26.5 C
Vitória
sexta-feira, 4 dezembro 2020

Bolsonaro reforça que não quer privatizar o SUS

Leia também

Com fim do auxílio, desigualdade pode voltar aos anos 80

O auxílio diminuiu a diferença de renda entre os mais pobres e os mais ricos, o que pode ser verificado pela redução do índice de Gini

Transformador reserva é enviado a Macapá

O Ministério de Minas e Energia, revelou que a empresa tem sinalizado que o equipamento pode ser ligado ainda na segunda quinzena deste mês

‘Rachadinha’ é empecilho para candidatura de Arthur Lira

As investigações apontam que a "rachadinha" na Assembleia de Alagoas ocorreu, em parte, quando Lira ocupava um cargo no Legislativo estadual

Presidente destacou ainda que não pode remanejar recursos do Legislativo para a Saúde e que não era um “ditador”

Depois de revogar o decreto que autorizava estudos para abrir as Unidades Básicas de Saúde (UBS) à iniciativa privada, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira, 28, que pode reeditar a medida. Para apoiadores, o chefe do Executivo argumentou que a população merece um “bom atendimento médico”. Ele voltou a negar que a intenção da proposta fosse privatizar o SUS.

“O pessoal falou que era privatizar, eu revoguei o decreto. Deixa. Quando tiver o entendimento do que a gente, de verdade, quer fazer, talvez eu reedite o decreto. Enquanto isso, vamos ter mais de 4 mil unidades abandonadas, jogadas no lixo sem atender uma pessoa sequer”, declarou.

O presidente citou ter sido alvo de críticas da “esquerda” e da “imprensa” e, por isso, voltou atrás na norma. “Lamentavelmente o pessoal da esquerda critica, essa imprensa critica, e eu estava virando um monstro. Então, eu revoguei o decreto, sem problema nenhum. Eu tenho um bom atendimento médico, agora o povo tem que ter também”, argumentou.

Bolsonaro destacou ainda que não pode remanejar recursos do Legislativo para a Saúde e que não era um “ditador”. “Aí vem cara assim ‘diminua salário do poder Legislativo que tem dinheiro para saúde’. Eu não tenho poder de mexer em salário de servidor do Legislativo. Tem que entender. Ó, querem um ditador? Votaram no cara errado”, disse.

Alvo de críticas negativas, o decreto revogado nesta quarta-feira era assinado por Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O texto incluía unidades de saúde no âmbito de estudo do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), sobre concessões e privatizações do governo.

Nesta quinta-feira, 29, Guedes afirmou que seria um “contrassenso” falar em privatização do Sistema Único de Saúde (SUS). “O objetivo do decreto não era privatizar o sistema ou atacar o SUS”, afirmou em audiência na comissão mista do Congresso que fiscaliza a atuação do Poder Executivo no combate ao coronavírus. “Quem é maluco de acabar com o acesso universal no SUS? A luta é para aumentar o acesso”, continuou.

Guedes comentou que existem mais de 4 mil unidades básicas de saúde que iniciaram construção e não conseguiram terminar por falta de recursos no meio de uma pandemia. Um dos objetivos das parcerias com a iniciativa privada na saúde era atacar esse problema, segundo o governo. “Se fosse privatização do SUS teria que ir para Congresso e STF opinaria. Privado terminaria obras e equipamentos, e governo daria voucher saúde. Foi um susto pra mim ontem, com decreto cedo e a suspensão pelo presidente. Jamais esteve sob análise privatizar o SUS, seria uma insanidade”, afirmou o ministro.

Segundo ele, o debate era para encontrar uma forma de o capital privado auxiliar na política de saúde brasileira. “Foi uma medida do PPI, criada por funcionária pública de carreira”, disse Guedes, fazendo referência a secretária especial do PPI, Martha Seillier. “Martha do PPI é funcionária pública de carreira. Não tem guerra ideológica”, disse.

