Dias chefiava área de índios isolados da Funai exonerado da Funai. Saiba mais!

Brasil e Israel: união para salvar Amazônia

O acordo entre Brasil e Israel tem o objetivo de contribuir para que o governo tenha mais dados para impedir as queimadas e o desmatamento na Amazônia. Saiba mais!

Entrevistas

João Mordomo: O desafio de evangelizar e plantar igrejas

Co-fundador da Crossover Global, movimento missionário de plantação de igrejas no mundo, fala do desafio de pregar o evangelho entre os povos não alcançados.

Abby Johnson: “Ninguém está além da graça e do amor de Deus”

Em entrevista exclusiva à Comunhão, a empresária Abby Johnson revela os detalhes que a fizeram deixar uma clínica de aborto para se tornar uma ativista pró-vida nos EUA. Confira!

Paulo Oliveira: Toda crise é boa para quem é pequeno

Como será de agora em diante para a economia, a política e a educação? E onde a Igreja entra nisso? Confira a entrevista com Paulo Oliveira, presidente do Instituto Renovo

Davi Lago e Leonardo Gonçalves: a crise e a oportunidade de fazer diferente

Para Davi Lago e o cantor Leonardo Gonçalves, simplicidade, solidariedade e amor são ingredientes fundamentais para vencer a crise