“Acolha a vida”: Campanha de combate ao suicídio

Foto: Reprodução

Campanha do Ministério da Família pede que pais ou responsáveis fiquem atentos com crianças e adolescentes. Tema já foi retratado em debate por especialistas de Comunhão

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos lançou a campanha de combate ao suicídio e automutilação chamada”Acolha a Vida”. A iniciativa é voltada especialmente para crianças, adolescentes e jovens. E chama atenção para os pais e responsáveis para acompanhar esse público que está vulnerável a comportamentos de violência.

“Entender essa explosão do suicídio, especialmente da automutilação. Nossas crianças e nossos jovens estão em profundo sofrimento. E eles estão sentido dor e queremos tirar essa estigma de que essas crianças que estão impondo sofrimento a seus corpos estão querendo aparecer por uma razão. Se a nossa campanha conseguir pelo menos isso já nos daremos por satisfeitos”, garantiu a ministra Damares Alves.

O alerta é feito através de um vídeo, publicado no canal do Ministério no Youtube, quem tem protagonista a ex-modelo Luiza Brunet, que é empresária e ativista social. Em suas redes sociais, ela reforçou o objetivo da campanha.

“Faço um chamamento a todas as famílias na prevenção ao suicídio e à automutilação. Vamos proteger nossas crianças. Atrás de uma rotina aparentemente normal, pode haver um profundo sentimento capaz de levar a pessoa a cometer violência contra seu próprio corpo”, escreveu.

Debates

No Brasil, estima-se que 5.0 a 9.9 mortes por 100 mil habitantes em 2018 tenha como causa o suicídio.  Esse número representa uma parcela significativa da taxa de mortalidade geral. Os crescentes casos de suicídio no país fez intensificar os debates na sociedade brasileira.

Até mesmo dentro das igrejas o assunto tem ganhado notoriedade, já que o número de pastores que tiram a própria vida tem aumentado. Comunhão realizou um debate com especialistas sobre o tema.

Em uma ação inédita no país, a Convenção Batista do Estado de São Paulo (CBESP) desenvolveu um “Programa de Mentoreamento do Projeto Josué” que traz um levantamento de informações sobre a saúde dos ministros do evangelho, que são os que fazem parte do grupo de risco para transtornos emocionais e suicídio.

“O pastor faz parte do grupo de risco porque lida com pessoas, tem uma demanda muito grande, e tem muita dificuldade de colocar limites, de dizer não pela necessidade que tem de agradar e pela falta de uma pessoa ou um grupo de amigos que ele possa confidencializar suas angústias e dores.”, explicou o pastor Abner Morilha, coordenador do projeto.

Veja


Leia mais

Projeto Prevenção de suicídio aprovado pelo Senado
Suicídio: tema tabu em debate no ES
Jovens cristãos alertam para o suicídio
Suicídio na juventude!

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!