Mourão

O vice-presidente Hamilton Mourão também afirmou nesta quinta-feira, 29, que “houve muito barulho por nada” em relação à revogação do decreto. Ele disse não estar inteirado do assunto, mas ponderou que os estudos poderiam concluir pela viabilidade ou não de uma possível privatização das unidades.

“Não tive oportunidade de me inteirar dessa situação. Única coisa que tomei conhecimento era para fazer um estudo. Estudo, vocês sabem, pode concluir que a proposta é viável ou como também podia concluir que a proposta era inviável”, disse para jornalistas ao chegar na Vice-Presidência. E acrescentou: “Eu acho que houve muito barulho, também, por nada”.

O decreto assinado na última terça-feira, 27, teve repercussão negativa na sociedade e forçou Bolsonaro a recuar. Parlamentares apresentaram ao menos oito projetos de decreto legislativo para sustar a medida. Questionado se o governo se comunicou mal sobre o objetivo do decreto, Mourão respondeu: “a mochila que eu carrego, que é da Amazônia, não me permite ficar prestando atenção nisso aí. Então, é leviandade minha pegar e criticar alguma coisa”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Reunião entre Bolsonaro e Fernández termina

A Presidência da República e o Itamaraty ainda não divulgaram informações sobre a reunião com Fernández

Bolsonaro diz que nunca chamou covid-19 de ‘gripezinha’

Diferentemente do que o presidente afirma agora, porém, ele comparou, sim, os sintomas da covid-19 a uma gripe em mais de uma ocasião

Bolsonaro abre mão de depoimento presencial

A controvérsia em torno da forma como deveria ser o depoimento do presidente da República gerou desgaste não apenas entre o STF

Bolsonaro lamenta alta de preços de alimentos

O presidente ressaltou que sem medidas do governo federal, como a ajuda para pequena empresas e o auxílio emergencial

Bolsonaro: críticas internacionais sobre agronegócio na Amazônia

De acordo com Presidente, o interesse de outros países não é na floresta, mas sim no que está "debaixo da terra"

Bolsonaro pede que países ajudem a combater comércio ilegal de madeira

O presidente voltou a mencionar o método desenvolvido pela Polícia Federal para rastrear a origem de madeiras apreendidas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Conferência Paixão pela Juventude 2020

Realizado pela Juventude Batista Brasileira, evento será online e acontece em duas datas. A primeira será neste sábado, 28, e a segunda, dia 5 de dezembro. Saiba mais!

Miniconferência on-line: “Fé e Ciência para Corpos e Mentes”

Cientistas cristãos brasileiros respondem questões de fé e ciência para corpos e mentes. Tema será abordado na mini Conferência online. Saiba mais!

Seminário de ciências bíblicas em edição virtual; começa hoje

Realizado há 20 anos pela Sociedade Bíblica do Brasil, evento incentiva o estudo e capacita líderes sobre o uso da Bíblia.

Grandes artistas do Brasil no “BH profetiza”

Realizado pela cantora Camila Campos, O BH profetiza vai reunir diversos cantores, entre eles Weslei Santos, Gai Sampaio, pastora Helena Tannure e outros. Evento será transmitido ao vivo, nesta terça-feira, 17 
- Publicidade -

Plugue-se

Novo álbum musical do Missionário R. R. Soares

O álbum "Em O nome de Jesus", com 12  músicas inéditas, foi lançado depois de cinco anos. Primeiro single do projeto está disponível em todas as plataformas e Youtube

Wilson Witzel é batizado em igreja evangélica

O batismo ocorreu um dia antes de Witzel protocolar sua defesa no tribunal misto, que julga o processo de impeachment dele. Saiba mais!

3 palavrinhas é indicado ao premio Gerando Salvação

Na categoria “Projeto Infantil”, o 3 palavrinhas, que é considerado o maior canal infantil gospel do mundo, concorre ao lado de Aline Barros e outras estrelas do segmento. Saiba mais!

Saiba mais sobre o cristianismo em alguns livros

No Dia do Evangélico Comunhão selecionou 10 livros para estudar e conhecer mais sobre o cristianismo. Saiba mais!